Ani­mais tam­bém po­dem do­ar san­gue!

Malu - - Meu Pet, Minha Vida - Mais in­for­ma­ções: crmvsp.gov.br

A bai­xa de es­to­que de bol­sas de san­gue para aten­der pa­ci­en­tes que pre­ci­sam de trans­fu­são não é al­go re­cor­ren­te so­men­te nos he­mo­cen­tros hu­ma­nos. O mes­mo ce­ná­rio ocor­re com cães e ga­tos que pre­ci­sam de trans­fu­são em clí­ni­cas e hos­pi­tais ve­te­ri­ná­ri­os. Sai­ba mais!

Ce­ná­rio atu­al

Em São Pau­lo, por exem­plo, es­ti­ma-se que se­jam usa­das cer­ca de 20 mil bol­sas por mês nos hos­pi­tais ve­te­ri­ná­ri­os. “Si­tu­a­ções co­muns co­mo atro­pe­la­men­tos, in­to­xi­ca­ções e ci­rur­gi­as po­dem le­var à ne­ces­si­da­de de uma bol­sa de san­gue para sal­var o ani­mal e ga­ran­tir uma re­cu­pe­ra­ção eficaz. En­fren­ta­mos di­a­ri­a­men­te a fal­ta de san­gue de cães e ga­tos para trans­fu­são”, con­ta o ve­te­ri­ná­rio Tho­mas Fa­ria Mar­za­no, pre­si­den­te da Co­mis­são Téc­ni­ca de Clínicos de Pe­que­nos Ani­mais do Con­se­lho Re­gi­o­nal de Me­di­ci­na Ve­te­ri­ná­ria de São Pau­lo (CRMV-SP) e di­re­tor clí­ni­co do Hos­pi­tal Ve­te­ri­ná­rio Jar­dins. Man­ter es­ses ban­cos com o es­to­que re­gu­la­ri­za­do é tão im­por­tan­te quan­to nos he­mo­cen­tros hu­ma­nos. “Ampliar o cadastro de do­a­do­res vo­lun­tá­ri­os pos­si­bi­li­ta que te­nha­mos aten­di­men­tos mais ágeis para a trans­fu­são de san­gue, au­men­tan­do as chan­ces de sal­var­mos um mai­or número de vi­das em nos­sas clí­ni­cas e hos­pi­tais ve­te­ri­ná­ri­os”, afir­ma Mar­za­no.

Ban­cos de san­gue

O pro­fis­si­o­nal lem­bra que exis­tem ban­cos de san­gue ve­te­ri­ná­ri­os par­ti­cu­la­res e uni­ver­si­tá­ri­os que re­ce­bem o cadastro de do­a­do­res du­ran­te to­do o ano. “En­tre­tan­to, nem to­do pet po­de se tor­nar um do­a­dor e es­sa ava­li­a­ção se­rá fei­ta de for­ma cri­te­ri­o­sa. É fun­da­men­tal am­pli­ar­mos a cons­ci­en­ti­za­ção, para que ca­da vez mais ani­mais se­jam ca­das­tra­dos”, ex­pli­ca.

Pet do­a­dor

Para es­ta­rem ap­tos a do­ar, ani­mais de com­pa­nhia pre­ci­sam aten­der a al­guns cri­té­ri­os es­pe­cí­fi­cos, de for­ma a ga­ran­tir que o pro­ces­so de co­le­ta ocor­ra da for­ma mais sau­dá­vel pos­sí­vel. O ani­mal de­ve ser dó­cil e nun­ca ter re­a­li­za­do uma trans­fu­são de san­gue. Ga­tos, por exem­plo, pre­ci­sam ter, no mí­ni­mo, 6kg e o li­mi­te de co­le­ta por ani­mal é de 16ml. Já os cães pre­ci­sam ter mais de 30kg para a co­le­ta máxima de 500ml de san­gue. “É in­te­res­san­te ob­ser­var tam­bém que os ani­mais pre­ci­sam es­tar va­ci­na­dos, ver­mi­fu­ga­dos, ter en­tre dois e oi­to anos e, no ca­so das fê­me­as, não po­dem es­tar no cio ou pre­nhas”, elu­ci­da o pro­fis­si­o­nal. As­sim co­mo na do­a­ção de san­gue hu­ma­no, para es­tar ap­to a do­ar, o ani­mal pas­sa por uma ava­li­a­ção cri­te­ri­o­sa com exames. “O ide­al é que o tu­tor pro­cu­re um ban­co de san­gue de confiança para o cadastro, os exames e a co­le­ta. Es­sa é a me­lhor for­ma de ga­ran­tir um pro­ce­di­men­to se­gu­ro, lem­bran­do que o ani­mal po­de do­ar a ca­da dois me­ses”, fi­na­li­za.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.