A im­por­tân­cia do so­no

En­ten­da co­mo uma noi­te bem dor­mi­da po­de, além de des­can­sar o corpo, me­lho­rar o fun­ci­o­na­men­to ce­re­bral e as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas

Mente Curiosa - - NEWS -

Otem­po gas­to com o so­no, en­tre ou­tras ati­vi­da­des, é o que mais consome os mi­nu­tos da vi­da do ser hu­ma­no: o to­tal é apro­xi­ma­da­men­te 24 anos. Mais pre­ci­sa­men­te, o bra­si­lei­ro pas­sa 23 anos, no­ve me­ses e se­te di­as de sua vi­da dor­min­do. Es­sa con­ta con­si­de­ra oi­to ho­ras de so­no diá­ri­as e a ex­pec­ta­ti­va de vi­da no país que, se­gun­do o Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Estatística (IBGE), é ho­je de 71,3 anos. Ao con­trá­rio do que mui­tos po­dem pen­sar, o so­no não ser­ve so­men­te pa­ra re­la­xar e de­sa­ce­le­rar o co­ti­di­a­no es­tres­san­te que vi­ve­mos — dor­mir é im­por­tan­te, tam­bém, pa­ra man­ter a saú­de fí­si­ca e men­tal em dia.

Corpo re­pou­sa­do, cé­re­bro em ação

“Du­ran­te o so­no, o or­ga­nis­mo re­or­ga­ni­za seus sis­te­mas pa­ra uma no­va jor­na­da de ati­vi­da­des: a imu­ni­da­de é re­for­ça­da, as cé­lu­las de to­do o corpo são re­no­va­das, ra­di­cais li­vres pre­ju­di­ci­ais ao or­ga­nis­mo são neu­tra­li­za­dos e a me­mó­ria é con­so­li­da­da”. Maria Te­re­sa Gar­cia, neu­ro­lo­gis­ta

Ape­sar do des­can­so físico, o so­no é um estado ati­vo do cé­re­bro. Nes­se es­tá­gio, a frequên­cia de des­car­gas dos neurô­ni­os aumenta e ocor­re a limpeza de co­ne­xões e to­xi­nas in­de­se­ja­das, que são sub­pro­du­tos do fun­ci­o­na­men­to das cé­lu­las ce­re­brais. Se­gun­do o neu­ro­ci­rur­gião Edu­ar­do Bar­re­to, a “fa­xi­na” des­ses ele­men­tos é mui­to im­por­tan­te, pois eles atra­pa­lham o bom fun­ci­o­na­men­to dos cir­cui­tos e ati­vi­da­des do ór­gão. Além dis­so, o mo­men­to de des­can­so en­vol­ve di­ver­sos pro­ces­sos me­ta­bó­li­cos que, se al­te­ra­dos, po­dem afe­tar e de­se­qui­li­brar o or­ga­nis­mo a cur­to, mé­dio ou lon­go pra­zo. Quem dor­me me­nos do que o ne­ces­sá­rio pos­sui me­nor vi­gor físico, en­ve­lhe­ce pre­co­ce­men­te e es­tá mais pro­pen­so a pos­suir in­fec­ções, hi­per­ten­são, di­a­be­tes e obe­si­da­de.

Ori­gem do so­no

To­dos os di­as – e pra­ti­ca­men­te o tem­po in­tei­ro –, so­mos bom­bar­de­a­dos por um nú­me­ro qu­a­se in­con­tá­vel de es­tí­mu­los, se­jam as no­ti­fi­ca­ções de re­des so­ci­ais no ce­lu­lar, os mi­nu­tos que as­sis­ti­mos à te­le­vi­são, os sons de veí­cu­los e pes­so­as na rua ou os com­pro­mis­sos no tra­ba­lho. Com es­sa quan­ti­da­de ex­ces­si­va de men­sa­gens que re­ce­be­mos, há a ne­ces­si­da­de de um es­for­ço a mais do ór­gão que con­tro­la pra­ti­ca­men­te tu­do na nos­sa vi­da. “O so­no é im­por­tan­te pa­ra o res­ta­be­le­ci­men­to do fun­ci­o­na­men­to ce­re­bral. Du­ran­te o dia, por exem­plo, as ati­vi­da­des que re­a­li­za­mos re­que­rem energia, que é ob­ti­da pelo con­su­mo de ATP (tri­fos­fa­to de ade­no­si­na)”, ex­pli­ca a neu­ro­fi­si­o­lo­gis­ta Le­ti­cia Sos­ter. Es­sa subs­tân­cia es­tá pre­sen­te em to­das as cé­lu­las e é res­pon­sá­vel pe­las re­a­ções químicas re­a­li­za­das pelo cé­re­bro. No en­tan­to, com a quan­ti­da­de de es­tí­mu­los da ro­ti­na, elas vão perdendo sua efi­cá­cia. “O acú­mu­lo des­sa que­bra (cha­ma­da ade­no­si­na) é um dos fa­to­res que dá ori­gem ao so­no, e, du­ran­te es­se pro­ces­so, o cé­re­bro re­faz es­sas mo­lé­cu­las de ATP pa­ra que ha­ja energia pa­ra o pró­xi­mo dia”, des­cre­ve Le­ti­cia.

