Mais bem-es­tar

A psi­co­te­ra­pia é fun­da­men­tal no tra­ta­men­to da de­pres­são e é a res­pon­sá­vel por mu­dar a for­ma co­mo a men­te tra­ba­lha di­an­te das ad­ver­si­da­des da vi­da

Mente Curiosa - - NEWS -

Mes­mo quan­do os me­di­ca­men­tos são in­di­ca­dos, eles fun­ci­o­nam mui­to me­lhor se as­so­ci­a­dos à psi­co­te­ra­pia. Es­te é o tra­ta­men­to in­dis­pen­sá­vel pa­ra qual­quer ca­so de de­pres­são e po­de ser re­a­li­za­do tan­to com psi­có­lo­go qu­an­to com psi­qui­a­tra te­ra­peu­ta. Exis­tem di­ver­sos mé­to­dos psi­co­te­rá­pi­cos dis­po­ní­veis pa­ra aque­les que so­frem com a de­pres­são e ca­da pa­ci­en­te po­de es­co­lher a abor­da­gem com a qual mais se iden­ti­fi­ca - po­den­do con­sul­tar ou­tros pro­fis­si­o­nais ca­so não ve­ja re­sul­ta­dos. No en­tan­to, a te­ra­pia, ali­a­da a cer­tas ati­tu­des e pos­tu­ras di­an­te da vi­da, po­de ofe­re­cer re­sul­ta­dos ain­da me­lho­res. “Cui­dar de si, me­lho­ran­do as­pec­tos im­por­tan­tes co­mo so­no, ali­men­ta­ção sau­dá­vel e ati­vi­da­des fí­si­cas. Ser gen­til com vo­cê mes­mo e não se cul­par se não fi­zer al­go que pla­ne­jou, além de ex­pe­ri­men­tar coi­sas no­vas e com­par­ti­lhar ex­pe­ri­ên­ci­as com as pes­so­as”, ana­li­sa a psi­có­lo­ga Mo­ni­ca Pes­sa­nha. O ob­je­ti­vo prin­ci­pal da te­ra­pia é ofe­re­cer ha­bi­li­da­des e vi­são que irão aju­dar a li­dar com a de­pres­são por meio de téc­ni­cas prá­ti­cas so­bre co­mo re­for­mu-

lar o pen­sa­men­to ne­ga­ti­vo e em­pre­gar ha­bi­li­da­des com­por­ta­men­tais. “O tra­ta­men­to tam­bém po­de tra­ba­lhar a raiz do dis­túr­bio, co­la­bo­ran­do pa­ra a com­pre­en­são do mo­ti­vo pe­lo qual a pes­soa se sen­te de de­ter­mi­na­da ma­nei­ra e quais os ga­ti­lhos de­sen­ca­dei­am su­as sen­sa­ções”, pon­tua a psi­có­lo­ga. A pro­fis­si­o­nal ain­da acres­cen­ta que, em ter­mos ge­rais, a te­ra­pia se con­cen­tra em três áre­as: re­la­ci­o­na­men­to (fa­mi­li­ar e tra­ba­lho), de­fi­ni­ção de li­mi­te (uma vez que ten­tar dar “pas­sos mai­o­res que as per­nas” po­de ser um de­sen­ca­de­a­dor da de­pres­são) e o mo­men­to de li­dar com os pro­ble­mas da vi­da (a ma­nei­ra com a qual de­ve­mos de­sen­vol­ver mai­or re­si­li­ên­cia). “Exis­tem mui­tos ti­pos dis­po­ní­veis e três mé­to­dos mais co­muns uti­li­za­dos no tra­ta­men­to, co­mo as te­ra­pi­as cog­ni­ti­vo-com­por­ta­men­tal, in­ter­pes­so­al e psi­co­di­nâ­mi­ca. Mui­tas ve­zes, uma abor­da­gem mis­ta é mais usa­da”, es­cla­re­ce Mo­ni­ca. Tan­to os sin­to­mas co­mo as cau­sas e a ma­nei­ra com a qual se en­fren­ta o dis­túr­bio são par­ti­cu­la­res, ca­da um pas­sa por es­se pe­río­do de um jei­to es­pe­cí­fi­co, e com as res­pos­tas ao tra­ta­men­to não é di­fe­ren­te. “Al­guns in­di­ví­du­os so­frem de de­pres­são clí­ni­ca tem­po­rá­ria e to­mam me­di­ca­men­tos por até 12 me­ses. Pa­ra ou­tros, é uma ba­ta­lha ao lon­go da vi­da, em que pi­cos da do­en­ça apa­re­cem com o tem­po”, as­si­na­la Mo­ni­ca. Em mui­tos ca­sos, o tra­ta­men­to, mi­nis­tra­do por meio de psi­co­te­ra­pi­as e tam­bém de me­di­ca­ções, mos­tra-se efi­caz, e o pa­ci­en­te po­de ser con­si­de­ra­do cu­ra­do. “A de­pres­são tem cu­ra, mas a pes­soa pre­ci­sa fi­car aten­ta pa­ra não rein­ci­dir e des­li­zar de vol­ta aos há­bi­tos som­bri­os, pois a ten­dên­cia per­ma­ne­ce. To­da cu­ra psí­qui­ca é um pro­ces­so de au­to­co­nhe­ci­men­to, e a des­co­ber­ta de ob­je­ti­vos de vi­da aju­da a anu­lar es­sa pre­dis­po­si­ção”, res­sal­ta Jú­lia.

