Ovo é saúde!

Es­pe­ci­a­lis­tas ex­pli­cam os po­de­res do ali­men­to pa­ra o bem-es­tar do cor­po

Malu - - MAIS SAUDÁVEL -

Há al­guns anos, se vo­cê per­gun­tas­se às pes­so­as se po­de­ria co­mer ovo tran­qui­la­men­te, é bem pro­vá­vel que ou­vis­se um so­no­ro “não”. Is­so por­que exis­tia o con­sen­so de que es­se ali­men­to tra­zia sé­ri­os ris­cos ao or­ga­nis­mo, prin­ci­pal­men­te ao co­ra­ção. Con­tu­do, o ovo foi “ab­sol­vi­do” des­sa acu­sa­ção e já es­tá en­tre os que­ri­di­nhos de uma di­e­ta sau­dá­vel. A se­guir, vo­cê vai en­ten­der mais so­bre es­sa po­lê­mi­ca e des­co­brir que ele po­de, sim, ser con­su­mi­do sem me­do!

Co­les­te­rol pro­te­gi­do

Após mui­tos es­tu­dos, a gran­de po­lê­mi­ca en­vol­ven­do o ovo te­ve uma re­vi­ra­vol­ta: ele não au­men­ta o co­les­te­rol. “O ovo tem uma va­ri­e­da­de gran­de de áci­dos gra­xos mo­no e po­li-in­sa­tu­ra­dos, que aju­dam no con­tro­le do co­les­te­rol, além de pos­suir o ami­noá­ci­do colina, que tam­bém au­xi­lia na re­du­ção des­ses ní­veis. Es­tu­dos e pes­qui­sas têm de­mons­tra­do que o co­les­te­rol exis­ten­te nos ovos não é tão al­to quan­to di­zi­am an­tes, is­so de­vi­do à pró­pria di­e­ta dos ani­mais”, es­cla­re­ce a nu­tri­ci­o­nis­ta Eli­a­ne Pe­te­an Arena.

Mais mús­cu­los

O ovo aju­da o or­ga­nis­mo na sin­te­ti­za­ção das pro­teí­nas e, co­mo con­sequên­cia, no de­sen­vol­vi­men­to mus­cu­lar. Na cla­ra es­tá a mai­or par­te da pro­teí­na, mas o ide­al é co­mer o ovo com a ge­ma tam­bém, por­que ela é ri­ca em ou­tros nu­tri­en­tes que au­xi­li­am no ga­nho de mas­sa ma­gra.

Cé­re­bro ati­vo

“Além de aju­dar no con­tro­le do co­les­te­rol, a colina atua co­mo pre­cur­so­ra do neu­ro­trans­mis­sor ace­til­co­li­na, fun­da­men­tal pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to ce­re­bral. En­con­tra­da na ge­ma, ela é mui­to im­por­tan­te pa­ra a for­ma­ção de no­vas cé­lu­las, in­cluin­do as ner­vo­sas ce­re­brais, e na re­pa­ra­ção das já le­sa­das”, diz Elai­ne. O ali­men­to faz tão bem pa­ra a me­mó­ria, con­cen­tra­ção e apren­di­za­do, que o des­je­jum de um es­tu­dan­te se­ria mais com­ple­to se tam­bém con­tas­se com 1 ovo co­zi­do por dia.

Bom pa­ra a vi­são

En­con­tra­da na ge­ma do ovo, a lu­teí­na é ti­da co­mo “a vi­ta­mi­na dos olhos”. “Em con­jun­to com ou­tros an­ti­o­xi­dan­tes, ela aju­da a evi­tar do­en­ças ocu­la­res, in­cluin­do a de­ge­ne­ra­ção ma­cu­lar re­la­ci­o­na­da à ida­de, à ca­ta­ra­ta e à re­ti­ni­te pig­men­to­sa - um dis­túr­bio he­re­di­tá­rio que cau­sa a de­ge­ne­ra­ção da re­ti­na”, ex­pli­ca Ala­na Car­va­lho, es­pe­ci­a­lis­ta em me­ta­bo­lis­mo e te­ra­pia nu­tri­ci­o­nal. E ain­da tem mais: a lu­teí­na não é pro­du­zi­da pe­lo nos­so or­ga­nis­mo, ou se­ja, pre­ci­sa ser in­ge­ri­da por meio de ali­men­tos ou na for­ma de su­ple­men­tos. Na­da me­lhor que o ovo, cer­to?

Qui­los a me­nos

“Por ser um dos ali­men­tos mais ri­cos nu­tri­ci­o­nal­men­te, per­den­do ape­nas pa­ra o lei­te ma­ter­no, o ovo cau­sa sa­ci­e­da­de de­vi­do à sua quan­ti­da­de de pro­teí­nas, o que po­de ser um óti­mo ali­a­do do ema­gre­ci­men­to”, co­men­ta Ra­quel Se­go­bia, nu­tri­ci­o­nis­ta do pro­gra­ma Afi­ne-se.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.