IM­PUL­SO SAU­DÁ­VEL

O âni­mo pa­ra vi­ver é in­dis­pen­sá­vel pa­ra o equi­lí­brio da men­te

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Os ob­je­ti­vos, quan­do bem de­fi­ni­dos na men­te, são os pi­la­res que ori­en­tam a ação. Pa­ra se che­gar ao êxi­to, é pre­ci­so es­tar mo­ti­va­do pa­ra se­guir em fren­te, lu­tan­do con­tra os de­sa­fi­os, en­con­tran­do for­ças no ca­mi­nho e re­sis­tin­do ao que vi­er. Não bas­ta ter de­ter­mi­na­ção pa­ra con­quis­tar um so­nho se vo­cê não es­ti­ver mo­ti­va­do. En­ten­da co­mo a mo­ti­va­ção atua no cor­po e na men­te, além da im­por­tân­cia pa­ra a vi­da de ca­da um.

Es­tí­mu­los ce­re­brais

Mo­ti­va­ção é uma for­ça es­sen­ci­al pa­ra a re­a­li­za­ção de pro-

je­tos, pla­nos fu­tu­ros, so­nhos, me­tas e mui­tas ou­tras coi­sas na vi­da. A fal­ta de­la, além da re­la­ção com a es­tag­na­ção, po­de es­tar as­so­ci­a­da a do­en­ças. Se­gun­do o di­ci­o­ná­rio, mo­ti­va­ção es­tá li­ga­da à pa­la­vra mo­ti­vo, que sig­ni­fi­ca ori­gem de al­gu­ma coi­sa ou aqui­lo que te mo­ve a fa­zer al­go. Ca­da ação hu­ma­na é ori­en­ta­da por al­gum es­tí­mu­lo, se­não não se­ria uma ação. A men­te hu­ma­na pos­sui di­fe­ren­tes fer­ra­men­tas de so­bre­vi­vên­cia, den­tre elas os me­ca­nis­mos res­pon­si­vos aos in­cen­ti­vos. Se há a pos­si­bi­li­da­de de ga­nho fí­si­co e emo­ci­o­nal, o cor­po re­a­ge po­si­ti­va­men­te. “Mo­ti­va­ção es­tá re­la­ci­o­na­da com o me­ca­nis­mo de re­com­pen­sa do cé­re­bro res­pon­sá­vel pe­la sen­sa­ção de pra­zer e bem-es­tar, fun­ci­o­nan­do co­mo uma for­ma de `pre­mi­a­ção' por ações bem-su­ce­di­das que pra­ti­ca­mos”, res­sal­ta Marco Acras, co­a­ch e pa­les­tran­te so­bre edu­ca­ção em­pre­sa­ri­al. Ao iden­ti­fi­car uma pos­si­bi­li­da­de de re­a­li­za­ção pessoal, as re­giões do cé­re­bro de­no­mi­na­das cór­tex pré-fron­tal e or­bi­to­fron­tal são aci­o­na­das e pas­sam a bus­car no am­bi­en­te fer­ra­men­tas pa­ra a re­a­li­za­ção da ideia. A par­tir des­se es­tí­mu­lo, o psi­có­lo­go Au­gus­to Ji­me­nez ex­pli­ca que, “após es­tes dois pro­ces­sos quí­mi­cos e vi­su­ais, de­pen­de do ser hu­ma­no con­cre­ti­zar a ideia em ação. A su­ges­tão é fo­car a aten­ção na ati­vi­da­de em si. A per­sis­tên­cia é o que faz vi­rar ação”.

Gui­a­dos pe­la emo­ção

O sis­te­ma bi­o­ló­gi­co hu­ma­no é es­ti­mu­la­do prin­ci­pal­men­te por hormô­ni­os, e as ati­vi­da­des dos mús­cu­los e ór­gãos são aci­o­na­das por es­sas subs­tân­ci­as que pro­mo­vem sua ação. Na men­te não se­ria di­fe­ren­te: sen­sa­ções e sen­ti­men­tos es­tão li­ga­dos a com­pos­tos quí­mi­cos hor­mo­nais que es­ti­mu­lam as si­nap­ses. A do­pa­mi­na, neu­ro­trans­mis­sor que atua nas sen­sa­ções

