As pri­mei­ras pre­vi­sões

O há­bi­to de ob­ser­var os as­tros e es­tu­dar a in­fluên­cia de­les na vi­da das pes­so­as co­me­çou há mui­to tem­po e até ho­je é ob­je­to de es­tu­do e, prin­ci­pal­men­te, do in­te­res­se de mui­ta gen­te

Mente Curiosa - - NEWS -

Ho­je, é pos­sí­vel re­ce­ber a pre­vi­são diá­ria pa­ra ca­da sig­no na te­la do smartpho­ne. Bas­ta pre­en­cher um ca­das­tro pa­ra ter o ma­pa as­tral com­ple­to, ba­se­a­do na da­ta, lo­cal e ho­rá­rio de nascimento. Di­gi­tal­men­te, até com­bi­na­ções de sig­nos po­dem ser fei­tas (se­rá que aque­la pes­soa do sig­no de es­cor­pião com­bi­na co­mi­go, que sou de tou­ro?). Fi­cou mui­to fá­cil sa­ber que cor de rou­pa vo­cê de­ve ves­tir ho­je ou se a pró­xi­ma se­ma­na se­rá pro­pí­cia pa­ra fe­cha­men­tos de ne­gó­ci­os, mas, é cla­ro: não é de ho­je que tan­ta gen­te vai atrás das pre­vi­sões as­tro­ló­gi­cas. An­tes dis­so, e é um há­bi­to que per­ma­ne­ce até ho­je, es­sas pre­vi­sões eram

li­das nos jor­nais diá­ri­os, ou­vi­das nos rá­di­os e, pa­ra quem pre­fe­re al­go mais apro­fun­da­do, li­do em re­vis­tas e li­vros te­má­ti­cos. Vol­te al­guns sé­cu­los e as pre­vi­sões tam­bém es­tão pre­sen­tes, fei­tas pe­las ci­vi­li­za­ções da épo­ca por meio da ob­ser­va­ção do céu. Os pri­mei­ros in­dí­ci­os fí­si­cos da exis­tên­cia da Astrologia fo­ram en­con­tra­dos na Ba­bilô­nia, por vol­ta de 4.000 anos a.c., on­de pe­que­nas tá­bu­as com sím­bo­los as­tro­ló­gi­cos re­ve­la­ram que os es­tu­di­o­sos da épo­ca já con­se­gui­am efe­tu­ar com­pli­ca­dos cál­cu­los pa­ra pre­ver eclip­ses e sa­ber em que pe­río­dos os pla­ne­tas es­ta­ri­am re­tró­gra­dos. No en­tan­to, o in­te­res­se pe­lo que acon­te­ce no céu é ain­da mais an­ti­go. Des­de 15 mil anos an­tes de Cris­to, o ho­mem já ob­ser­va­va o Sol e a Lua. Na Cal­deia (re­gião sul da Me­so­po­tâ­mia, atu­al Ira­que, Sí­ria e Tur­quia), os as­trô­no­mos fi­ze­ram uma di­vi­são ima­gi­ná­ria do céu em três fai­xas e per­ce­be­ram que o Sol e a Lua cru­za­vam sem­pre as mes­mas cons­te­la­ções na fai­xa do meio. Sur­gia, en­tão, a pri­mei­ra no­ção de Zo­día­co. Quan­do a Me­so­po­tâ­mia foi in­va­di­da pe­los po­vos do nor­te, a in­fluên­cia dos pla­ne­tas co­me­çou a ser es­tu­da­da, sur­gin­do a pri­mei­ra Astrologia. O Sol e a Lua eram os as­tros prin­ci­pais e ser­vi­am de guia pa­ra os tra­ba­lha­do­res, co­mo os agri­cul­to­res. A Astrologia era usa­da em fun­ção do es­ta­do e da co­mu­ni­da­de.

