Re­la­ci­o­na­men­tos intuitivos

O pres­sen­ti­men­to po­de aju­dar na ho­ra de es­co­lher quem man­ter por per­to e em quem con­fi­ar

Mente Curiosa - - NEWS -

Se­gun­do a psi­co­lo­gia, a in­tui­ção é um pro­ces­so na­tu­ral, mui­tas ve­zes in­cons­ci­en­te e in­vo­lun­tá­rio. Pa­ra al­guns es­tu­di­o­sos, é uma voz in­ter­na que nos per­mi­te não sen­tir ne­nhu­ma dú­vi­da. “Ela tem li­ga­ção com nos­sos sen­ti­men­tos, pois nos­so cor­po de luz se co­mu­ni­ca com o cor­po fí­si­co atra­vés das emo­ções”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Már­cia San­do. O cor­po fí­si­co é um cor­po vi­sí­vel, re­la­ci­o­na­do à ter­cei­ra di­men­são. Ele pos­sui os cin­co sen­ti­dos sen­so­ri­ais – au­di­ção, vi­são, ta­to,

“Quan­to mai­or for a sua co­ne­xão com vo­cê mes­mo – e, des­sa for­ma, com sua in­tui­ção –, mai­or a pos­si­bi­li­da­de de to­mar as de­ci­sões cor­re­tas nos re­la­ci­o­na­men­tos e de sa­ber em quem con­fi­ar” Már­cia San­do, psi­có­lo­ga

pa­la­dar e ol­fa­to. O cor­po de luz não é vi­sí­vel e pos­sui in­fi­ni­tos sen­ti­dos, en­tre eles, o cha­ma­do “sex­to sen­ti­do” – tam­bém co­nhe­ci­do co­mo in­tui­ção. Es­sa ca­pa­ci­da­de pre­sen­te em to­dos os in­di­ví­du­os po­de co­la­bo­rar nas di­ver­sas re­la­ções so­ci­ais que o dia a dia pro­por­ci­o­na e, além dis­so, aler­tar na ho­ra de con­fi­ar e se­le­ci­o­nar os in­di­ví­du­os que irão nos acom­pa­nhar ao lon­go da vi­da.

Co­ne­xão pró­pria é es­sen­ci­al

Os re­la­ci­o­na­men­tos pro­fis­si­o­nais, pes­so­ais e afe­ti­vos nos pe­dem aten­ção no que­si­to con­fi­an­ça. As re­la­ções são cons­truí­das de acor­do com as vi­vên­ci­as e sen­ti­men­tos en­tre as pes­so­as en­vol­vi­das. “Quan­to mai­or for a sua co­ne­xão com vo­cê mes­mo – e, des­sa for­ma, com sua in­tui­ção –, mai­or a pos­si­bi­li­da­de de to­mar as de­ci­sões cor­re­tas nos re­la­ci­o­na­men­tos e de sa­ber em quem con­fi­ar”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga. Lo­go, se a pes­soa es­tá co­nec­ta­da con­si­go pró­pria e aber­ta em re­ce­ber o ou­tro com res­pei­to e acei­tá-lo co­mo ele é, sem a in­ten­ção de mu­dar o par­cei­ro ou par­cei­ra, a re­la­ção te­rá uma mai­or pos­si­bi­li­da­de de ama­du­re­ci­men­to e amor en­tre o ca­sal. No en­tan­to, de­ve-se res­sal­tar a exis­tên­cia de pes­so­as que pos­su­em trau­mas e di-

fi­cul­da­de em re­la­ção à con­fi­an­ça. Se­gun­do a psi­có­lo­ga, “es­se pro­ces­so po­de di­fi­cul­tar a co­ne­xão do cor­po fí­si­co com o cor­po de luz pa­ra per­ce­ber a in­tui­ção, ou po­de te for­ne­cer uma per­cep­ção dis­tor­ci­da”. Em ca­sos co­mo es­se, a in­di­ca­ção é pro­cu­rar pe­la aju­da de um bom pro­fis­si­o­nal pa­ra ali­vi­ar es­sa di- fi­cul­da­de e de­sen­vol­ver me­lhor a ca­pa­ci­da­de, co­mo um psi­co­te­ra­peu­ta, por exem­plo.