Tem­po ide­al de re­pou­so

Em al­gum mo­men­to da sua vi­da, vo­cê já de­ve ter ouvido fa­lar que são ne­ces­sá­ri­as oi­to ho­ras de so­no pa­ra re­cu­pe­rar as ener­gi­as per­di­das no dia a dia. Se­gun­do o neu­ro­lo­gis­ta Edu­ar­do Bar­re­to, não exis­tem re­gras es­pe­cí­fi­cas quan­to ao tem­po de des­can­so, pois ca­da or­ga­nis­mo pos­sui um de­ter­mi­na­do rit­mo de fun­ci­o­na­men­to. No en­tan­to, sa­be-se que a qua­li­da­de de so­no tam­bém es­tá re­la­ci­o­na­da à fai­xa etá­ria dos in­di­ví­du­os. De acor­do com um es­tu­do pu­bli­ca­do no pe­rió­di­co ci­en­tí­fi­co Sle­ep He­alth: Jour­nal of The Na­ti­o­nal Sle­ep Foun­da­ti­on, re­co­men­da-se, pa­ra adul­tos de 18 a 64 anos, de se­te a no­ve ho­ras de so­no. No ca­so dos ido­sos, a su­ges­tão é que o re­pou­so du­re de se­te a oi­to ho­ras. “Be­bês, cri­an­ças e ado­les­cen­tes pos­su­em uma ne­ces­si­da­de de mai­or tem­po de so­no, po­den­do va­ri­ar de oi­to a do­ze ho­ras de so­no”, ex­pli­ca a neu­ro­lo­gis­ta Maria Te­re­sa Gar­cia.

Des­can­so pre­ci­o­so

A lista de be­ne­fí­ci­os que o so­no po­de pro­por­ci­o­nar é gran­de. Du­ran­te es­se pe­río­do, nos­so or­ga­nis­mo re­a­li­za fun­ções im­por­tan­tís­si­mas com con­sequên­ci­as di­re­tas à saú­de, co­mo o for­ta­le­ci­men­to do sistema imu­no­ló­gi­co, a renovação de cé­lu­las de to­do corpo, a con­so­li­da­ção da me­mó­ria e o re­pou­so da mus­cu­la­tu­ra. Lo­go quan­do dor­mi­mos, pas­sa­mos por um pro­ces­so de pro­fun­do re­la­xa­men­to. Além dis­so, nes­ta oca­sião, ocor­re a se­cre­ção e li­be­ra­ção de subs­tân­ci­as, co­mo os hormô­ni­os. “Após apro­xi­ma­da­men­te meia ho­ra de so­no, o hormô­nio de cres­ci­men­to é ati­va­do. Sua pro­du­ção ocor­re pre­do­mi­nan­te­men­te du­ran­te es­te mo­men­to, o que além de pro­pi­ci­ar o cres­ci­men­to, au­xi­lia no vi­gor físico e reduz a os­te­o­po­ro­se”, ex­pli­ca a neu­ro­lo­gis­ta Maria Te­re­sa Gar­cia. Ou­tros hormô­ni­os in­clu­sos no pro­ces­so são a lep­ti­na, res­pon­sá­vel por con­tro­lar a an­si­e­da­de, e a in­su­li­na, que re­ti­ra o açú­car do sangue. Se­gun­do a Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), 40% da po­pu­la­ção mun­di­al so­fre com insô­nia, que se ca­rac­te­ri­za pe­la di­fi­cul­da­de em co­me­çar a dor­mir ou pa­ra man­ter o so­no com qua­li­da­de. Pes­so­as que fi­cam pri­va­das des­te im­por­tan­te mo­men­to po­dem pos­suir a co­or­de­na­ção mo­to­ra pre­ju­di­ca­da e ter me­nos ca­pa­ci­da­de de ra­ci­o­cí­nio. “Is­to evi­den­cia o efeito di­re­to do so­no so­bre nos­so cé­re­bro”, apon­ta Maria Te­re­sa. A qua­li­da­de do so­no po­de, tam­bém, in­flu­en­ci­ar na pro­du­ção de adre­na­li­na, hormô­nio re­la­ci­o­na­do ao es­tres­se, o que po­de tra­zer con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas à saú­de, co­mo ele­var os ní­veis pres­só­ri­cos. Além dis­so, na au­sên­cia de luz, há a li­be­ra­ção de me­la­to­ni­na pe­la glân­du­la pi­ne­al, que reduz a ati­vi­da­de ce­re­bral nas fa­ses mais pro­fun­das do so­no. No so­no, ocor­rem vá­ri­os pro­ces­sos bi­oquí­mi­cos que man­têm o equi­lí­brio ce­re­bral. Além da es­ta­bi­li­da­de, que é fru­to des­se pe­río­do, mui­tos be­ne­fí­ci­os são pro­por­ci­o­na­dos, prin­ci­pal­men­te em re­la­ção às ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas. A ação ocor­re em pro­ces­sos li­ga­dos à fi­xa­ção da me­mó­ria – tan­to de cur­to quan­to de lon­go pra­zo – do ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co-ma­te­má­ti­co, da cri­a­ti­vi­da­de e da con­cen­tra­ção, além do for­ta­le­ci­men­to do sistema imu­no­ló­gi­co.

