Co­mo to­mar de­ci­sões me­lho­res

Os se­gre­dos pa­ra vo­cê fa­zer as es­co­lhas cer­tas em sua vi­da

Mente Curiosa - - NEWS -

To­do ano, jo­vens do en­si­no mé­dio pre­ci­sam de­fi­nir o que fa­zer após a for­ma­tu­ra: ir pa­ra o mer­ca­do de tra­ba­lho ou pres­tar ves­ti­bu­lar? Se op­tar por cur­sar uma gra­du­a­ção, qual op­ção es­co­lher di­an­te de tan­tas? Já pa­ra quem es­tá na ati­va faz tem­po, em al­gum mo­men­to, po­de sur­gir a dú­vi­da em re­la­ção ao tra­ba­lho: é is­so mes­mo o que de­se­ja pa­ra sua vi­da? Se não es­ti­ver sa­tis­fei­to, é me­lhor mu­dar de em­pre­sa ou acei­tar o con­vi­te de um ami­go pa­ra abrir um ne­gó­cio jun­tos? A to­ma­da de de­ci­sões tam­bém es­tá em ações sim­ples, mas que po­dem en­vol­ver sua pró­pria vi­da. Con­tu­do, es­se pro­ces­so é al­go que re­a­li­za­mos com gran­de frequên­cia e, às ve­zes, nem nos da­mos con­ta. Mas já pa­rou pa­ra pen­sar o que há por trás de nos­sas to­ma­das de ações? O que po­de aju­dar e o que mais atra­pa­lha? E quais são os me­lho­res ca­mi­nhos pa­ra fa­zer es­co­lhas me­lho­res?

No fu­tu­ro

Em mo­men­tos de dú­vi­da, pro­cu­re ava­li­ar a re­le­vân­cia do im­pac­to de uma de­ci­são, ou se­ja, o quan­to ela irá afe­tar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te sua vi­da e da­que­les que os cer­cam, se­ja a cur­to, mé­dio e lon­go pra­zo. Se­gun­do Car­los Es­te­ves, psi­có­lo­go e es­pe­ci­a­lis­ta em aná­li­se do com­por­ta­men­to, nos­sa di­nâ­mi­ca so­ci­al fa­vo­re­ce as de­ci­sões de cur­to pra­zo, is­to é, os im­pac­tos em nos­sas vi­das de for­ma mais ime­di­a­ta. “Um bom exem­plo é a ques­tão econô­mi­ca as­so­ci­a­da ao con­su­mo que, por sua vez, po­de im­pli­car em um en­di­vi­da­men­to (com efei­tos ao mé­dio e lon­go pra­zo). Se o in­di­ví­duo não pos­sui uma pou­pan­ça, po­de en­fren­tar di­fi­cul­da­des se hou­ver uma mu­dan­ça es­tru­tu­ral na eco­no­mia”, ex­pli­ca. Ao pen­sar bem an­tes de agir, é pos­sí­vel ave­ri­guar quais se­rão as con­sequên­ci­as de su­as ações: “Ine­vi­ta­vel­men­te, o que de­ter­mi­na uma de­ci­são são seus des­do­bra­men­tos;

em ou­tras pa­la­vras, po­de­mos evi­tar um ca­mi­nho ten­do em vis­ta os efei­tos de­sa­gra­dá­veis que po­de­rão sur­gir ou to­mar ou­tro por con­ta de sen­ti­men­tos opos­tos, co­mo nos­sas ex­pec­ta­ti­vas”, com­ple­men­ta Car­los.