Dis­se­mi­na­ção da cul­tu­ra

Por vol­ta de 640 a.c., um sa­cer­do­te cal­deu cha­ma­do Be­ro­so mu­dou-se pa­ra a Gré­cia e di­vul­gou os seus co­nhe­ci­men­tos de Astrologia, fun­dan­do uma es­co­la pa­ra en­si­ná-la. A par­tir daí, a Astrologia se dis­si­pou pe­la Gré­cia e foi Aris­tó­te­les quem fez a com­pa­ra­ção en­tre os qua­tro ele­men­tos (fo­go, ter­ra, ar e água) e o com­por­ta­men­to das pes­so­as. Os gre­gos tam­bém de­ter­mi­na­ram o sig­no as­cen­den­te, ba­se­a­do no ho­rá­rio de nascimento da pes­soa, e o cha­ma­ram de Ho­rós­co­po. Es­sa pa­la­vras sig­ni­fi­ca “ob­ser­vo aque­le que sur­ge”. Foi tam­bém na Gré­cia que se ini­ci­ou a co-

mer­ci­a­li­za­ção da Astrologia, uti­li­zan­do-a pa­ra aten­der ca­da in­di­ví­duo, e não mais o es­ta­do ou a co­mu­ni­da­de. A par­tir daí, ela foi se tor­nan­do mais po­pu­lar no mun­do to­do. Em Ro­ma, os ci­da­dãos con­sul­ta­vam a Astrologia an­tes de de­ci­dir ca­da um de seus pas­sos e al­guns lí­de­res pas­sa­ram a uti­li­zá-la pa­ra fins ilí­ci­tos. O im­pe­ra­dor Ti­bé­rio, por exem­plo, es­tu­da­va o ma­pa as­tral de pes­so­as im­por­tan­tes, ten­tan­do des­co­brir quem te­ria con­di­ções de subs­ti­tuí-lo e man­da­va ma­tá-las em se­gui­da.

No­vas con­tri­bui­ções

Os ára­bes fo­ram res­pon­sá­veis por se es­pe­ci­a­li­zar nas pre­vi­sões as­tro­ló­gi­cas. Al­bu­ma­za, fa­mo­so as­tró­lo­go de Bag­dá, dis­se em 800 d.c. que o mun­do co­me­çou quan­do os pla­ne­tas es­ta­vam ali­nha­dos em Ári­es e que ter­mi­na­ria em um ali­nha­men­to em Pei­xes. No Egi­to, os de­ca­na­tos, di­vi­são dos sig­nos em três par­tes iguais, ga­nha­ram for­ça. Já na Es­pa­nha, a Astrologia che­gou por meio dos ára­bes, mas era mui­to con­fu­sa, pois mis­tu­ra­va vá­ri­as tra­di­ções. Ela es­ta­va li­ga­da a ce­rimô­ni­as má­gi­cas, dei­xan­do de ser ba­si­ca­men­te ma­te­má­ti­ca pa­ra se tor­nar uma es­pé­cie de adi­vi­nha­ção, o que pre­ju­di­cou sua cre­di­bi­li­da­de ci­en­tí­fi­ca.

Astrologia x As­tro­no­mia

Por vol­ta do sé­cu­lo XVII, a Astrologia foi se­pa­ra­da da As­tro­no­mia, en­tran­do em de­clí­nio, e só vol­tou a se re­er­guer a par­tir do sé­cu­lo XIX, com es­tu­dos e pu­bli­ca­ções so­bre o as­sun­to. Ho­je, os as­tró­lo­gos de­fen­dem que a Astrologia po­de ser uma ci­ên­cia por se tra­tar de um co­nhe­ci­men­to or­ga­ni­za­do: ela se ba­seia em es­ta­tís­ti­cas. Afi­nal, as­sim co­mo um ci­en­tis­ta ob­ser­va um fa­to, for­mu­la hi­pó­te­ses e faz tes­tes que as con­fir­me, a Astrologia vem ob­ser­van­do ao lon­go de ge­ra­ções que, quan­do há o con­ta­to de cer­tos pla­ne­tas, ocor­rem determinados acon­te­ci­men­tos e que, quan­do cer­tos sig­nos es­tão em evi­dên­cia, as pes­so­as nas­ci­das nes­se pe­río­do ad­qui­rem ca­rac­te­rís­ti­cas es­pe­cí­fi­cas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.