Por to­das nós

Co­nhe­ça El­lo­ra Ha­on­ne, you­tu­ber que in­cen­ti­va mu­lhe­res a acei­ta­rem e gos­ta­rem de seus cor­pos

Malu - - História de vida -

“Du­ran­te to­da a mi­nha vi­da me ven­de­ram a ideia de que, pa­ra ser um mu­lhe­rão, eu ti­nha que ter uma vi­da aca­dê­mi­ca im­pe­cá­vel, es­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra, um dis­cur­so bri­lhan­te, fir­me­za pa­ra fa­lar em pú­bli­co, um ca­be­lo se­do­so, per­nas per­fei­ta­men­te de­pi­la­das, um olhar pe­ne­tran­te...”, es­cre­veu El­lo­ra Ha­o­ne em seu li­vro Por To­das Nós, pe­la As­tral Cul­tu­ral. O que ela dis­se­mi­na, po­rém, é to­tal­men­te di­fe­ren­te do que lhe foi “en­si­na­do”. Na in­ter­net, a you­tu­ber com mais 1 mi­lhão de ins­cri­tos em seu ca­nal pre­ga o amor-pró­prio in­de­pen­den­te do nú­me­ro de cal­ça que vo­cê ves­te. Ve­ja al­gu­mas di­cas pa­ra se ins­pi­rar ne­la e es­pa­lhar au­to­con­fi­an­ça fe­mi­ni­na por aí!

A união faz a for­ça

“Quan­do com­par­ti­lho uma in­se­gu­ran­ça, me­do ou ex­pe­ri­ên­cia com ou­tra mu­lher, quan­do ver­ba­li­zo meus demô­ni­os e ve­jo que não es­tou so­zi­nha, é co­mo se aos pou­cos to­da aque­la dor se di­luís­se. E, por ou­tro la­do, quan­do eu con­to um so­nho, me­ta ou re­a­li­za­ção e re­ce­be o apoio de vol­ta, ve­jo que não é im­pos­sí­vel, dei­xo de me sen­tir ma­lu­ca pa­ra me sen­tir ca­paz. Com­par­ti­lhar é te­ra­pêu­ti­co.”

Ame quem vo­cê é

“Eu sei o que é odi­ar o pró­prio cor­po. Eu sei co­mo é que­rer ter nas­ci­do no cor­po de ou­tra pes­soa só pa­ra nun­ca mais ter que me ver de no­vo. Mas não exis­te es­se mo­men­to em que vo­cê acor­da e, ma­gi­ca­men­te, tem o cor­po per­fei­to que tan­to ima­gi­na. Vo­cê, mu­lher, tem um cor­po ca­paz de ler es­tas pá­gi­nas e in­fi­ni­tas ou­tras, sen­tir to­ques, tex­tu­ras, chei­ros, sa­bo­res, ou­vir, apren­der, cor­rer, pu­lar, jo­gar bo­la, car­re­gar pe­so, tro­car um dis­jun­tor, cui­dar de uma ca­sa... tu­do. Não se li­mi­te à apa­rên­cia. É óti­mo en­ten­der su­as re­ais di­men­sões pa­ra co­e­xis­tir pa­ci­fi­ca­men­te com elas e se pre­o­cu­par com o que re­al­men­te im­por­ta.”

Mu­de quan­tas ve­zes pre­ci­sar

“Não há na­da de er­ra­do em mu­dar de ideia e ir cons­truin­do seu ca­mi­nho a ca­da pas­so, a ca­da olhar, a ca­da no­va ex­pe­ri­ên­cia. Es­ses di­as li que o mun­do é uma pro­du­ção da nos­sa men­te. Por­que tu­do que ve­jo, to­co, sin­to ou pro­vo é uma in­te­ra­ção mi­nha com o mun­do, ou se­ja, uma cons­tru­ção que mi­nha men­te ge­ra. É is­so que tor­na a vi­da uma ex­pe­ri­ên­cia tão in­di­vi­du­al: as ex­pe­ri­ên­ci­as que ti­ve, lu­ga­res que vi­si­tei, o que me dá pra­zer, o que me en­tris­te­ce, as pes­so­as que co­nhe­ci e a in­fluên­cia que elas ti­ve­ram so­bre mim.”

“Não há na­da de er­ra­do em mu­dar de ideia e ir cons­truin­do seu ca­mi­nho a ca­da pas­so”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.