“Meu fi­lho é au­tis­ta”

Sai­ba co­mo iden­ti­fi­car os si­nais no pe­que­no e qu­ais te­ra­pi­as po­dem aju­dar em sua qua­li­da­de de vi­da

Malu - - Família -

Oau­tis­mo é uma con­di­ção de nas­ci­men­to, não po­den­do ser de­sen­vol­vi­do ao lon­go da vi­da, já que os fa­to­res que po­ten­ci­a­li­zam sua apa­ri­ção – ou não – são re­la­ci­o­na­dos à ge­né­ti­ca e à ges­ta­ção da mãe. Por is­so, os cui­da­dos com os pe­que­nos de­vem ser es­pe­ci­ais e com aten­ção re­do­bra­da. Sai­ba os sin­to­mas em cri­an­ças de até três anos, qu­al pro­fis­si­o­nal pro­cu­rar e co­mo li­dar da me­lhor for­ma com es­sa si­tu­a­ção.

Aten­te-se!

De acor­do com Ro­ber­to de Sou­za Men­des, au­tis­ta, neu­rop­si­có­lo­go e psi­co­te­ra­peu­ta, des­cre­ver os sin­to­mas é sem­pre com­pli­ca­do, pois aca­ba-se pa­dro­ni­zan­do uma con­di­ção que po­de va­ri­ar de uma pes­soa pa­ra ou­tra. Po­rém, al­guns in­di­ca­do­res cha­mam a aten­ção dos es­pe­ci­a­lis­tas nes­sa área. São eles:

• Apa­tia com a mãe: a fal­ta de tro­ca de olha­res, prin­ci­pal­men­te, du­ran­te a ama­men­ta­ção.

• Es­tres­se: cho­ro ex­ces­si­vo, mes­mo quan­do as ne­ces­si­da­des bá­si­cas do be­bê fo­ram su­pri­das.

• Di­fi­cul­da­des de re­la­ci­o­na­men­to: um com­por­ta­men­to que de­mons­tra for­te in­dí­cio de au­tis­mo é a di­fi­cul­da­de em es­tar com ou­tros adul­tos que não se­jam os pais, co­mo os avós.

• Ma­ni­as: aqui se en­cai­xa des­de a ma­nia de ar­ru­mar tu­do até não con­se­guir or­ga­ni­zar as coi­sas mais sim­ples. Ras­gar pa­péis, fe­char por­tas e en­fi­lei­rar ob­je­tos pe­la ca­sa tam­bém po­dem ser si­nais.

• Atra­sos: a de­mo­ra pa­ra an­dar e fa­lar tam­bém é ques­ti­o­na­da, ain­da mais se quan­do há um an­dar di­fe­ren­ci­a­do, co­mo nas pon­tas dos pés ou nas la­te­rais. Na fa­la, po­de ocor­rer atra­so ou re­tro­ces­so.

• Mu­tis­mo se­le­ti­vo: cri­an­ças que só fa­lam com de­ter­mi­na­das pes­so­as.

• Fal­ta de aten­ção: al­gu­mas pa­re­cem não es­tar aten­tas, mes­mo sen­do cha­ma­das pe­los seus no­mes.

• Se­le­tis­mo ali­men­tar: o ato de sem­pre co­mer as mes­mas coi­sas e não con­se­guir di­ver­si­fi­car o pa­la­dar, ain­da que se­jam in­du­zi­dos pe­los res­pon­sá­veis.

Pró­xi­mo pas­so

“A cri­an­ça com TEA (Trans­tor­no do Es­pec­tro Au­tis­ta) pre­ci­sa de um tra­ba­lho mul­ti­dis­ci­pli­nar e clí­ni­co fo­ca­do no de­sen­vol­vi­men­to da lin­gua­gem e da so­ci­a­li­za­ção”, ex­pli­ca a pe­da­go­ga Lí­li­an Tei­xei­ra. Pro­fis­si­o­nais co­mo psi­có­lo­gos, fo­no­au­dió­lo­gos, te­ra­peu­tas ocu­pa­ci­o­nais, psi­co­mo­tri­cis­tas, psi­co­pe­da­go­gos e pe­da­go­gos es­pe­ci­a­li­za­dos são im­por­tan­tes no tra­ba­lho com os pe­que­nos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.