“Mãe, fiz xi­xi!”

En­ten­da a enu­re­se, trans­tor­no que cau­sa a per­da in­vo­lun­tá­ria da uri­na du­ran­te o so­no

Malu - - Filhos -

Se­gun­do a So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Uro­lo­gia (SBU), 15% das cri­an­ças com mais de cin­co anos de ida­de so­frem de enu­re­se, um trans­tor­no que cau­sa epi­só­di­os in­vo­lun­tá­ri­os e dis­cre­tos de in­con­ti­nên­cia uri­ná­ria du­ran­te o so­no. Es­se pro­ble­ma pre­ci­sa de um rá­pi­do di­ag­nós­ti­co para iní­cio ime­di­a­to do tra­ta­men­to, além do acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co tan­to para a cri­an­ça quan­to para a fa­mí­lia.

Mais do que ca­ma mo­lha­da

“As cri­an­ças que fa­zem xi­xi na ca­ma quei­xam-se de não po­de­rem dor­mir na ca­sa de ami­gos e fa­mi­li­a­res nem par­ti­ci­par das ‘fes­tas do pi­ja­ma’ or­ga­ni­za­das na ca­sa dos co­le­gas de clas­se, por exem­plo”, diz a pro­fes­so­ra Ca­cil­da An­dra­de de Sá, da Fa­cul­da­de de Me­di­ci­na da UFJF e Co­or­de­na­do­ra do ser­vi­ço de Psi­co­lo­gia do Am­bu­la­tó­rio de Enu­re­se do Hos­pi­tal Uni­ver­si­tá­rio da Uni­ver­si­da­de Fe­de­ral de Juiz de Fo­ra (HU-UFJF). A es­pe­ci­a­lis­ta ain­da acres­cen­ta que o trans­tor­no im­pac­ta di­re­ta­men­te a vi­da es­co­lar e o con­ví­vio so­ci­al, além da afe­tar a au­to­es­ti­ma e a qua­li­da­de de vi­da dos pe­que­nos. Além dis­so, em uma ava­li­a­ção ini­ci­al fei­ta no Am­bu­la­tó­rio de Uro­lo­gia Pe­diá­tri­ca com cri­an­ças e ado­les­cen­tes que so­frem com o trans­tor­no, os mé­di­cos cons­ta­ta­ram que uma das mai­o­res con­sequên­ci­as da enu­re­se é a pu­ni­ção so­fri­da por cau­sa da per­da uri­ná­ria. A cri­an­ça é cul­pa­da por aqui­lo que, para ela, já é um cas­ti­go, que é “acor­dar mo­lha­da”.

Di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to

Além de con­si­de­rar os an­te­ce­den­tes pes­so­ais e fa­mi­li­a­res, o di­ag­nós­ti­co po­de ser fei­to ob­ser­van­do o de­sen­vol­vi­men­to da cri­an­ça e a sua ca­pa­ci­da­de de en­chi­men­to e es­va­zi­a­men­to da be­xi­ga. Tam­bém po­de ser ne­ces­sá­rio re­a­li­zar al­guns exames: ge­ni­tal, neu­ro­ló­gi­co, de uri­na e de san­gue. Na mai­o­ria das ve­zes, a enu­re­se acon­te­ce de­vi­do a fa­to­res que po­dem ser ge­né­ti­cos, re­la­ci­o­na­dos à qu­an­ti­da­de de uri­na pro­du­zi­da pe­la cri­an­ça du­ran­te a noi­te, ou re­la­ci­o­na­dos à fun­ção da be­xi­ga e ao so­no, ocor­ren­do de for­ma in­vo­lun­tá­ria e sem qual­quer cul­pa por parte da cri­an­ça. Ca­cil­da re­for­ça que o acom­pa­nha­men­to psi­co­ló­gi­co é de gran­de aju­da no tra­ta­men­to: “O pro­fis­si­o­nal po­de for­ne­cer in­for­ma­ções so­bre trei­na­men­to e con­tro­le es­finc­te­ri­a­nos, auxiliar na re­cu­pe­ra­ção da au­to­es­ti­ma da cri­an­ça e tam­bém ori­en­tar os pais so­bre co­mo li­dar com o trans­tor­no”.

Par­ti­ci­pa­ção da fa­mí­lia

Para pais e cui­da­do­res, a enu­re­se é uma das dis­fun­ções mais frus­tran­tes da in­fân­cia. Con­for­me os fi­lhos cres­cem, au­men­ta tam­bém a ex­pec­ta­ti­va de que os pe­que­nos te­nham au­to­no­mia e res­pon­sa­bi­li­da­de. Quan­do não aten­di­da, es­sa ex­pec­ta­ti­va po­de ge­rar des­con­fi­an­ça e uma sen­sa­ção de in­ca­pa­ci­da­de, cau­san­do cul­pa e rai­va. “O apoio da fa­mí­lia é fun­da­men­tal para o su­ces­so no tra­ta­men­to. Quem so­fre de enu­re­se pre­ci­sa ser aten­di­do por

pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do. O xi­xi na ca­ma é uma re­a­li­da­de, mas ain­da con­ti­nua sen­do tra­ta­do co­mo se fos­se um gran­de se­gre­do de fa­mí­lia”, co­men­ta Ca­cil­da. Ao te­rem de li­dar com o xi­xi na ca­ma, os pais po­dem se de­pa­rar com sen­ti­men­tos de an­si­e­da­de, cul­pa e di­fi­cul­da­des na re­la­ção com os fi­lhos. “Mui­tas ve­zes a pu­ni­ção é uti­li­za­da co­mo for­ma de edu­car a cri­an­ça, di­an­te da im­pos­si­bi­li­da­de de se re­sol­ver o pro­ble­ma. Por is­so a in­clu­são de to­da a fa­mí­lia no tra­ta­men­to da cri­an­ça é fun­da­men­tal, para eli­mi­nar a pu­ni­ção”, fi­na­li­za a pro­fis­si­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.