Re­si­li­ên­cia emo­ci­o­nal

Malu - - Relacionamento -

De acor­do com Ca­mil­la Cou­to, ori­en­ta­do­ra emo­ci­o­nal para mu­lhe­res com fo­co em re­la­ci­o­na­men­tos, re­si­li­ên­cia emo­ci­o­nal é “a ca­pa­ci­da­de de li­dar com pro­ble­mas da vi­da, com os per­ren­gues do dia a dia, e de re­sis­tir às mu­dan­ças e às di­fe­ren­tes pres­sões que a vi­da nos traz”. Se­gun­do ela, nas re­la­ções, a re­si­li­ên­cia po­de aju­dar a com­pre­en­der e acei­tar me­lhor o ou­tro e a ter mais se­gu­ran­ça para im­por li­mi­tes e se co­lo­car de for­ma ver­da­dei­ra e in­te­gral.

O que is­so sig­ni­fi­ca?

Do la­tim “re­si­li­re”, re­si­li­ên­cia sig­ni­fi­ca al­go co­mo “vol­tar atrás”. Na fí­si­ca, in­di­ca o es­ta­do que cer­tos ob­je­tos têm de vol­tar ao seu es­ta­do ori­gi­nal de­pois de te­rem so­fri­do um cho­que ou mu­dan­ça, co­mo acon­te­ce com a bor­ra­cha – vo­cê em­pur­ra e ela vol­ta ao for­ma­to ori­gi­nal. “Há ma­te­ri­ais mais ou me­nos re­si­li­en­tes, as­sim co­mo há pes­so­as mais ou me­nos ma­leá­veis. E is­so tem re­la­ção di­re­ta com as nos­sas emo­ções”, res­sal­ta Ca­mi­la.

E para que ser­ve?

Ser re­si­li­en­te faz com que vo­cê não dei­xe que o de­ses­pe­ro to­me con­ta, se­gun­do a ex­pert, que acon­se­lha a re­pen­sar a for­ma co­mo vo­cê li­da com as ad­ver­si­da­des para en­ten­der o seu grau de re­si­li­ên­cia. Para ela, as ex­pe­ri­ên­ci­as da vi­da e a dis­po­si­ção em tra­ba­lhar o la­do emo­ci­o­nal são as cha­ves para au­men­tar a ca­pa­ci­da­de de con­vi­ver com o inu­si­ta­do e com as mu­dan­ças da vi­da, e en­fa­ti­za: “tra­ba­lhar a re­si­li­ên­cia parte do prin­cí­pio de en­ten­der su­as pró­pri­as mo­ti­va­ções e sua his­tó­ria, ser gra­ta pe­las ex­pe­ri­ên­ci­as e apren­der a dei­xar ir o que já não ser­ve mais”. Mais in­for­ma­ções: ama­ril­das.com.br

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.