TE­RA­PI­AS COMPLEMENTARES

Tu­do o que pu­der ser fei­to pa­ra ame­ni­zar os sin­to­mas da de­pres­são é bem-vin­do, in­clu­si­ve as te­ra­pi­as al­ter­na­ti­vas, ho­je cha­ma­das de complementares por au­xi­li­a­rem os tra­ta­men­tos con­ven­ci­o­nais. Con­fi­ra al­gu­mas op­ções!

• A ar­te da me­di­ta­ção

Es­sa téc­ni­ca vem sen­do ca­da vez mais usa­da de for­ma com­ple­men­tar ao tra­ta­men­to mé­di­co. “Na me­di­ta­ção, uti­li­za­mos a res­pi­ra­ção co­mo uma vi­ga mes­tra. Quan­do oxi­ge­nam-se as cé­lu­las ner­vo­sas, há uma al­te­ra­ção no hu­mor que nos faz sair do es­ta­do de inér­cia pa­ra uma mai­or pro­a­ti­vi­da­de”, ex­pli­ca a te­ra­peu­ta es­pe­ci­a­lis­ta em me­di­ta­ção Na­ra Lou­za­da. Por meio des­se pro­ce­di­men­to, é pos­sí­vel es­ti­mu­lar nos­so cé­re­bro pa­ra trans­for­mar a in­ter­pre­ta­ção de si­tu­a­ções do dia a dia. “A me­di­ta­ção atua na par­te fron­tal do cé­re­bro, on­de se si­tu­am a aten­ção e o fo­co, além de tra­ba­lhar o sis­te­ma lím­bi­co, res­pon­sá­vel pe­las ques­tões emo­ci­o­nais”, des­cre­ve Na­ra.