Co­nhe­ça mais

Va­mos vol­tar à si­tu­a­ção do jo­vem que es­tá pen­san­do em pres­tar ves­ti­bu­lar. Den­tro de pou­co tem­po, ele de­ve se can­di­da­tar a um cur­so de gra­du­a­ção que irá afe­tar sua vi­da pro­fis­si­o­nal no fu­tu­ro. Uma das saí­das pa­ra fa­zer a es­co­lha mais acer­ta­da é pro­cu­rar sa­ber mais so­bre o as­sun­to. Se o can­di­da­to na­tu­ral­men­te já pos­sui afi­ni­da­de a al­gu­ma área, co­mo en­ge­nha­ria, ob­ter mais in­for­ma­ções so­bre os cur­sos que tem em men­te po­de fa­ci­li­tar na ho­ra de op­tar pe­la área ci­vil ou elé­tri­ca, por exem­plo. “A fal­ta de co­nhe­ci­men­to so­bre aqui­lo que es­tá em ques­tão po­de in­ter­fe­rir no pro­ces­so de de­ci­são. Is­so por si só não se­ria um im- pe­di­ti­vo, vis­to que po­de­mos im­pri­mir ações pa­ra ob­ter os co­nhe­ci­men­tos ne­ces­sá­ri­os”, diz Car­los Es­te­ves.

Mui­tas op­ções?

E se­rá que ter mui­tas al­ter­na­ti­vas di­fi­cul­ta ao fa­zer uma boa es­co­lha? Ou, tal­vez, quan­to me­nos pos­si­bi­li­da­des em vis­ta, me­lhor? A psi­có­lo­ga Ca­ro­li­na Wal­ger acre­di­ta que sim, mas is­so de­pen­de do ti­po de de­ci­são. “As de­ci­sões sim­ples do ti­po ‘se... en­tão’ ten­dem a ser mais fá­ceis, pois o in­di­ví­duo irá bus­car su­as re­gras ge­rais pa­ra de­ci­dir en­tre is­so ou aqui­lo”, lem­bra. Po­rém, gran­de par­te das de­ci­sões que pre­ci­sa­mos to­mar são com­ple­xas e não es­tru­tu­ra­das. “Não há co­nhe­ci­men­to de to­das as in­for­ma­ções, não so­mos ca­pa­zes de ma­pe­ar to­das as al­ter­na­ti­vas e não co­nhe­ce­mos to­das as pos­si­bi­li­da­des de con­sequên­ci­as. No en­tan­to, con­tra­di­to­ri­a­men­te, di­ze­mos que, quan­to mai­or o nú­me­ro de in­for­ma­ções, me­lhor, pois o de­ci­sor te­rá

“So­mos o re­sul­ta­do das nos­sas de­ci­sões, in­cluin­do as er­ra­das” Aris­ti­des Bri­to, neu­ro­ci­en­tis­ta

mais da­dos pa­ra pro­ces­sar. Is­so po­de fa­ci­li­tar o pro­ces­so de­ci­só­rio e tor­nar o re­sul­ta­do da de­ci­são mais efi­caz”, re­co­men­da Ca­ro­li­na.

