A ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber

Às ve­zes cha­ma­da de pres­sen­ti­men­to, a in­tui­ção é aque­la voz que faz vo­cê sen­tir um acon­te­ci­men­to fu­tu­ro

Mente Curiosa - - NEWS -

Em no­vem­bro de 2015, o pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio Luiz Car­los Ias­beck vi­a­jou a Pa­ris pa­ra co­me­mo­rar o ani­ver­sá­rio de 62 anos. Jun­to com sua es­po­sa, ele ha­via pla­ne­ja­do dois even­tos pa­ra aque­la noi­te de sex­ta-fei­ra: jan­tar em um res­tau­ran­te e as­sis­tir à par­ti­da en­tre as se­le­ções de Fran­ça e Ale­ma­nha. Po­rém, de­vi­do ao can­sa­ço, de­ci­diu aban­do­nar os pla­nos de co­me­mo­rar a no­va ida­de e fi­cou no ho­tel em que es­ta­va hos­pe­da­do. Na­que­la noi­te, di­ver­sos aten­ta­dos ter­ro­ris­tas acon­te­ce­ram em lo­cais pró­xi­mos ao res­tau­ran­te on­de o bra­si­lei­ro ha­via fei­to a re­ser­va e nos ar­re­do­res do Sta­de de Fran­ce, lo­cal do jo­go en­tre as se­le­ções de fu­te- bol. Se­gun­do o pro­fes­sor, al­gu­ma coi­sa lhe di­zia que não ia dar mui­to cer­to es­se jan­tar. Mas quem — ou o que — ha­via pas­sa­do es­sa im­pres­são a Luiz Car­los? Pa­ra o pró­prio bra­si­lei­ro, o que o fez mu­dar os pla­nos e não sair de ca­sa na­que­la noi­te foi uma sen­sa­ção úni­ca: a in­tui­ção.

De den­tro pra fo­ra

A pa­la­vra in­tui­ção vem do la­tim in­tu­e­ri, for­ma­do a par­tir da união de “in-” (em, den­tro) e “tu­e­re” (olhar pa­ra, guar­dar). Sig­ni­fi­ca, por­tan­to, con­si­de­rar, ver in­te­ri­or­men­te ou con­tem­plar. A in­tui­ção é a fa­cul­da­de de com­pre­en­der as coi­sas no mo­men­to, sem ne­ces­si­da­de de re­a­li­zar ra­ci­o­cí­ni­os com­ple­xos, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Po­e­ma Ri­bei­ro. “Na lin­gua­gem co­lo­qui­al, a pa­la­vra in­tui­ção é usa­da co­mo sinô­ni­mo de pres­sen­ti­men­to, co­mo ter a sen­sa­ção de que al­go vai acon­te­cer ou adi­vi­nhar al­go an­tes”, apon­ta. Ou se­ja, in­tui­ção po­de ser en­ten­di­da co­mo a ca­pa­ci­da­de de com­pre­en­der al­gu­ma coi­sa que che­ga à sua men­te, sem que vo­cê sai­ba co­mo es­se sa­ber che­gou até vo­cê. Com­pli­ca­do en­ten­der? Nem tan­to. Um exem­plo dis­so é quan­do vo­cê aca­ba de co­nhe­cer al­guém e não vai mui­to com a ca­ra da pes­soa, sem mo­ti­vo al­gum. Um tem­po de­pois, es­se al­guém pro­va não ser con­fiá­vel e, na sua ca­be­ça, vem a fa­mo­sa sen­ten­ça: “eu já sa­bia!”. Vo­cê não tem no­ção do co­mo nem por que sa­bia da­qui­lo. Sim­ples­men­te a in­for­ma­ção sur­giu na sua ca­be­ça, an­tes mes­mo de ob­ter qual­quer in­for­ma­ção con­cre­ta.

“A in­tui­ção não é al­go pa­ra in­ter­pre­tar, e sim sen­tir” Aris­ti­des Bri­to, neu­ro­ci­en­tis­ta

Pla­no su­pe­ri­or

O fí­si­co teó­ri­co Jack Sar­fat­ti, um dos prin­ci­pais mem­bros do Gru­po Fun­da­men­tal de Fí­si­cos (uma as­so­ci­a­ção in­for­mal de fí­si­cos que exis­tiu nos Es­ta­dos Uni­dos du­ran­te a dé­ca­da de 1970, e que aju­dou a nu­trir al­gu­mas das idei­as fun­da­men­tais da fí­si­ca quân­ti­ca), su­ge­re que a in­tui­ção po­de exis­tir atra­vés de um pla­no mais ele­va­do da re­a­li­da­de. “Pa­ra ele, as ‘coi­sas’ são mais li­ga­das e os acon­te­ci­men­tos são cor­re­la­ci­o­na­dos num pla­no de re­a­li­da­de aci­ma do nos­so, e que nes­se cam­po os ‘ele­men­tos’ es­tão li­ga­dos por meio de ou­tro pla­no, ain­da mais ele­va­do. As­sim, atin­gin­do um ní­vel mais al­to, com­pre­en­de­re­mos co­mo fun­ci­o­na a co­e­rên­cia ins­tan­tâ­nea”, de­ci­fra Po­e­ma.

Ques­tão de sen­tir

Se­gun­do o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to, es­sa ca­pa­ci­da­de de per­ce­ber al­go que ain­da não acon­te­ceu é uma ação li­ga­da ao es­ta­do emo­ci­o­nal. “A in­tui­ção es­tá re­la­ci­o­na­da ao sis­te­ma lím­bi­co e a pro­ces­sos que acon­te­cem na área re­la­ci­o­na­da às emo­ções den­tro do cé­re­bro”, ex­pli­ca o es­pe­ci­a­lis­ta. Por­tan­to, ten­tar ra­ci­o­na­li­zar tal sen­ti­men­to é, em par­tes, inú­til. “Se es­tá li­ga­do ao sis­te­ma lím­bi­co e às emo­ções é, de cer­ta for­ma, o opos­to do ra­ci­o­nal. A in­tui­ção não é al­go pa­ra in­ter­pre­tar, e sim sen­tir”, com­ple­ta. Pa­ra Po­e­ma Ri­bei­ro, a voz in­ter­na sur­ge com a ra­pi­dez de um raio. Por is­so, pa­ra que se­ja aten­di­da, não va­le ape­lar pa­ra a ló­gi­ca. “Es­sa in­tui­ção, es­te sex­to sen­ti­do ins­tin­ti­vo, fun­ci­o­na vin­do de um ou­tro lu­gar que di­fe­re de to­das as sen­sa­ções for­ne­ci­das pe­los cin­co ou­tros sen­ti­dos”, con­si­de­ra a psi­có­lo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.