• Téc­ni­ca ori­en­tal

Ou­tra op­ção que sur­ge pa­ra au­xi­li­ar quem se en­con­tra num qua­dro depressivo é a acu­pun­tu­ra. De acor­do com o acu­pun­tu­ris­ta Ru­be­nil­do Cou­ti­nho, há dois me­ca­nis­mos por meio dos quais es­sa prá­ti­ca po­de ser útil. “Há o ener­gé­ti­co, que con­sis­te no equi­lí­brio dos ca­nais por on­de a ener­gia do cor­po trans­cor­re, e o fi­si­o­ló­gi­co, que li­be­ra subs­tân­ci­as anal­gé­si­cas, an­ti-in­fla­ma­tó­ri­as, re­la­xan­tes mus­cu­la­res, além de ter uma ação mo­du­la­do­ra so­bre as emo­ções e dis­túr­bi­os co­mo a de­pres­são e a an­si­e­da­de, ao es­ti­mu­lar a pro­du­ção de hormô­ni­os co­mo a se­ro­to­ni­na e a en­dor­fi­na”, es­cla­re­ce. Cou­ti­nho re­la­ta que a téc­ni­ca em­pre­ga­da in­clui es­tí­mu­los com agu­lhas ou la­ser em de­ter­mi­na­dos lo­cais da pe­le — os cha­ma­dos pon­tos de acu­pun­tu­ra — que são es­co­lhi­dos pa­ra tra­tar a de­pres­são.

• Aju­da da tec­no­lo­gia

Des­de 2012, a es­ti­mu­la­ção mag­né­ti­ca trans­cra­ni­a­na (EMT) é uma téc­ni­ca apro­va­da pe­lo Con­se­lho Fe­de­ral de Me­di­ci­na pa­ra aju­dar no tra­ta­men­to de pa­ci­en­te com de­pres­são e que não apre­sen­tam res­pos­ta sa­tis­fa­tó­ria com uso de te­ra­pi­as con­ven­ci­o­nais. A EMT é não in­va­si­va e in­do­lor, re­a­li­za­da com um ob­je­to se­me­lhan­te a um ca­pa­ce­te aco­pla­do à ca­be­ça do pa­ci­en­te, emi­tin­do pul­sos mag­né­ti­cos de ma­nei­ra fo­ca­li­za­da no cé­re­bro. As ses­sões du­ram 15 mi­nu­tos em mé­dia e o ob­je­ti­vo é re­du­zir os sin­to­mas da do­en­ça, po­den­do in­clu­si­ve sus­pen­der o uso de me­di­ca­men­tos. O pa­ci­en­te se man­tém acor­da­do e a téc­ni­ca é se­gu­ra, sem apre­sen­tar efei­tos co­la­te­rais, além de po­der ser usa­da tam­bém no tra­ta­men­to da es­qui­zo­fre­nia, an­si­e­da- de, trans­tor­no do pâ­ni­co, dor crô­ni­ca, en­tre ou­tros pro­ble­mas. Ou­tra fer­ra­men­ta que po­de aju­dar pa­ci­en­tes com de­pres­são e re­cen­te­men­te lan­ça­do no Bra­sil é o De­pre­xis, um soft­ware ba­se­a­do nos prin­cí­pi­os da te­ra­pia com­por­ta­men­tal cog­ni­ti­va (TCC) e que con­duz um diá­lo­go in­te­ra­ti­vo com os pa­ci­en­tes, na ten­ta­ti­va de des­per­tar o pra­zer de re­a­li­zar al­gu­mas ta­re­fas do dia a dia. O De­pre­xis po­de ser uti­li­za­do em dis­po­si­ti­vos com aces­so à in­ter­net, in­cluin­do smartpho­nes e ta­blets. Um es­tu­do pu­bli­ca­do em no­vem­bro de 2017 no Jour­nal of Af­fec­ti­ve Di­sor­ders mos­tra que o uso de um soft­ware co­mo fer­ra­men­ta com­ple­men­tar da psi­co­te­ra­pia po­de ser uma op­ção pro­mis­so­ra pa­ra o tra­ta­men­to da de­pres­são. As­sim, o De­pre­xis não de­ve subs­ti­tuir o tra­ta­men­to con­ven­ci­o­nal (com o uso de me­di­ca­men­tos ca­so ne­ces­sá­rio), e sim ser usa­do co­mo um com­ple­men­to pa­ra ace­le­rar a me­lho­ra dos sin­to­mas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.