So­zi­nha e fe­liz

O amor-pró­prio é o pri­mei­ro pas­so para al­can­çar a fe­li­ci­da­de

Malu - - Relacionamento -

Há tem­pos as mu­lhe­res car­re­gam o pen­sa­men­to de que só vão ser fe­li­zes quan­do en­con­tra­rem o par per­fei­to. Mas es­sa ideia es­tá com­ple­ta­men­te ul­tra­pas­sa­da! Ao con­trá­rio do que di­zia Tom Jo­bim na can­ção Wa­ves, é pos­sí­vel ser fe­liz so­zi­nha sim, e a psi­có­lo­ga Lí­via Mar­ques mos­tra co­mo.

À pro­cu­ra da fe­li­ci­da­de

An­tes de qual­quer coi­sa, é pre­ci­so ter em men­te que, para ser fe­liz, não é pre­ci­so com­pa­nhia. “Vo­cê po­de ir atrás dos seus pla­nos e re­a­li­zar seus pro­je­tos. Afi­nal, mui­tas pes­so­as não pos­su­em re­la­ci­o­na­men­tos amo­ro­sos e es­tão fe­li­zes”, co­men­ta Li­via, que res­sal­ta: “A fe­li­ci­da­de é um pro­ces­so com­pos­to por eta­pas da vi­da de ca­da um de nós. Des­ta cons­tru­ção de pos­si­bi­li­da­des e so­nhos, te­mos mui­to ca­mi­nho até se che­gar ao su­ces­so”.

O mi­to dos re­la­ci­o­na­men­tos

De acor­do com a psi­có­lo­ga, ge­ral­men­te as pes­so­as se sen­tem me­lhor em um re­la­ci­o­na­men­to amo­ro­so. “Mas pre­ci­sa­mos pen­sar que não se de­ve co­lo­car nos­sas pers­pec­ti­vas de fe­li­ci­da­de em uma re­la­ção, em ou­tro al­guém. A sua fe­li­ci­da­de sem­pre es­tá nas su­as mãos, é de sua res­pon­sa­bi­li­da­de, e não de quem es­tá com vo­cê”, sa­li­en­ta. A psi­có­lo­ga diz, ain­da, que cos­tu­ma-se con­fun­dir es­tar sol­tei­ra com es­tar so­zi­nha, e is­so é pre­ju­di­ci­al. “So­li­dão é al­go forte. Quan­do fa­la­mos de re­la­ci­o­na­men­tos e a pes­soa se diz so­li­tá­ria, pre­ci­sa­mos en­ten­der qu­al a re­al ne­ces­si­da­de de­la. Se é de ter ou­tra pes­soa ao seu la­do, de amar, de ser ama­da. Que ex­pec­ta­ti­vas ela co­lo­ca no ou­tro. Pois há pos­si­bi­li­da­des de ser fe­liz sem ter um re­la­ci­o­na­men­to”. Ou se­ja, é pos­sí­vel es­tar sol­tei­ra e en­con­trar a fe­li­ci­da­de, bas­ta que vo­cê cor­ra atrás de­la.

Apren­den­do a se amar

Co­lo­car-se em pri­mei­ro lu­gar é um pas­so im­por­tan­te para al­can­çar a fe­li­ci­da­de. Li­via re­co­men­da: “Mes­mo que a ideia pa­re­ça es­tra­nha, fa­ça al­gu­mas coi­sas so­zi­nha, co­mo ir ao ci­ne­ma, jan­tar, ou até mes­mo à ba­la­da. Cul­tu­ral­men­te, es­ses pro­gra­mas só são fei­tos na com­pa­nhia de na­mo­ra­dos ou ami­gos. En­tre­tan­to, qu­al o pro­ble­ma em fa­zer­mos is­so sem mais nin­guém? Na ver­da­de, é até bom sa­ber cur­tir a sua pró­pria com­pa­nhia”.

“A sua fe­li­ci­da­de sem­pre es­tá nas su­as mãos, é de sua res­pon­sa­bi­li­da­de, e não de quem es­tá com vo­cê”, diz Li­via.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.