DI­CAS

Ca­mi­nhos pa­ra to­mar bo­as de­ci­sões

Mente Curiosa - - NEWS -

Apos­te em sua in­tui­ção. Mes­mo as­sim, o psi­có­lo­go Car­los Es­te­ves re­co­men­da usar a in­tui­ção pa­ra ações que im­pli­cam em bai­xo ris­co de uma de­ci­são; Evi­te pro­cras­ti­nar, ou de­mo­rar a fa­zer uma es­co­lha. Pa­ra Car­los, es­sa de­mo­ra es­tá re­la­ci­o­na­da a sen­ti­men­tos de in­se­gu­ran­ça ou me­do dos efei­tos de uma de­ci­são; Pro­cu­re co­nhe­cer o má­xi­mo so­bre al­gum as­sun­to an­tes de to­mar uma de­ci­são. Não aja em mo­men­tos de gran­de es­tres­se. “Is­so di­fi­cul­ta a es­co­lha ou até mes­mo pa­ra­li­sa tem­po­ra­ri­a­men­te uma de­ci­são”, afir­ma Car­los; Le­ve em con­ta ex­pe­ri­ên­ci­as pas­sa­das. Elas po­dem co­la­bo­rar, mes­mo que in­tui­ti­va­men­te; Con­si­de­re as va­riá­veis den­tro das op­ções pos­sí­veis; Ten­te me­dir as con­sequên­ci­as de su­as ações, usan­do o mo­de­lo “se... en­tão”; Ava­lie o im­pac­to de su­as de­ci­sões a cur­to, mé­dio e lon­go pra­zo; Pen­se no quan­to a de­ci­são irá afe­tar sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a sua vi­da e da­que­les que o cer­cam; Não te­nha me­do de cor­rer ris­cos, des­de que vo­cê sai­ba exa­ta­men­te a quais es­tá su­jei­to; Ve­ri­fi­que se a ação irá im­pli­car no seu bol­so e com­pro­me­ter sua ren­da ou or­ça­men­to; Con­fie em si mes­mo. A in­se­gu­ran­ça é uma das mai­o­res vi­lãs na to­ma­da de de­ci­sões; Dei­xe de fa­zer es­co­lhas no au­to­má­ti­co. “De­ci­dir por há­bi­to faz com que não se per­ce­ba quais eram as op­ções de fa­to”, aler­ta Aris­ti­des Bri­to, neu­ro­ci­en­tis­ta; Te­nha cons­ci­ên­cia do que es­tá le­van­do vo­cê a agir de cer­ta ma­nei­ra; Use a im­par­ci­a­li­da­de sem­pre que pos­sí­vel, ou se­ja, não ten­der nem por um ou ou­tro la­do da de­ci­são ou de quem irá se be­ne­fi­ci­ar de­la; Evi­te de­ci­dir sob pres­são. “A adre­na­li­na es­tá mais pre­sen­te, o que aca­ba de­ter­mi­nan­do mais di­fi­cul­da­de pa­ra es­sa de­ci­são”, re­co­men­da Aris­ti­des; Uti­li­ze sua in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal, ou se­ja, sua ca­pa­ci­da­de de li­dar com as emo­ções em mo­men­tos que exi­gem ações as­ser­ti­vas; “So­mos o re­sul­ta­do das nos­sas de­ci­sões, in­cluin­do as er­ra­das”, lem­bra Aris­ti­des. Ou se­ja, não te­nha me­do de er­rar. É com nos­sos er­ros que for­ma­mos nos­sa per­so­na­li­da­de e se­gui­mos em fren­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.