Tec­no­es­tres­se

O uso ex­ces­si­vo de tec­no­lo­gia po­de tra­zer pre­juí­zos ao corpo

Malu - - Mundo virtual -

Não há co­mo ne­gar que os avan­ços da tec­no­lo­gia fa­ci­li­tam mui­to a ro­ti­na. Com os ce­lu­la­res, por exemplo, fi­ca mui­to mais fá­cil en­con­trar pes­so­as e se co­mu­ni­car. A in­ter­net traz uma in­fi­ni­da­de de pos­si­bi­li­da­des de conhecimento, apren­di­za­gem e uma in­te­ra­ção com o mundo ins­tan­tâ­nea e efi­caz. Mas afinal, se­rá que es­sas facilidades só tra­zem be­ne­fí­ci­os para quem usu­frui de­las?

Fa­ca de dois gu­mes

“Ao mesmo tem­po em que a tec­no­lo­gia nos fa­ci­li­ta a vi­da, ela tam­bém cria uma pres­são mui­to gran­de em ter­mos de ra­pi­dez da in­for­ma­ção, por­que is­so pres­si­o­na as pes­so­as a fa­ze­rem as coi­sas mais ra­pi­da­men­te, e is­so é bas­tan­te ne­ga­ti­vo em re­la­ção ao es­tres­se”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga e es­pe­ci­a­lis­ta em es­tres­se Ana Maria Ros­si. Se­gun­do o Ins­ti­tu­to Nacional de Saúde Men­tal dos EUA, cer­ca de 7% da po­pu­la­ção mun­di­al pos­sui al­gum ti­po de trans­tor­no re­la­ci­o­na­do à an­si­e­da­de, sen­do que, no país, cer­ca de 18% dos ca­sos ocor­rem em adul­tos.

Co­nhe­cen­do o pro­ble­ma

Ca­rac­te­ri­za­do pe­lo uso ex­ces­si­vo de tec­no­lo­gia, o tec­no­es­tres­se cau­sa an­si­e­da­de, iso­la­men­to e até mesmo de­pres­são. O pri­mei­ro pas­so para iden­ti­fi­cá-lo, sem dú­vi­das, é estar sem­pre aten­to aos há­bi­tos com­por­ta­men­tais: se vo­cê cos­tu­ma le­var o smarthpho­ne para to­dos os lu­ga­res e na­ve­gar na in­ter­net en­quan­to con­ver­sa com ou­tras pes­so­as, a pro­ba­bi­li­da­de de so­frer uma cer­ta abs­ti­nên­cia lon­ge do apa­re­lho é gran­de. Nes­se ca­so, é ne­ces­sá­rio re­co­nhe­cer a si­tu­a­ção e estar aber­ta para me­lho­rar sua qua­li­da­de de vi­da. “A mai­or par­te das pes­so­as que so­frem com tec­no­es­tres­se não re­co­nhe­cem is­so. Elas acham que o uso do ce­lu­lar e do no­te­bo­ok por ho­ras a fio é nor­mal. Não é in­co­mum ver pes­so­as co­men­do e fa­lan­do no te­le­fo­ne ao mesmo tem­po em que mas­ti­gam ou te­clam al­go no no­te­bo­ok. Is­so tor­na-se abu­si­vo, pois a pes­soa não es­tá se dan­do uma opor­tu­ni­da­de de descansar para po­der re­cu­pe­rar sua ener­gia”, co­men­ta a psi­có­lo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.