Co­mo es­tá sua saú­de ol­fa­ti­va?

Malu - - Seu Corpo -

Os pro­ble­mas re­la­ci­o­na­dos à fal­ta da per­cep­ção de aro­mas é uma do­en­ça si­len­ci­o­sa, na qu­al a pes­soa não aca­ba no­tan­do so­zi­nha. “O pa­ci­en­te não se dá con­ta que per­deu ou es­tá per­den­do ol­fa­to e, ge­ral­men­te, aca­ba des­co­brin­do por meio do aler­ta de pa­ren­tes, ami­gos e co­le­gas de tra­ba­lho”, ex­pli­ca o otor­ri­no­la­rin­go­lo­gis­ta do Hos­pi­tal IPO, Di­e­go Piz­za­mi­glio.

Ida­de crí­ti­ca

De acor­do com es­tu­dos, cer­ca de 20% das pes­so­as com mais de 20 anos de ida­de apre­sen­tam al­gum ní­vel de per­da ol­fa­ti­va, já na fai­xa dos 50 anos, es­se nú­me­ro fi­ca em tor­no dos 25%. Se­gun­do o mé­di­co, ain­da não há um exa­me re­co­nhe­ci­do pe­la An­vi­sa (Agên­cia Na­ci­o­nal de Vi­gi­lân­cia Sa­ni­tá­ria) que con­si­ga dis­tin­guir a per­da do ol­fa­to co­mo o que ocor­re com uma au­di­o­me­tria, no qu­al se tem uma es­ti­ma­ti­va de por­cen­ta­gem de per­da de au­di­ção. Por is­so, ca­da ca­so pre­ci­sa ser es­tu­da­do in­di­vi­du­al­men­te.

Ca­sos pre­o­cu­pan­tes

A au­sên­cia des­ta ca­pa­ci­da­de sen­so­ri­al po­de re­pre­sen­tar ris­co à saú­de, pois es­te é o prin­ci­pal sen­ti­do que aler­ta so­bre o es­ta­do de con­ser­va­ção dos ali­men­tos, por exem­plo. “São mui­tos os ca­sos nos qu­ais qu­em tem o ol­fa­to pre­ju­di­ca­do aca­ba ten­do o pa­la­dar afe­ta­do tam- bém, o que aca­ba am­pli­an­do o qua­dro, por is­so não são ra­ros es­se pa­ci­en­te ser ad­ver­ti­do por fa­mi­li­a­res por es­tar co­men­do al­gum ali­men­to es­tra­ga­do”, en­fa­ti­za o mé­di­co. “Além dis­so há ou­tros ca­sos pre­o­cu­pan­tes, co­mo não per­ce­ber um va­za­men­to de gás de co­zi­nha, por exem­plo”, aler­ta.

Fal­ta de ol­fa­to

As cau­sas da per­da de ol­fa­to são mui­tas e, pa­ra ca­da uma de­las, há um ti­po de tra­ta­men­to, que em gran­de par­te aca­ba co­mo sen­do uma es­pé­cie de fi­si­o­te­ra­pia ol­fa­ti­va. O pro­ble­ma po­de ser oca­si­o­na­do por uma in­fec­ção de vi­as aé­re­as (si­nu­si­te, gri­pe, res­fri­a­do), por aci­den­te fí­si­co no qu­al o pa­ci­en­te te­nha ba­ti­do a ca­be­ça, de­sen­vol­vi­da pe­lo uso de me­di­ca­men­tos (des­con­ges­ti­o­nan­tes na­sais en­tre ou­tros), além dos ca­sos nos qu­ais a pes­soa já nas­ce sem es­ta ca­pa­ci­da­de. “O im­por­tan­te é pro­cu­rar um mé­di­co quan­do per­ce­ber a de­fi­ci­ên­cia, pois quan­to an­tes for de­tec­ta­da a per­da de ol­fa­to, mais fá­cil e efi­ci­en­te se­rá o tra­ta­men­to”, ex­pli­ca Piz­za­mi­glio.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.