de pra­zer e bem-es­tar, es­tá as­so­ci­a­da ao me­ca­nis­mo de re­com­pen­sa do cor­po, por­tan­to à mo­ti­va­ção tam­bém. “Quan­do te­mos a cer­te­za que fi­ze­mos al­go ex­tra­or­di­ná­rio, que al­can­ça­mos um ob­je­ti­vo de­sa­fi­a­dor, que re­a­li­za­mos al­go de gran­de sig­ni­fi­ca­do que nos dei­xa or­gu­lho­sos, é a do­pa­mi­na que en­tra em ação. Ela atua na con­cen­tra­ção, no fo­co, nos co­nec­ta com sen­ti­men­tos de pra­zer e fe­li­ci­da­de”, ex­pli­ca Marco Acras. Es­tar mo­ti­va­do é um pro­ces­so mais in­ter­no que ex­ter­no, é pre­ci­so que se quei­ra al­go pa­ra se sen­tir mo­ti­va­do. Nes­se que­rer, sen­ti­men­tos e emo­ções es­tão en­vol­vi­dos ple­na­men­te, in­de­pen­den­te se o ob­je­to de sua mo­ti­va­ção é pessoal ou pro­fis­si­o­nal. O pen­sa­men­to não é li­vre de emo­ção, am­bos ocor­rem jun­tos. A res­pos­ta afe­ti­va po­si­ti­va que al­go pro­por­ci­o­na, quan­do bem ad­mi­nis­tra­da pe­la in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, é o que man­tém o in­di­ví­duo mo­ti­va­do.

Pa­ra man­ter o es­tí­mu­lo

"Mo­ti­va­ção es­tá re­la­ci­o­na­da com o me­ca­nis­mo de re­com­pen­sa do cé­re­bro res­pon­sá­vel pe­la sen­sa­ção de pra­zer e be­mes­tar" Mar­cos Acras, co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em edu­ca­ção cor­po­ra­ti­va

O or­ga­nis­mo age em fun­ção da so­bre­vi­vên­cia; ins­tin­ti­va e bi­o­lo­gi­ca­men­te ele é pro­gra­ma­do pa­ra ob­ter pra­zer e eco­no­mi­zar ener­gia. Não se sen­tir mo­ti­va­do po­de ser um si­nal pe­ri­go­so. Au­gus­to Ji­me­nez afir­ma que“a fal­ta de mo­ti­va­ção nos le­vaàes­tag na­ção, ea­est ag­na­ção po­de le­var o in­di­ví­duo ater sen­ti­men­tos de fra­cas­so e in­fe­ri­o­ri­da­de, de não se sen­tir par­te de um gru­po ”. Es­sa de­pre­ci­a­ção de sie o sen­ti­men­to de des­co­ne­xão po­dem le­va­ra qua­dros de sín­dro­me do pâ­ni­co e até de­pres­são, oque ini­be o ins­tin­to por so­bre­vi­ver. Bus­car no­vos de­sa­fi­os, po­si­ções me­lho­res no em­pre­go e ex­pe­ri­ên­ci­as es­ti­mu­lan­tes com­põem o es­pec­tro de uma vi­da sau­dá­vel. É na­tu­ral a ne­ces­si­da­de de bus­car pra­zer, por­tan­to de se mo­ti­var, o que es­ti­mu­la o cres­ci­men­to pessoal e pro­por­ci­o­na bem-es­tar ao cor­po, man­ten­do a saú­de emo­ci­o­nal equi­li­bra­da. pra­ti­car ati­vi­da­de fí­si­ca li­be­ra mui­tos hormô­ni­os in­ter­li­ga­dos aos me­ca­nis­mos de fe­li­ci­da­de no cor­po, con­fi­gu­ran­do-se co­mo uma fer­ra­men-

ta im­por­tan­te pa­ra a mo­ti­va­ção. Ter no­vas ex­pe­ri­ên­ci­as sen­so­ri­ais, co­mo ou­vir mú­si­cas di­fe­ren­tes das ha­bi­tu­ais, fa­zer no­vas ati­vi­da­des, as­sis­tir filmes ain­da não vis­tos, são ele­men­tos que es­ti­mu­lam a cri­a­ti­vi­da­de e se as­so­ci­am à li­be­ra­ção de do­pa­mi­na no or­ga­nis­mo. Além dis­so, a me­di­ta­ção é uma prá­ti­ca de re­du­ção de flu­xo men­tal que pro­por­ci­o­na au­to­co­nhe­ci­men­to. Se o in­di­ví­duo co­nhe­ce a si mes­mo, tem mais fa­ci­li­da­de de se li­vrar dos obs­tá­cu­los e con­se­guir se man­ter mo­ti­va­do.é im­por­tan­te re­fle­tir so­bre seus ob­je­ti­vos: quan­to mais pró­xi­mos da re­a­li­da­de e co­nec­ta­dos com sua iden­ti­da­de pessoal, mais fi­xos eles se man­têm e mai­o­res as chan­ces de con­cre­ti­zar o ide­al. Tra­ba­lhar com pos­si­bi­li­da­des re­ais evi­ta a cri­a­ção de ex­pec­ta­ti­vas ca­pa­zes de frus­trar o in­di­ví­duo e des­mo­ti­vá-lo. Co­nhe­cer a si mes­mo tor­na cla­ro a dis­tin­ção en­tre o que re­al­men­te se de­se­ja da ilu­são que vai ge­rar so­fri­men­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.