EN­TEN­DA A MEN­TE DOS DEPRESSIVOS

A do­en­ça mo­di­fi­ca o fun­ci­o­na­men­to do sis­te­ma ner­vo­so e pre­ci­sa de tra­ta­men­to

Mente Curiosa - - PRIMEIRA PÁGINA -

Océ­re­bro é um ór­gão que, em to­da sua com­ple­xi­da­de, é res­pon­sá­vel por inú­me­ras fun­ções do cor­po hu­ma­no por meio das co­mu­ni­ca­ções en­tre as bi­lhões de cé­lu­las que for­mam o sis­te­ma ner­vo­so — os neurô­ni­os. E es­tru­tu­ras tão mi­nús­cu­las co­mo es­sas po­dem ge­rar efei­tos de­vas­ta­do­res se fo­rem afe­ta­das por fa­to­res am­bi­en­tais, co­mo si­tu­a­ções es­tres­san­tes do dia a dia, ou al­gum des­con­tro­le do pró­prio cor­po. Des­se mo­do, com fun­ções al­te­ra­das, al­gu­mas dis­fun­ções po­dem apa­re­cer, co­mo trans­tor­nos men­tais que afe­tam a me­mó­ria, co­or­de­na­ção mo­to­ra, con­cen­tra­ção e hu­mor, co­mo é o ca­so da de­pres­são.

Agen­tes im­por­tan­tes

Co­mo ci­ta­do no co­me­ço do tex­to, os gran­des res­pon­sá­veis pe­lo bom fun­ci­o­na­men­to

da or­ga­ni­za­ção ce­re­bral são os neurô­ni­os. Es­tas cé­lu­las, atra­vés das si­nap­ses, o meio de co­mu­ni­ca­ção en­tre um neurô­nio e ou­tro, re­gu­lam di­ver­sas fun­ções no sis­te­ma ner­vo­so que afe­tam o cor­po to­do. O pro­ble­ma ocor­re, de fa­to, quan­do os neu­ro­trans­mis­so­res — que, co­mo ex­pli­ca o pro­fes­sor de neu­ro­lo­gia Vic­tor Fi­o­ri­ni, são subs­tân­ci­as quí­mi­cas pro­du­zi­das pe­las cé­lu­las ner­vo­sas — se en­con­tram des­re­gu­la­dos. Es­se pro­ces­so, se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, po­de ter du­as con­sequên­ci­as: ati­var um neurô­nio (neu­ro­trans­mis­são ex­ci­ta­tó­ria) ou ini­bi-lo (neu­ro­trans­mis­são ini­bi­tó­ria). “Na de­pres­são, exis­te um pro­ble­ma na quan­ti­da­de ou na qua­li­da­de de al­guns neu­ro­trans­mis­so­res ex­ci­ta­tó­ri­os. Is­so atra­pa­lha o fun­ci­o­na­men­to de vá­ri­os neurô­ni­os em de­ter­mi­na­das re­giões ce­re­brais, cau­san­do os sin­to­mas de tris­te­za, apa­tia, al­te­ra­ções de so­no, ape­ti­te, en­tre ou­tras”, com­ple­men­ta Fi­o­ri­ni. As subs­tân­ci­as que têm mai­or im­por­tân­cia no de­sen­vol­vi­men­to da de­pres- são são aque­las sin­te­ti­za­das nos neurô­ni­os do sis­te­ma lím­bi­co e da re­gião fron­tal do en­cé­fa­lo, com des­ta­que pa­ra a se­ro­to­ni­na, gran­de res­pon­sá­vel pe­las re­a­ções de es­tres­se e pe­lo con­tro­le do hu­mor, e prin­ci­pal al­vo dos me­di­ca­men­tos an­ti­de­pres­si­vos que atu­am na re­gu­la­ção do or­gão. Além des­se neu­ro­trans­mis­sor, “al­te­ra­ções em neurô­ni­os pro­du­to­res de no­ra­dre­na­li­na, do­pa­mi­na e glu­ta­ma­to são res­pon­sá­veis por qua­dros de de­pres­são. Al­guns an­ti­de­pres­si­vos tam­bém atu­am na pro­du­ção des­tas subs­tân­ci­as”, fi­na­li­za o pro­fes­sor de neu­ro­lo­gia.

Re­giões afe­ta­das

Do pon­to de vis­ta da neu­ro­ci­ên­cia, po­de-se de­sen­ca­de­ar um qua­dro depressivo a par­tir do mo­men­to em que du­as es­tru­tu­ras ce­re­brais não tra­ba­lham em har­mo­nia, co­mo ci­ta o mé­di­co neu­ro­lo­gis­ta e neu­ro­ci­en­tis­ta Martin Port­ner. “Uma é a amíg­da­la ce­re­bral, que per­ma­ne­ce ex­ces­si­va­men­te

ati­va, e a ou­tra, o cór­tex pré-fron­tal, tra­ba­lha abai­xo do es­pe­ra­do. Es­sas du­as es­tru­tu­ras man­têm es­trei­to fun­ci­o­na­men­to e, além dis­so, re­gu­lam ou­tras áre­as ce­re­brais res­pon­sá­veis por mo­ti­va­ção, ape­ti­te, se­xu­a­li­da­de e com­por­ta­men­to so­ci­al”, ex­pli­ca Port­ner. Não há co­mo apon­tar uma úni­ca es­tru­tu­ra “cul­pa­da” em re­la­ção aos trans­tor­nos depressivos no cé­re­bro, uma vez que o dis­túr­bio é fru­to da ação con­jun­ta de vá­ri­as al­te­ra­ções no ór­gão. No en­tan­to, a neu­ro­ci­ên­cia já é ca­paz de indicar as áre­as mais afe­ta­das pe­lo mal. Den­tre elas, Vic­tor Fi­o­ri­ni des­ta­ca “o sis­te­ma lím­bi­co, res­pon­sá­vel pe­las emo­ções, for­ma­do por es­tru­tu­ras co­mo o hi­po­cam­po, a amíg­da­la, o tá­la­mo e o gi­ro do cín­gu­lo. Ou­tras es­tru­tu­ras fre­quen­te­men­te aco­me­ti­das são os lo­bos fron­tais e os nú­cle­os da ba­se”. Is­so, se­gun­do o pro­fis­si­o­nal, po­de indicar o apa­re­ci­men­to mais co­mum da de­pres­são em in­di­ví­du­os que já pas­sa­ram por al­gu­ma do­en­ça neu­ro­ló­gi­ca, co­mo o aci­den­te vas­cu­lar ce­re­bral (AVC). “Ví­ti­mas de der­ra­me no cé­re­bro têm mai­or ris­co de, no fu­tu­ro, de­sen­vol­ve­rem de­pres­são, por con­ta da per­da de neurô­ni­os nas re­giões ce­re­brais ci­ta­das. Mas não con­fun­da: de­pres­são não sig­ni­fi­ca que a pes­soa es­te­ja ten­do um AVC”, res­sal­ta Vic­tor.

“Ví­ti­mas de der­ra­me no cé­re­bro têm mai­or ris­co de, no fu­tu­ro, de­sen­vol­ver de­pres­são, por con­ta da per­da de neurô­ni­os nas re­giões ce­re­brais ci­ta­das. Mas não con­fun­da: de­pres­são não sig­ni­fi­ca que a pes­soa es­te­ja ten­do um AVC”

Vic­tor Fi­o­ri­ni, pro­fes­sor de neu­ro­lo­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.