Cân­cer de estô­ma­go

Sai­ba co­mo iden­ti­fi­car a do­en­ça que vi­ti­mou a blo­guei­ra Nara Al­mei­da

Malu - - SAÚDE -

Se­gun­do da­dos do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Cân­cer (In­ca), cer­ca de 65% dos pa­ci­en­tes di­ag­nos­ti­ca­dos com cân­cer de estô­ma­go têm mais de 50 anos, sen­do que a mai­or in­ci­dên­cia se dá em ho­mens com mais de 70 anos. O se­gun­do ti­po de tu­mor mais co­mum, cha­ma­do di­fu­so, aco­me­te mu­lhe­res en­tre 40 e 50 anos. Se­gun­do o on­co­lo­gis­ta João Pau­lo Fo­gac­ci, “ca­sos mui­to pre­co­ces co­mo o da Nara Al­mei­da, em ge­ral, são as­so­ci­a­dos a sín­dro­mes ge­né­ti­cas ra­ras, com ca­rá­ter mui­tas ve­zes he­re­di­tá­rio”. Mas é pos­sí­vel se pre­ve­nir? Co­mo iden­ti­fi­car os si­nais? O es­pe­ci­a­lis­ta res­pon­de a es­sas e ou­tras dú­vi­das!

O que é?

“O cân­cer de estô­ma­go é um tu­mor que se for­ma quan­do um con­jun­to de cé­lu­las do ór­gão se trans­for­ma e ado­ta um com­por­ta­men­to agres­si­vo. Elas cres­cem de for­ma de­sor­de­na­da, com ca­pa­ci­da­de de cau­sar pre­juí­zo lo­cal, além de se es­pa­lha­rem pe­lo cor­po, cau­san­do me­tás­ta­se”, de­fi­ne o mé­di­co. Exis­tem mais de um ti­po de cân­cer de estô­ma­go, “mas, em ge­ral, ao uti­li­zar­mos o ter­mo (cân­cer de estô­ma­go), es­ta­mos fa­lan­do do ade­no­car­ci­no­ma, um ti­po que re­pre­sen­ta mais de 90% dos tu­mo­res gás­tri­cos”, com­ple­men­ta.

Cau­sas

Os prin­ci­pais fa­to­res que le­vam ao de­sen­vol­vi­men­to do cân­cer são: ge­né­ti­ca (in­for­ma­ções ar­ma­ze­na­das no DNA, her­da­das dos fa­mi­li­a­res); e fa­to­res am­bi­en­tais (do meio on­de se vi­ve). Den­tre es­ses, des­ta­cam-se uma ali­men­ta­ção não equi­li­bra­da, ta­ba­gis­mo, obe­si­da­de e a bac­té­ria H. Py­lo­ri. “Acres­cen­ta­ria his­tó­ri­co fa­mi­li­ar de cân­cer e úl­ce­ras pép­ti­cas, ci­rur­gi­as par­ci­ais de estô­ma­go, ra­di­o­te­ra­pia re­a­li­za­da em ab­do­me, ten­do co­mo ra­zão tra­tar ou­tro cân­cer, do­en­ça au­toi­mu­ne que re­duz o ní­vel de vi­ta­mi­na B12 no cor­po (co­nhe­ci­da tam­bém co­mo ane­mia per­ni­ci­o­sa) e ou­tras in­fec­ções”, in­for­ma Fo­gac­ci.

Aten­ção aos si­nais!

Os sin­to­mas mais co­muns são “des­con­for­tos no estô­ma­go que po­dem ser ex­pres­sos des­de uma azia até sen­sa­ção de es­tu­fa­men­to após ali­men­ta­ção ou sa­ci­ar-se com pou­ca quan­ti­da­de de co­mi­da. Es­ses in­dí­ci­os lis­ta­dos po­dem ser co­muns a uma gas­tri­te ou do­en­ça ul­ce­ro­sa pép­ti­ca. Po­rém, quan­do as­so­ci­a­dos a si­nais de aler­tas co­mo ane­mia fer­ro­pri­va (per­da de san­gue), que po­de cau­sar can­sa­ço, per­da de pe­so não pla­ne­ja­da ou as­so­ci­a­da a al­guns acha­dos no exa­me fí­si­co re­a­li­za­do pe­lo mé­di­co, li­gam o si­nal de aler­ta, sen­do acon­se­lhá­veis in­ves­ti­ga­ções mais pro­fun­das”, ad­ver­te.

Pre­ven­ção

Além da di­e­ta, é re­co­men­dá­vel man­ter o pe­so ade­qua­do por meio de ati­vi­da­de fí­si­ca e não fu­mar. Qu­em tem con­ta­mi­na­ção por H. Py­lo­ri de­ve fa­zer o tra­ta­men­to cor­re­ta­men­te pa­ra er­ra­di­cá-la. “E na­da subs­ti­tuiu a anam­ne­se, que é a con­ver­sa com pa­ci­en­te e um bom exa­me fí­si­co”, ori­en­ta o on­co­lo­gis­ta. Pa­ra qu­em gos­ta de pes­qui­sar in­for­ma­ções na internet, Fo­gac­ci in­di­ca os si­tes do In­ca (in­ca.gov. br) e da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de On­co­lo­gia (SBOC - sboc.org.br), que são fon­tes con­fiá­veis.

Tra­ta­men­to

Le­sões mui­to pre­co­ces po­dem ser tra­ta­das por en­dos­co­pia. Pa­ra le­sões mai­o­res, a ci­rur­gia e a qui­mi­o­te­ra­pia com­bi­na­das tra­tam e evi­tam a re­cor­rên­cia da do­en­ça. “Quan­do há me­tás­ta­se, o tra­ta­men­to pa­drão é a qui­mi­o­te­ra­pia no in­tui­to de con­tro­lar a do­en­ça e ame­ni­zar os sin­to­mas por ela cau­sa­dos”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.