Bons há­bi­tos e con­fi­an­ça

Pa­ra de­sen­vol­ver me­lhor as ha­bi­li­da­des in­tui­ti­vas é im­por­tan­te, pri­mei­ra­men­te, acre­di­tar e con­fi­ar em si. “Vo­cê não vai con­se­guir os re­sul­ta­dos que de­se­ja en­quan­to es­ti­ver com dú­vi­das e me­do”, apon­ta a te­ra­peu­ta Tâ­nia Rai­nha. Acre­di­tar que vo­cê po­de re­ce­ber men­sa­gens in­tui­ti­vas au­men­ta seu po­der e sua ca­pa­ci­da­de de aces­sar e en­ten­der as men­sa­gens e res­pos­tas pa­ra os ques­ti­o­na­men­tos do dia a dia. Se a pes­soa acre­di­ta que is­so é pos­sí­vel, mes­mo que só um pou­co, já faz a di­fe­ren­ça. Sa­ber ou­vir a “voz” da in­tui­ção é um apren­di­za­do e, de for­ma ge­ral, mui­tos blo­quei­os na ho­ra de usá-la e per­ce­bê-la são de­cor­ren­tes do sis­te­ma de cren­ças que uma pes­soa, fa­mí­lia, país e cul­tu­ra têm, além de seus há­bi­tos. “Cui­dar da saú­de do cor­po fí­si­co com boa ali­men­ta­ção, bo­as ho­ras de so­no e exer­cí­ci­os fí­si­cos faz com que os ca­nais ce­re­brais fi­quem to­dos re­cep­ti­vos”, ex­pli­ca Már­cia. Os pro­ble­mas co­ti­di­a­nos, pre­o­cu­pa­ções, ner­vo­sis­mo, ex­plo­sões de rai­va e o me­do fa­zem com que ha­ja a per­da da co­ne­xão en­tre o cor­po de luz e o fí­si­co. Por is­so, é in­di­ca­do o con­tro­le das emo­ções e com­pre­en­são das mes­mas. “A me­di­ta­ção po­de fa­ci­li­tar a co­ne­xão. No en­tan­to, se a prá­ti­ca não re­sol­ver, de­ve-se pro­cu­rar aju­da pro­fis­si­o­nal da psi­co­te­ra­pia”, com­ple­ta a psi­có­lo­ga.

O cor­po fa­la

As ex­pres­sões fa­ci­ais e si­nais do cor­po po­dem ser ali­a­das da in­tui­ção na ho­ra de co­nhe­cer e cons­truir a pri­mei­ra im­pres­são de de­ter­mi­na­da re­la­ção so­ci­al.

É co­mum, em al­guns ca­sos, as pes­so­as co­men­ta­rem que ti­ve­ram uma sim­pa­tia inex­pli­cá­vel no pri­mei­ro con­ta­to com ou­tra pes­soa. Em ou­tros ca­sos, no en­tan­to, po­de acon­te­cer o opos­to, ou se­ja, sen­tir uma re­pul­sa sem mo­ti­vos ao co­nhe­cer um in­di­ví­duo e, após um tem­po, con­fir­ma­rem que es­ta­vam cer­tas e que a má im­pres­são era re­al. O cor­po é um es­pe­lho que po­de re­ve­lar o in­cons­ci­en­te, é a pro­je­ção da men­te. As ex­pres­sões fa­ci­ais e ou­tros si­nais fí­si­cos (ges­tos, olha­res e po­si­ções do cor­po, por exem­plo) apa­re­cem e cons­ti­tu­em uma par­te im­por­tan­te do pro­ces­so in­tui­ti­vo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.