Cé­re­bro em aler­ta

Após dor­mir a primeira noi­te em uma ca­ma es­tra­nha, vo­cê já fi­cou com a sen­sa­ção de que não des­can­sou o su­fi­ci­en­te? Saiba que a pos­sí­vel ex­pli­ca­ção pa­ra es­se fa­to não es­tá no col­chão, mas sim no seu cé­re­bro. Pelo me­nos é o que in­di­ca um es­tu­do re­a­li­za­do na Uni­ver­si­da­de Brown, nos Es­ta­dos Unidos, e pu­bli­ca­do na re­vis­ta Cur­rent Bi­o­logy. Se­gun­do a pes­qui­sa, há uma as­si­me­tria da ati­vi­da­de ce­re­bral e uma al­te­ra­ção na es­tru­tu­ra do so­no. Des­sa ma­nei­ra, uma par­te do ór­gão não se apro­fun­da to­tal­men­te no mo­men­to de des­can­so. “Es­te fenô­me­no es­tá re­la­ci­o­na­do com a subs­tân­cia ati­va­do­ra as­cen­den­te do tron­co, que li­be­ra ace­til­co­li­na (neu­ro­trans­mis­sor que aumenta a ati­vi­da­de elé­tri­ca dos neurô­ni­os). Em es­ta­dos de aler­ta ou me­do, em lo­cais des­con­for­tá­veis ou não fa­mi­li­a­res ou após um ba­ru­lho, ela po­de ati­var to­do o cé­re­bro ou ape­nas par­ci­al­men­te co­mo um re­cur­so an­ces­tral pa­ra de­fe­sa e so­bre­vi­vên­cia”, ex­pli­ca o pro­fes­sor de me­di­ci­na e es­pe­ci­a­lis­ta em neu­ro­lo­gia Má­rio Gui­ma­rães.

TEX­TO Jés­si­ca Pi­raz­za/co­la­bo­ra­do­ra | ENTREVISTAS Jés­si­ca Pi­raz­za e Vi­tor Man­fio/ Co­la­bo­ra­do­res | CONSULTORIAS Edu­ar­do Bar­re­to, neu­ro­ci­rur­gião es­pe­ci­a­lis­ta em co­lu­na ver­te­bral e do­res crô­ni­cas; Le­ti­cia Sos­ter, neu­ro­fi­si­o­lo­gis­ta; Maria Te­re­sa Fernandes Gar­cia, neu­ro­lo­gis­ta e pro­fes­so­ra da Uni­ver­si­da­de do Oes­te Pau­lis­ta (Uno­es­te), em Pre­si­den­te Pru­den­te (SP); Má­rio Gui­ma­rães, pro­fes­sor de me­di­ci­na e es­pe­ci­a­lis­ta em neu­ro­lo­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.