Ales­san­dra Ne­gri­ni

No ar em Or­gu­lho e Pai­xão, a atriz re­lem­bra os mo­men­tos mar­can­tes de sua car­rei­ra

Malu - - ENTREVISTA -

Fa­zer vi­lãs

“Em ca­da uma exis­te um de­sa­fio, al­go que vai te es­ti­mu­lar, por­que se vo­cê for fa­zer a mes­ma coi­sa sem­pre, vo­cê fi­ca de sa­co cheio. A Su­za­na é mui­to ma­lan­dra, mas é en­gra­ça­da. Ela apron­ta umas coi­sas que nun­ca dão cer­to. Eu en­cho os olhos com qual­quer per­so­na­gem. Vi­lã eu fa­ço na te­le­vi­são. Eu fa­ço ou­tras mi­lhões de coi­sas, mas por aca­so, a te­le­vi­são me cha­ma pa­ra fa­zer vi­lã. En­tão, eu acho que é in­te­res­san­te, por­que o vi­lão não tem que es­tar den­tro da nor­ma, não tem que ser cer­ti­nho, e is­so é le­gal. Eu gos­to de fa­zer qual­quer coi­sa, des­de que se­ja le­gal.”

Afas­ta­men­to das no­ve­las

“Eu não aguen­to fa­zer uma no­ve­la se­gui­da da ou­tra. Me apa­re­ceu es­sa per­so­na­gem ago­ra, mas ou­tras coi­sas que sur­gi­ram não me in­te­res­sa­ram fa­zer. Eu fiz vá­ri­os fil­mes nes­se tem­po, aca­bei de fil­mar um lon­ga que se cha­ma Aqua­mo­ve, do Lí­rio Fer­rei­ra, que eu acho que vai ser bem ba­ca­na.”

Ci­ne­ma, te­a­tro e TV

“Eu tran­si­to pe­lo ci­ne­ma, te­a­tro e te­le­vi­são. Ca­da uma tem uma pe­cu­li­a­ri­da­de que me in­te­res­sa. Na te­le­vi­são, o mais le­gal é que vo­cê po­de brin­car mui­to, por­que é um tra­ba­lho lon­go. Acho que o que deu cer­to pa­ra mim na te­le­vi­são foi es­sa li­ber­da­de. Ci­ne­ma já é uma coi­sa mais sé­ria, tem ou­tra lin­gua­gem. E te­a­tro é a coi­sa pu­ra, de es­tar no pal­co e ser aplau­di­do. É o pra­zer mais pu­ro que tem na in­ter­pre­ta­ção.”

25 anos de car­rei­ra

“Eu não sou a pes­soa que fi­ca olhan­do pa­ra trás e fa­lan­do: ‘o que po­de­ria ter si­do di­fe­ren­te?’. Eu acho que foi mui­to bom, até ago­ra, tu­do acon­te­ceu co­mo ti­nha que acon­te­cer. Eu só te­nho a agra­de­cer por es­ses anos de car­rei­ra: is­so é fru­to de mui­to es­for­ço, na­da cai do céu.”

Per­so­na­gens im­por­tan­tes

“Não te­nho nú­me­ros im­por­tan­tes que mar­ca­ram. Acho que En­gra­ça­di­nha (1995) foi a pri­mei­ra. De­pois, A Mu­ra­lha (2000) foi mui­to im­por­tan­te. E as gê­me­as de Pa­raí­so Tro­pi­cal (2007). Es­sas são as per­so­na­gens que pon­tu­a­ram a mi­nha car­rei­ra.”

Cri­se nos pal­cos

“Te­a­tro qu­a­se não dá di­nhei­ro. Mas a gen­te é mui­to apai­xo­na­do, e o pal­co é um lu­gar que sem­pre aco­lhe e sem­pre vai aco­lher. En­tão, a gen­te se vi­ra, faz com o pou­co que tem. Se tem mais, a gen­te faz com mais. O te­a­tro é uma arte de re­sis­tên­cia.”

Em­po­de­ra­men­to fe­mi­ni­no

“Ser mu­lher é um de­sa­fio. To­do dia é uma su­pe­ra­ção. Não te­nho his­tó­ri­as de as­sé­dio, mas ser mu­lher é al­go que re­quer uma for­ça, uma fi­bra mui­to gran­de. Eu sei por­que te­nho fi­lho ho­mem e fi­lha mu­lher, é di­fí­cil pra to­do mun­do. Mas a mu­lher tem que lu­tar mais, eu acho.”

Mu­lher sen­su­al

“A pes­soa que não se sen­te sen­su­al é uma pes­soa es­tra­nha, né? Tem di­as que eu es­tou mais sen­su­al, têm di­as que eu não es­tou, tem di­as que eu gos­ta­ria de es­tar de­bai­xo do len­çol, tem di­as que eu es­tou de TPM... Mas eu ten­to ser sen­su­al com a vi­da e co­mi­go mes­ma por­que, se não, não tem gra­ça vi­ver.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.