Mi­tos so­bre di­nhei­ro

Malu - - SEU DINHEIRO -

OIns­ti­tu­to Co­a­ching Fi­nan­cei­ro lis­tou as prin­ci­pais cren­ças que im­pe­dem o su­ces­so fi­nan­cei­ro pa­ra vo­cê fu­gir de­las.

Di­nhei­ro é al­go do mal:

es­sa ideia é mui­to pro­pa­ga­da por gen­te que não con­se­gue en­ri­que­cer ou te­ve uma má ex­pe­ri­ên­cia com pes­so­as ri­cas.

Di­nhei­ro não é tão im­por­tan­te:

es­se me­nos­pre­zo ao di­nhei­ro di­fi­cil­men­te le­va­rá a uma his­tó­ria de su­ces­so. Não é pre­ci­so su­per- va­lo­ri­zar o di­nhei­ro, mui­to me­nos des­pre­zar.

Di­nhei­ro foi fei­to pa­ra ser gas­to:

o di­nhei­ro é um meio pa­ra atin­gir ou­tros ob­je­ti­vos na vi­da. Gas­tar é ape­nas uma ver­ten­te en­tre mui­tas.

Eu não sei li­dar com di­nhei­ro:

es­se re­co­nhe­ci­men­to po­de ser im­por­tan­te, des­de que se­gui­do da bus­ca por aju­da em co­nhe­ci­men­to.

Di­nhei­ro é um re­cur­so li­mi­ta­do:

es­sa é a men­ta­li­da­de da es­cas­sez. Em opo­si­ção, a men­ta­li­da­de da abun­dân­cia com­pro­va que dá pa­ra vi­ver sem limites de re­cur­sos.

En­tre ser fe­liz ou ser ri­co, pre­fi­ro ser fe­liz:

na prá­ti­ca, es­ta es­co­lha não exis­te. O di­nhei­ro não pre­ci­sa es­tar atre­la­do a uma vi­da in­fe­liz.

Que­rer di­nhei­ro é coi­sa de gen­te egoís­ta:

aqui, vol­ta­mos ao con­cei­to do di­nhei­ro co­mo al­go mau. O seu di­nhei­ro, na ver­da­de, mos­tra o que vo­cê cri­ou pa­ra a sua co­mu­ni­da­de atra­vés de seu tra­ba­lho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.