Ri­tu­al azul

Pa­ra pro­te­ção es­pi­ri­tu­al e eli­mi­na­ção de en­cos­tos e ob­ses­so­res

Malu - - Nossa capa -

As re­si­dên­ci­as e os lo­cais de tra­ba­lho são al­vos de es­pí­ri­tos que es­tão no um­bral (o pur­ga­tó­rio da Igre­ja Ca­tó­li­ca) e pe­ne­tram nos am­bi­en­tes es­pa­lhan­do flui­dos ne­ga­ti­vos, pre­ju­di­can­do a har­mo­nia, o de­sen­vol­vi­men­to ma­te­ri­al e es­pi­ri­tu­al dos que ha­bi­tam ou tra­ba­lham na­que­le am­bi­en­te. Por es­se mo­ti­vo, re­co­men­da-se a lim­pe­za com qu­al­quer ani­li­na azul, cu­jo ob­je­ti­vo é afas­tar se­res não evo­luí­dos, pois es­tão ali pa­ra su­gar a ener­gia dos se­res vi­vos pre­sen­tes. Lem­bre-se: num am­bi­en­te ener­ge­ti­ca­men­te sau­dá­vel, as pes­so­as sen­tem-se mais fe­li­zes, tran­qui­las e pro­te­gi­das. Não é o anil, e sim o azul do anil que exor­ci­za es­pí­ri­tos do mal. Pa­ra ca­da bal­de de água (2 li­tros em mé­dia), uti­li­ze uma pe­dra de anil ou uma tam­pa de anil lí­qui­do.

Co­mo fa­zer: fe­che o ple­xo so­lar da fa­mí­lia to­da (um­bi­go) du­ran­te 72 ho­ras com um es­pa­ra­dra­po ou fi­ta ade­si­va re­sis­ten­te. Vo­cê não de­ve ti­rá-lo pa­ra na­da, nem pa­ra to­mar ba­nho. Pa­ra “lim­par” o am­bi­en­te, pe­gue um pa­no e mo­lhe-o no lí­qui­do pre­pa­ra­do com água e anil. Tor­ça bem e pas­se nos azu­le­jos da ca­sa e nos ba­ten­tes das por­tas, pois é exa­ta­men­te aí que fi­cam as ener­gi­as tre­vo­sas. No quar­to dia, abra o ple­xo so­lar (um­bi­go). Do quin­to dia em di­an­te, fe­che o ple­xo pe­la ma­nhã e abra pa­ra dor­mir. To­me ba­nho de água de anil após seu ba­nho hi­gi­ê­ni­co por 30 di­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.