Re­gi­a­ne Al­ves

No ar em O Tem­po Não Para, a atriz fa­la so­bre seus tra­ba­lhos na TV e no ci­ne­ma

Malu - - Entrevista -

Mo­ci­nha x vi­lã

“É le­gal po­der fa­zer uma per­so­na­gem mal­do­sa, pois eu es­ta­va fa­zen­do o fil­me do Di­val­do Fran­co e no lon­ga eu fiz a Jo­an­na De Ân­ge­lis, que é uma per­so­na­gem lin­da. Eu es­ta­va mui­to nes­te mun­do do fil­me. Ago­ra, nas gra­va­ções da novela, eu sin­to que tro­quei de mun­do, es­tou fa­zen­do al­go bem di­fe­ren­te, que é a Ma­ri­a­car­la.”

Gra­va­ções de

Di­val­do–OFil­me “Foi lin­do! Fui co­nhe­cer a his­tó­ria de­le as­sim que sou­be que iria par­ti­ci­par do fil­me. Li vá­ri­os li­vros e des­co­bri que eu es­ta­va pre­ci­san­do des­se res­ga­te es­pi­ri­tu­al. Co­nhe­ci ele em abril, foi mui­to bom quan­do o en­con­trei. Ele é um se­nhor de 91 anos, e eu que­ria agra­de­cer mui­to pe­la opor­tu­ni­da­de (ele me dis­se que ele me es­co­lheu para o pa­pel).”

Mu­dan­ça de vi­su­al

“No fil­me eu es­ta­va ves­ti­da de há­bi­to, era uma frei­ra. En­tão, não ti­ve pro­ble­mas em man­ter o meu ca­be­lo. Mas, para a novela, pre­ci­sei cla­re­ar bas­tan­te. E es­tou gos­tan­do! Eu já es­ta­va com o ca­be­lo cur­to por con­ta da sé­rie Ci­da­de Proi­bi­da, mas em re­la­ção à cor, foi di­fí­cil acos­tu­mar.”

Ato­res ve­te­ra­nos

“Meus pais fa­lam que eles ado­ram quan­do con­se­guem as­sis­tir ato­res das an­ti­gas, co­mo a Eva Wil­ma, que es­tá com a gen­te na novela. E ao mes­mo tem­po eles fa­lam: ‘Tem mui­ta gen­te no­va, a gen­te não re­co­nhe­ce mais’. A gen­te con­ver­sa em ca­sa e eu ex­pli­co que é nor­mal, que tem mui­ta gen­te boa co­me­çan­do.”

Ba­lan­ço dos 20 anos de car­rei­ra

“Pois é, 20 anos se pas­sa­ram e fa­ço 19 anos só de TV Glo­bo. A car­rei­ra foi in­do e ca­da per­so­na­gem me trou­xe coi­sas óti­mas. É mui­to gos­to­so quan­do vo­cê per­ce­be o tem­po pas­sar as­sim. Vou fa­zer 40 anos e é es­tra­nho, no fun­do eu sou aque­la ga­ro­ta cheia de ener­gia, de von­ta­des e so­nhos, mas, ao mes­mo tem­po, re­a­li­za­da.”

Tem­po sem tra­ba­lhar

“Eu já me sen­ti ‘na ge­la­dei­ra’, sim, mas foi por con­ta da gra­vi­dez, na épo­ca do fi­nal da novela San­gue Bom (2013). De­pois eu es­ta­va es­ca­la­da para uma novela, mas fi­quei grá­vi­da de novo, en­tão, pas­sei três anos sem fa­zer no­ve­las. De cer­ta for­ma, is­so deu a im­pres­são de ter ‘ido para a ge­la­dei­ra’. Mas eu sem­pre fiz mui­ta coi­sa, não me lem­bro quan­tas no­ve­las. Pen­san­do na ques­tão da ma­ter­ni­da­de, era is­so o que eu que­ria, me afas­tar um pou­co, res­pi­rar. Eu con­se­gui fa­zer te­a­tro e foi bom eu ter fi­ca­do longe, pois con­se­gui vol­tar cheia de ener­gia.”

Pla­no B

“Eu nun­ca me lem­bro de ter pa­ra­do. Sou só­cia de três res­tau­ran­tes, is­so foi um pla­no B, ca­so mi­nha car­rei­ra não fos­se pra fren­te. In­ves­ti em al­go que eu cur­to mui­to, que é cu­li­ná­ria.”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.