En­tre ra­zões e emo­ções

Aris­ti­des Bri­to tam­bém acre­di­ta que, le­van­do em con­ta o po­der de aná­li­se e pen­san­do pe­lo as­pec­to pu­ra­men­te ra­ci­o­nal, quan­to mais op­ções, me­lhor. Po­rém, na prá­ti­ca, te­mos a pos­si­bi­li­da­de de co­me­ter mais en­ga­nos. Is­so acon­te­ce não pe­la quan­ti­da­de de al­ter­na­ti­vas dis­po­ní­veis, mas pe­los as­pec­tos emo­ci­o­nais que ca­da es­co­lha re­pre­sen­ta ou não. “Se a pes­soa es­ti­ver nu­ma es­tra­da e vi­er um ca­mi­nhão em sua di­re­ção, o ra­ci­o­cí­nio na­que­le mo­men­to é que o ca­mi­nhão es­tá er­ra­do, mas a op­ção é sair da fren­te e des­vi­ar do ine­vi­tá­vel. Tal­vez, o con­ti­nu­ar em fren­te, já que o mo­to­ris­ta es­tá no sen­ti­do cor­re­to, se­ria a op­ção mais cor­re­ta, mas não a mais in­te­li­gen­te”, exem­pli­fi­ca. O es­pe­ci­a­lis­ta em mar­ke­ting com pós-gra­du­a­ção em neu­rop­si­co­lo­gia de­fen­de que a di­fe­ren­ça en­tre o cor­re­to e o in­te­li­gen­te es­tá na in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, que faz en­ten­der­mos que não va­mos ter chan­ces com o ca­mi­nhão. “Na nos­sa vi­da, no co­ti­di­a­no, é a mes­ma coi­sa. Nem sem­pre va­mos fa­lar o que pen­sa­mos pa­ra al­guém que ama­mos, pois po­de re­pre­sen­tar uma rup­tu­ra do re­la­ci­o­na­men­to. A op­ção mais ra­ci­o­nal, mais ló­gi­ca, po­de­ria ser di­zer o que es­tá pen­san­do, mas co­mo o sis­te­ma lím­bi­co e a in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal aca­bam atu­an­do, te­mos um fil­tro que nos li­mi­ta nes­sa de­ci­são e aca­ba­mos não fa­lan­do tu­do o tem­po to­do. Ago­ra, quan­do es­ta­mos ner­vo­sos e a adre­na­li­na es­tá sen­do li­be­ra­da com mais ve­lo­ci­da­de, a ten­dên­cia é ofen­der­mos quem ama­mos, o que nes­te mo­men­to não se­rá a res­pos­ta ide­al”.

Ques­tão de in­tui­ção

Pa­ra aque­le mo­men­to em que es­tá mui­to di­fí­cil op­tar por uma al­ter­na­ti­va ou ou­tra, que tal dar ou­vi­dos à nos­sa voz in­te­ri­or? Há si­tu­a­ções em que se­guir a sua in­tui­ção po­de pa­re­cer uma es­co­lha obs­cu­ra, mas não me­nos acer­ta­da. “O ter­mo in­tui­ção re­me­te a

um ti­po de com­por­ta­men­to que in­di­ca al­go par­ci­al­men­te des­co­nhe­ci­do, co­mo cor­rer o ‘ris­co’”, de­fi­ne o psi­có­lo­go Car­los Es­te­ves. Mes­mo sem ter­mos um al­to grau de cer­te­za so­bre os des­do­bra­men­tos da nos­sa de­ci­são, acre­di­ta­mos em uma pos­si­bi­li­da­de de ocor­rer al­go fa­vo­rá­vel. “Nes­tes ca­sos, a in­tui­ção é pro­du­to de al­gu­mas in­di­ca­ções no am­bi­en­te, que não são su­fi­ci­en­te­men­te cla­ras pa­ra o in­di­ví­duo, mas que guar­dam al­gu­ma re­la­ção com su­as ex­pe­ri­ên­ci­as pas­sa­das”, in­di­ca o psi­có­lo­go. Aris­ti­des lem­bra da in­fluên­cia de nos­sas emo­ções quan­do te­mos uma in­tui­ção. “Ir pe­la in­tui­ção é ‘se­guir os si­nais’, mas mui­tas ve­zes eles vêm das ex­pe­ri­ên­ci­as que te­mos so­bre de­ter­mi­na­das si­tu­a­ções. E é im­por­tan­te lem­brar que a in­tui­ção pas­sa pe­lo sis­te­ma lím­bi­co e, por­tan­to, é re­la­ci­o­na­da às emo­ções so­bre de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção”. Lem­bra da­que­le ami­go que já pi­sou na bo­la com vo­cê ou o pre­ju­di­cou em al­gu­ma si­tu­a­ção? Me­ses de­pois, ele lhe faz um con­vi­te pa­ra abrir um ne­gó­cio. “Sua ‘in­tui­ção’ diz que não se­rá po- si­ti­vo par­ti­ci­par, mas nes­te ca­so, quem es­tá aju­dan­do a de­ci­dir não é a sua in­tui­ção, mas as ex­pe­ri­ên­ci­as que vo­cê te­ve com aque­la pes­soa. Por­tan­to, se­ja com mui­ta re­fle­xão ou por uma sim­ples in­tui­ção, o cé­re­bro vai ten­tar en­con­trar a me­lhor saí­da pa­ra aque­le mo­men­to”.

