Pa­ra se­guir em fren­te

En­con­trar um mo­ti­vo e con­ti­nu­ar lu­tan­do é es­sen­ci­al pa­ra su­pe­rar os obs­tá­cu­los

Mente Curiosa - - NEWS -

Se exis­tis­se um lu­gar, uma es­pé­cie de pos­to, no qu­al vo­cê pu­des­se fa­zer uma pa­ra­da e sim­ples­men­te re­a­bas­te­cer, co­le­tar mais da­qui­lo ca­paz de ge­rar ener­gia pa­ra o seu co­ti­di­a­no, quais se­ri­am os itens que aten­de­ri­am a es­sa ne­ces­si­da­de? Re­fle­tin­do a res­pei­to da sua ro­ti­na, con­si­de­re: o que te dá for­ças pa­ra acor­dar to­dos os di­as, ir tra­ba­lhar e es­tu­dar, o que des­per­ta o seu sorriso e faz vo­cê ul­tra­pas­sar seus li­mi­tes? Ter a cons­ci­ên­cia des­sas res­pos­tas po­de ser um pon­to cru­ci­al pa­ra o que as pes­so­as cha­mam de su­pe­ra­ção.

Mo­ti­vos pa­ra re­a­gir

No ca­mi­nho de ca­da in­di­ví­duo, do­res, per­das, frus­tra­ções, tris­te­zas e de­cep­ções são as­pec­tos in­te­gran­tes. Por is­so, a mo­ti­va­ção é pri­mor­di­al: di­an­te dos pro­ble­mas, é ne­ces­sá­ria uma ra­zão pa­ra su­pe­rá-los. “Mo­ti­va­ção é um con­jun­to de fa­to­res que, jun­to com o de­se­jo e a ne­ces­si­da­de, mo­bi­li­za nos­so com­por­ta­men­to e nos di­re­ci­o­na a um al­vo. Sem

dú­vi­da, mo­ve a vi­da das pes­so­as, pois é pre­ci­so que ha­ja es­se es­tí­mu­lo in­ter­no, que nos le­va­rá a bus­car al­go ex­ter­no. É um im­pul­so que le­va a atin­gir os ob­je­ti­vos”, ana­li­sa a psi­có­lo­ga Fa­bi­a­ne Oli­vei­ra. Se es­se im­pul­so é tão im­por­tan­te pa­ra o dia a dia, ima­gi­ne em mo­men­tos nos quais as di­fi­cul­da­des pa­re­cem to­mar con­ta. “Há pe­río­dos em que nos per­gun­ta­mos co­mo te­re­mos for­ça e mo­ti­va­ção pra con­ti­nu­ar a vi­ver. Co­mo ire­mos pros­se­guir na vi­da ape­sar de uma dor pro­fun­da e di­la­ce­ran­te? Se­rá que ha­ve­rá mo­ti­va­ção su­fi­ci­en­te pa­ra acre­di­tar­mos que es­sa tris­te­za po­de ser mo­di­fi­ca­da? En­con­tra­re­mos mo­ti­vo pra vi­ver após um so­fri­men­to in­ten­so de per­der quem se ama, de­pois de ser­mos gol­pe­a­dos com a dor de uma trai­ção, após ver nos­sos pla­nos se­rem es­co­a­dos ra­lo abai­xo? Es­tas ques­tões ru­mi­nam em nos­sa men­te”, propõe a psi­có­lo­ga e li­fe co­a­ch Flá­via Bri­to. Si­tu­a­ções trau­má­ti­cas po­dem ser cau­sa­do­ras de qua­dros psi­co­ló­gi­cos gra­ves, co­mo a de­pres­são. Quan­do um acon­te­ci­men­to, se­ja a mor­te de uma pes­soa que­ri­da ou uma frus­tra­ção pro­fis­si­o­nal, al­te­ra o com­por­ta­men­to de um in­di­ví­duo a pon­to de ha­ver uma tris­te­za per­ma­nen­te, de­ve-se pro­cu­rar aju­da. De acor­do com a psi­có­lo­ga Pau­la S. Ma­dei­ra de Mello, par­tin­do do pres­su­pos­to que uma pes­soa des­mo­ti­va­da po­de se tor­nar pa­to­lo­gi­ca­men­te tris­te, me­lan­có­li­ca, de­pres­si­va ou agres­si­va, a mo­ti­va­ção é o ca­mi­nho bá­si­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da saú­de da men­te e do cor­po. As­sim, en­ten­der a si mes­mo e des­co­brir aqui­lo que o es­ti­mu­la e ser­ve co­mo um com­bus­tí­vel é um dos pas­sos pa­ra su­pe­rar si­tu­a­ções de­li­ca­das, de­sa­fi­a­do­ras e até aque­las que en­vol­vem a saú­de men­tal.

