Ro­ti­na ca­pi­lar

Malu - - Fácil de seguir -

É de co­nhe­ci­men­to ge­ral que pa­ra con­quis­tar ca­be­los bo­ni­tos e se­do­sos é fun­da­men­tal o uso de pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos pa­ra o seu ti­po e tex­tu­ra de fio, o que não é di­fí­cil já que ho­je no mer­ca­do exis­tem inú­me­ras op­ções de cos­mé­ti­cos ca­pi­la­res pa­ra as mais di­ver­sas fi­na­li­da­des. Po­rém, de na­da adi­an­ta in­ves­tir em pro­du­tos sem ado­tar uma ro­ti­na de cui­da­dos com as ma­dei­xas. Pa­ra aju­dar vo­cê na ho­ra de cui­dar do vi­su­al, um ti­me de es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­cou o que vo­cê de­ve fa­zer di­a­ri­a­men­te, se­ma­nal­men­te e men­sal­men­te pa­ra man­ter os ca­be­los com tu­do em ci­ma. Con­fi­ra!

Di­a­ri­a­men­te

• O prin­ci­pal cui­da­do diá­rio com os ca­be­los é em re­la­ção a la­va­gem dos fi­os, que, se­gun­do a der­ma­to­lo­gis­ta Va­lé­ria Mar­con­des, de­vem ser hi­gi­e­ni­za­dos de acor­do ne­ces­si­da­de de ca­da um. “Ca­be­los se­cos, por exem­plo, pre­ci­sam ser me­nos la­va­dos e al­ta­men­te hi­dra­ta­dos, en­quan­to ca­be­los ole­o­sos pre­ci­sam ser lim­pos mais fre­quen­te­men­te pa­ra re­ti­rar o ex­ces­so de li­pí­di­os e im­pu­re­zas.

• De­pen­den­do do ti­po de pro­du­to que vo­cê usa em seus fi­os, o nú­me­ro de la­va­gens tam­bém de­ve au­men­tar, pois géis, sprays e po­ma­das pos­su­em subs­tân­ci­as que dei­xam uma gran­de quan­ti­da­de de re­sí­du­os”, des­ta­ca.

• “Pes­so­as que pra­ti­cam es­por­tes e ati­vi­da­des ao ar li­vre ou que vi­vem em re­giões prai­a­nas tam­bém de­vem la­var seus ca­be­los mais fre­quen­te­men­te pa­ra re­ti­rar o ex­ces­so de ole­o­si­da­de e im­pu­re­zas que po­dem fi­car acu­mu­la­das nos fi­os, além de pro­te­ger, hi­dra­tar e re­pa­rar as ma­dei­xas dos da­nos cau­sa­dos pe­lo sol e pe­la água do mar”, ori­en­ta.

Se­ma­nal­men­te

• To­da se­ma­na vo­cê de­ve se­pa­rar al­gu­mas ho­ras do dia pa­ra apli­car más­ca­ras ca­pi­la­res, já que es­tas aju­dam a man­ter o ca­be­lo sau­dá­vel, hi­dra­ta­do, nu­tri­do e lon­ge da que­bra e do res­se­ca­men­to. “O ide­al é al­ter­nar en­tre más­ca­ras de hi­dra­ta­ção (à ba­se de vi­ta­mi­nas, gli­ce­ri­na ou aloe ve­ra), pa­ra re­por a água dos fi­os, e de nu­tri­ção (à ba­se de óle­os co­mo ar­gan e mo­rin­ga), pa­ra re­por os nu­tri­en­tes per­di­dos em pro­ces­sos quí­mi­cos”, ex­pli­ca Ju­li­a­na Na­ve­ro, ca­be­lei­rei­ra do Le­fil Be­auty.

• De acor­do com a Va­lé­ria, é im­por­tan­te to­mar cui­da­do na ho­ra de uti­li­zar a más­ca­ra, já que o uso fre­quen­te e em ex­ces­so do pro­du­to po­de tor­nar o seu ca­be­lo pe­sa­do e sem bri­lho. “Is­so por que as más­ca­ras ca­pi­la­res são so­lu­ções con­cen­tra­das pa­ra que po­dem atu­ar pro­fun­da e ra­pi­da­men­te. Lo­go, se fo­rem uti­li­za­das com mui­ta frequên­cia, se acu­mu­lam nos fi­os, tor­nan­do-os rí­gi­dos, opa­cos e que­bra­di­ços”, ex­pli­ca a der­ma­to­lo­gis­ta.

• Além dis­so, uma vez por se­ma­na, an­tes da más­ca­ra ca­pi­lar, é im­por­tan­te que vo­cê fa­ça uso de um bom sham­poo an­tir­re­sí­duo, já que o pro­du­to re­a­li­za uma lim­pe­za pro­fun­da nos fi­os, re­mo­ven­do os re­sí­du­os de cre­mes de ca­be­lo, po­lui­ção e ole­o­si­da­de e dei­xan­do os fi­os to­tal­men­te lim­pos e pron­tos pa­ra re­ce­ber tra­ta­men­tos.

Men­sal­men­te

• Uma vez por mês ou, no má­xi­mo, a ca­da três me­ses vo­cê de­ve fa­zer uma vi­si­ta ao seu ca­be­lei­rei­ro pa­ra re­a­li­zar um cor­te nos fi­os, mes­mo que se­ja ape­nas as pon­tas. “Cor­tar os ca­be­los com cer­ta re­gu­la­ri­da­de evi­ta o sur­gi­men­to de pon­tas du­plas e aju­da a man­ter o cor­te em dia, além de fa­zer com que os fi­os cres­çam com mais for­ça e saú­de”, afir­ma Ju­li­a­na.

• Além dis­so, qu­em tem quí­mi­ca nos ca­be­los e so­fre com ma­dei­xas da­ni­fi­ca­das tem mais mo­ti­vos ain­da pa­ra vi­si­tar um ca­be­lei­rei­ro re­gu­lar­men­te, já que ape­nas um pro­fis­si­o­nal po­de­rá ana­li­sar seus fi­os e in­di­car qual o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra vo­cê.

• “Qu­em faz mui­tos pro­ces­sos quí­mi­cos de uma vez, co­mo des­co­lo­ra­ção, co­lo­ra­ção e ali­sa­men­to, po­de ter que fa­zer quin­ze­nal­men­te por até três me­ses se­gui­dos a cau­te­ri­za­ção, que se­la as cu­tí­cu­las, além de hi­dra­ta­ções re­gu­la­res. Mas o me­lhor tra­ta­men­to pa­ra re­cu­pe­rar um ca­be­lo da­ni­fi­ca­do é o cro­no­gra­ma ca­pi­lar, já que ele re­cons­trói, nu­tre, es­ta­bi­li­za o pH e de­vol­ve a que­ra­ti­na e a umi­da­de na­tu­ral do fio”, fi­na­li­za a ca­be­lei­rei­ra.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.