O po­der do so­no

Além de ser gos­to­so, dor­mir me­lho­ra as fun­ções fi­si­o­ló­gi­cas e po­de aju­dar a ema­gre­cer!

Malu - - Mais saudável -

Uma pes­qui­sa da uni­ver­si­da­de bri­tâ­ni­ca King’s Col­le­ge Lon­don re­ve­lou um no­vo pro­ble­ma de dor­mir pou­co ou mal: me­nos de se­te ho­ras de des­can­so por noi­te po­de au­men­tar o ape­ti­te das pes­so­as, o que aca­ba atra­pa­lhan­do o pro­ces­so me­ta­bó­li­co de ema­gre­ci­men­to ou ma­nu­ten­ção de pe­so.

A pes­qui­sa

Os vo­lun­tá­ri­os do es­tu­do que ti­ve­ram o so­no in­ter­rom­pi­do di­ver­sas ve­zes em uma mes­ma noi­te co­me­ram mais do que o ha­bi­tu­al e es­co­lhe­ram ali­men­tos me­nos sau­dá­veis no ca­fé da ma­nhã. A ra­zão dis­so, se­gun­do os pes­qui­sa­do­res, é que uma noi­te de so­no in­ter­rom­pi­do afe­ta hormô­ni­os re­la­ci­o­na­dos à fo­me. Além dis­so, a pes­qui­sa su­ge­re que, quan­do ex­pos­to à co­mi­da em um es­ta­do de pri­va­ção do so­no, há uma ati­va­ção mai­or em áre­as do cé­re­bro do in­di­ví­duo, as­so­ci­a­das com re­com­pen­sa, fa­zen­do com que ali­men­tos ri­cos em açú­car e gor­du­ra se­jam es­co­lhi­dos.

Os be­ne­fí­ci­os de uma boa noi­te de so­no

De acor­do com o es­pe­ci­a­lis­ta, dor­mir bem au­men­ta a disposição, a ca­pa­ci­da­de de con­cen­tra­ção, es­ti­mu­la a me­mó­ria e o bom hu­mor. “A lon­go pra­zo, o so­no de qua­li­da­de aju­da a pre­ve­nir do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res, di­a­be­tes, obe­si­da­de e até mes­mo cân­cer. Is­so por­que, du­ran­te o so­no, o or­ga­nis­mo re­a­li­za di­ver­sos pro­ces­sos im­por­tan­tes, que par­ti­ci­pam e in­flu­en­ci­am a sín­te­se de hormô­ni­os, fun­ções neu­ro­ló­gi­cas e emo­ci­o­nais”, co­men­ta o mé­di­co. Pa­ra qu­em pra­ti­ca exer­cí­ci­os fí­si­cos du­ran­te o dia, o so­no re­pa­ra­dor tam­bém po­de ser uma boa. Após os efei­tos que as ati­vi­da­des im­põem ao cor­po, é ne­ces­sá­rio um pe­río­do de re­cu­pe­ra­ção. E é par­ti­cu­lar­men­te du­ran­te o so­no que os efei­tos do trei­na­men­to acon­te­cem. “Qu­em vi­sa o au­men­to de mas­sa mus­cu­lar, se be­ne­fi­cia do au­men­to de pro­du­ção do GH (hormô­nio do cres­ci­men­to), que ocor­re quan­do es­ta­mos dor­min­do, após um dia de trei­na­men­to”, ex­pli­ca San­dro Ma­tas, neu­ro­lo­gis­ta da Re­de de Hos­pi­tais São Ca­mi­lo de São Pau­lo.

Vilões do des­can­so

Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, os prin­ci­pais pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos ao so­no sur­gem por con­ta de há­bi­tos e am­bi­en­tes. “O lu­gar no qual re­pou­sa­mos de­ve ser es­cu­ro e sem in­ter­fe­rên­ci­as so­no­ras, de for­ma a não per­mi­tir in­ter­rup­ções e sus­tos. Tam­bém é im­por­tan­te evi­tar al­guns maus cos­tu­mes, co­mo fa­zer uma re­fei­ção mui­to pe­sa­da an­tes de dei­tar-se, con­su­mir pro­du­tos ri­cos em ca­feí­na e açú­car, fu­mar ou in­ge­rir be­bi­das al­cóo­li­cas”, res­sal­ta. Dor­mir pou­co po­de cau­sar pro­ble­mas de me­mó­ria e do­res de ca­be­ça, além de pi­o­rar as do­res já exis­ten­tes. “Tra­ba­lhos mos­tram a as­so­ci­a­ção di­re­ta de dis­túr­bi­os res­pi­ra­tó­ri­os no so­no com o au­men­to da in­ci­dên­cia de aci­den­tes vas­cu­la­res ce­re­brais e car­día­cos, co­mo in­su­fi­ci­ên­cia car­día­ca e até mes­mo in­far­to agu­do do mi­o­cár­dio”, ex­pli­ca o neu­ro­lo­gis­ta.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.