Co­nhe­ça e con­fie em si mes­mo

Dois ter­mos que nor­mal­men­te es­tão as­so­ci­a­dos a uma to­ma­da de de­ci­são são au­to­con­fi­an­ça e au­to­co­nhe­ci­men­to. Pa­ra Car­los Es­te­ves, mais do que a quan­ti­da­de de op­ções dis­po­ní­veis pa­ra uma de­ci­são, es­tes com­por­ta­men­tos po­dem ser de­ter­mi­nan­tes pa­ra uma boa es­co­lha. “No ca­so da au­to­con­fi­an­ça, po­de­mos usar co­mo exem­plo as pes­so­as que, ao to­ma­rem uma ação, pro­du­zem um des­do­bra­men­to ade­qua­do, cor­res­pon­den­te com sua ex­pec­ta­ti­va. Um al­pi­nis­ta se­le­ci­o­na o lo­cal de es­ca­la­da e pas­sa a su­bir a mon­ta­nha até atin­gir o to­po. Quem não pra­ti­ca es­sa ati­vi­da­de jul­ga­ria ar­ris­ca­do, ao pon­to de não acei­tar um con­vi­te pa­ra uma es­ca­la­da. Já o al­pi­nis­ta su­bi­ria a mon­ta­nha por con­ta de to­da uma his­tó­ria de pre­pa­ra­ção e pe­la pró­pria ex­pe­ri­ên­cia na ati­vi­da­de”, con­ta.

Apren­da com os er­ros

Con­tu­do, sem­pre exis­ti­rão os mo­men­tos em que va­mos to­mar de­ci­sões er­ra­das. Em mo­men­tos as­sim, às ve­zes, aca­ba­mos pen­san­do mais nos ou­tros do que em nós mes­mos. É co­mo um efei­to co­la­te­ral de al­guém que mui­tas ve­zes não acre­di­ta mui­to no seu po­ten­ci­al e aca­ba se pre­ju­di­can­do pa­ra aju­dar o pró­xi­mo, sim­ples­men­te pa­ra ocu­par um es­pa­ço com aque­la pes­soa, con­for­me ex­pli­ca Aris­ti­des. “É um sim­ples ca­so de au­to­es­ti­ma, em que, ca­so a pes­soa se per­ce­bes­se co­mo al­guém im­por-

tan­te, po­de­ria to­mar ou­tra de­ci­são”, ex­pli­ca. Mui­tas das de­ci­sões que to­ma­mos tam­bém têm a ver com a ima­gem que te­mos de nós mes­mos. Ou da ima­gem que acha­mos que as pes­so­as têm de nós. Daí a im­por­tân­cia de acre­di­tar mais em si e ter con­fi­an­ça em seu atos. “Pes­so­as mais se­gu­ras de si te­rão to­ma­das de de­ci­são mais acer­ta­das, sim­ples- men­te por­que te­rão uma vi­são mais com­ple­ta da si­tu­a­ção”, acre­di­ta o neu­ro­ci­en­tis­ta. Por fim, se­ja o que for que vo­cê de­ci­dir, acre­di­te na sua de­ci­são. “Vo­cê não po­de to­mar uma de­ci­são que nem vo­cê es­tá con­ven­ci­do de que é boa. To­me uma de­ci­são que, se vo­cê fos­se do ou­tro la­do, tam­bém apro­va­ria”, fi­na­li­za Aris­ti­des.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.