Em ca­da um

Ten­do em vis­ta a im­por­tân­cia da com­pre­en­são dos fa­to­res mo­ti­va­ci­o­nais, es­tu­di­o­sos se de­di­ca­ram a in­ves­ti­gá-los. De acor­do com a te­o­ria de­sen­vol­vi­da em 2009 por Tho­mas W. Ma­lo­ne, pro­fes­sor for­ma­do pe­la Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, nos Es­ta­dos Uni­dos, exis­tem três pi­la­res que es­ti­mu­lam as pes­so­as: di­nhei­ro, amor e gló­ria. Nes­sa cor­ren­te de pen­sa­men­to, as ações são mo­vi­das pe­lo ga­nho fi­nan­cei­ro, pe­la ques­tão emo­ci­o­nal – o de­sen­vol­vi­men­to da pai­xão, do pra­zer – e pe­lo re­co­nhe­ci­men­to. Já pa­ra a pesquisadora e pro­fes­so­ra Mary Lou Maher, exis­tem ou­tros cin­co pon­tos a se­rem le­va­dos em con­si­de­ra­ção: de­sa­fio, car­rei­ra, in­te­ra­ção so­ci­al, di­ver­são e obri­ga­ção. De uma vi­são mais bá­si­ca e fun­da­men­tal, pas­sa­mos pa­ra uma aná­li­se mais mi­nu­ci­o­sa, na qu­al se de­ve ir mais a fun­do em ques­tões pro­fis­si­o­nais e pes­so­ais. Pa­ra su­pe­rar de­sa­fi­os, ul­tra­pas­sar bar­rei­ras e dei­xar pa­ra trás aqui­lo que faz mal e não des­per­ta in­te­res­se, é im­pe­ra­ti­vo olhar pa­ra si mes­mo e bus­car o que te mo­ve. As pos­si­bi­li­da­des apont adas pe­la ci­ên­cia são ca­mi­nhos pa­ra ori­en­tar es­sa pro­cu­ra, que po­de ser des­per­ta­da por pes­so­as, ob­je­ti­vos re­la­ti­vos à car­rei­ra, exis­ten­ci­ais e mui­tos ou­tros. “O ser hu­ma­no pre­ci­sa de me­tas e de­sa­fi­os que jus­ti­fi­quem vi­ver. A pa­la­vra mo­ti­va­ção sin­te­ti­za is­so: mo­vi­men­to pa­ra a ação, o que po­ten­ci­a­li­za o de­se­jo que te­mos de con­se­guir ir além. Se­ja por al­go ou por al­guém. É dis­so que so­bre­vi­ve a su­pe­ra­ção”, ava­lia a psi­có­lo­ga Elai­ne Sou­za. “Par­tin­do do pres­su­pos­to que uma pes­soa des­mo­ti­va­da po­de se tor­nar pa­to­lo­gi­ca­men­te tris­te, me­lan­có­li­ca, de­pres­si­va ou agres­si­va, a mo­ti­va­ção é o ca­mi­nho bá­si­co pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to da saú­de da men­te e do cor­po” Pau­la S. Ma­dei­ra de Mello, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.