Re­me­di­an­do o so­fri­men­to

Os an­ti­de­pres­si­vos po­dem ser uma saí­da efi­caz pa­ra quem pre­ci­sa su­pe­rar a de­pres­são, mas co­mo eles fun­ci­o­nam?

Mente Curiosa - - NEWS -

Ade­pres­são é um dos trans­tor­nos men­tais mais sé­ri­os que exis­tem, se­gun­do os ma­nu­ais de di­ag­nós­ti­co de do­en­ças psí­qui­cas. E, as­sim co­mo a mai­o­ria das do­en­ças, há ca­sos em que cer­tos re­mé­di­os são in­di­ca­dos pa­ra um tra­ta­men­to efi­ci­en­te. Tais me­di­ca­men­tos, quan­do re­cei­ta­dos e ad­mi­nis­tra­dos por um pro­fis­si­o­nal, atu­am no sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, ele­van­do os ní­veis de neu­ro­trans­mis­so­res e au­men­tan­do a ex­ci­ta­ção ce­re­bral. Ca­be ao psi­qui­a­tra de­fi­nir quais fár­ma­cos são os mais in­di­ca­dos em ca­da si­tu­a­ção, já que a in­ter­ven­ção mé­di­ca de­ve ser in­di­vi­du­a­li­za­da, le­van­do em con­si­de­ra­ção as con­di­ções clí­ni­cas de ca­da pa­ci­en­te.

Gran­de ofer­ta

Atu­al­men­te, de­ze­nas de clas­ses de re­mé­di­os an­ti­de­pres­si­vos são en­con­tra­dos no mer­ca­do. Há uma gran­de va­ri­e­da­de, pois ca­da gru­po apre­sen­ta di­fe­ren­tes me­ca­nis­mos de ação. “É co­mo se eu ti­ves­se vá­ri­os ti­pos de fer­ra­men­tas que pu­des­sem se adap­tar ao pro­ble­ma em ques­tão”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha. O pro­fis­si­o­nal com­ple­ta

des­ta­can­do a im­por­tân­cia des­sa di­ver­si­da­de, uma vez que, des­sa for­ma, o tra­ta­men­to tor­na-se mais per­so­na­li­za­do. “São le­va­dos em con­si­de­ra­ção as­pec­tos co­mo a ida­de, o pe­so cor­po­ral, a exis­tên­cia de uma do­en­ça sub­ja­cen­te e a pos­sí­vel uti­li­za­ção de ou­tros me­di­ca­men­tos de uso ge­ral”, apon­ta. En­tre es­sas clas­ses, as que se des­ta­cam são os an­ti­de­pres­si­vos tri­cí­cli­cos, mais efi­ca­zes em ca­sos de de­pres­são crô­ni­ca ou pro­fun­da; os ini­bi­do­res da mo­no­a­mi­na oxi­da­se (IMAOS), usa­dos pa­ra a de­pres­são mai­or e de lon­ga du­ra­ção; e os ini­bi­do­res se­le­ti­vos da re­cap­ta­ção de se­ro­to­ni­na (ISRS), uti­li­za­dos ape­nas em de­pres­são mo­de­ra­da.

Ris­cos me­no­res

Os ISRS, in­tro­du­zi­dos no mer­ca­do re­cen­te­men­te, se di­fe­ren­ci­am pe­lo fa­to de in­ter­vi­rem no au­men­to do ní­vel de se­ro­to­ni­na, en­quan­to os mais an­ti­gos fi­ca­ram co­nhe­ci­dos pe­la atu­a­ção nos sis­te­mas de no­ra­dre­na­li­na. “Em fun­ção do ris­co que po­dem tra­zer ao pa­ci­en­te, mes­mo que se­jam mui­to efi­ci­en­tes em al­guns ca­sos, os pri­mei­ros an­ti­de­pres­si­vos fo­ram gra­da­ti­va­men­te subs­ti­tuí­dos por me­di­ca­men­tos mais re­cen­tes, cu­jos ris­cos são mui­to me­no­res”, re­la­ta Ro­dri­go. Gra­ças a es­se me­nor pe­ri­go — e à gran­de di­fu­são que ti­ve­ram nas du­as úl­ti­mas dé­ca­das —, atu­al­men­te, os ISRS são os an­ti­de­pres­si­vos mais re­cei­ta­dos por mé­di­cos em di­ver­sos paí­ses. Is­so se de­ve, tam­bém, à di­ver­si­da­de de ca­rac­te­rís­ti­cas en­con­tra­das nos me­di­ca­men­tos des­sa clas­se. “A pa­ro­xe­ti­na, por exem­plo, é bas­tan­te se­da­ti­va, en­quan­to a ser­tra­li­na tem efei­to es­ti­mu­lan­te. Is­so vai ser van­ta­jo­so na es­co­lha do re­mé­dio ade­qua­do, fren­te às ca­rac­te­rís­ti­cas do pa­ci­en­te e do dis­túr­bio depressivo que ele tem”, re­la­ta o psi­qui­a­tra.

No­vos me­di­ca­men­tos

Di­fe­ren­te­men­te dos an­ti­de­pres­si­vos já ci­ta­dos, há al­guns anos co­me­ça­ram a sur­gir re­mé­di­os de ação pós-si­náp­ti­ca, co­mo o Vor­ti­o­xe­ti­na, que, se­gun­do o fa­bri­can­te, pos­sui efi­cá­cia “sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te su­pe­ri­or”. Além de­le, ou­tras subs­tân­ci­as — cri­a­das pa­ra ou­tros fins — vêm ga­nhan­do es­pa­ço no com­ba­te à de­pres­são. “Te­mos uma sé­rie de ou­tras op­ções de tra­ta­men­to que não usam an­ti­de­pres­si­vos, co­mo o car­bo­na­to de lí­tio, que é em­pre­ga­do co­mo um com­ple­men­to”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra Ro­dri­go Pes­sa­nha. Ou­tro exem­plo dis­so é a uti­li­za­ção de hormô­ni­os ti­re­oi­di­a­nos, mes­mo pa­ra pa­ci­en­tes que não apre­sen­tam hi­po­ti­re­oi­dis­mo. “Em al­guns ca­sos, tam­bém são usa­dos es­ti­mu­lan­tes do sis­te­ma ner­vo­so cen­tral, co­mo o me­til­fe­ni­da­to — co­nhe­ci­do aqui no Bra­sil co­mo Ri­ta­li­na — e, mais re­cen­te­men­te, vá­ri­os es­tu­dos fo­ram fei­tos a res­pei­to do uso do anes­té­si­co ce­ta­mi­na”, apon­ta. Es­sa subs­tân­cia, se­gun­do as pes­qui­sas, tem um efei­to “sur­pre­en­den­te­men­te rá­pi­do” no alí­vio dos sin­to­mas depressivos, além de apre­sen­tar re­la­ti­va me­lho­ra em re­la­ção às idei­as de sui­cí­dio, es­pe­ci­fi­ca­men­te. A psi­qui­a­tra Ma­ria Cris­ti­na de Ste­fa­no apon­ta que “os es­ta­bi­li­za­do­res do hu­mor e os me­di­ca­men­tos que controlam a an­si­e­da­de são uti­li­za­dos em con­jun­to, além dos neu­ro­lép­ti­cos e dos an­ti­con­vul­si­van­tes”.

Afi­nal, vi­cia?

Ape­sar da pres­cri­ção mé­di­ca, mui­tas pes­so­as di­ag­nos­ti­ca­das com de­pres­são têm re­ceio de ini­ci­ar o tra­ta­men­to à ba­se de re­mé­di­os. Tu­do por­que exis­te a ideia, no sen­so co­mum, de que an­ti­de­pres­si­vos cau­sam de­pen­dên­cia. Se­gun­do o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to, tal con­cei­to é um mi­to. “Co­mo

são tra­ta­men­tos lon­gos, fi­ca a sen­sa­ção de que vi­ci­am”, as­se­gu­ra. Um dos mo­ti­vos pa­ra es­sa ima­gem ne­ga­ti­va se dá pe­la uti­li­za­ção de an­si­o­lí­ti­cos no tra­ta­men­to à de­pres­são. Es­ses me­di­ca­men­tos têm a ca­pa­ci­da­de de con­tro­lar a an­si­e­da­de, in­du­zir o so­no e co­lo­car a pes­soa em es­ta­do hip­nó­ti­co. Se­gun­do a psi­qui­a­tra Ma­ria Cris­ti­na, os fár­ma­cos des­sa clas­se são em­pre­ga­dos ape­nas pe­lo tem­po ne­ces­sá­rio, já que “eles agem em neu­ro­trans­mis­so­res di­fe­ren­tes dos an­ti­de­pres­si­vos e di­mi­nu­em al­gu­mas das ati­vi­da­des dos neurô­ni­os”, sen­do ne­ces­sá­ri­os cui­da­dos mé­di­cos cons­tan­tes. “Eles pro­vo­cam sen­sa­ção de pra­zer e por is­so aca­bam vi­ci­an­do. As­sim, de­vem ser re­ti­ra­dos de for­ma gra­du­al pa­ra não pro­vo­car abs­ti­nên­cia e ou­tros pro­ble­mas”, aler­ta o neu­ro­ci­en­tis­ta Aris­ti­des Bri­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.