O que mo­ve a men­te

Ter al­go em que acre­di­tar ser­ve co­mo um re­for­ço pa­ra con­se­guir o que se quer

Mente Curiosa - - NEWS -

Há quem con­su­ma ho­rós­co­po di­a­ri­a­men­te e até use uma rou­pa ama­re­la pa­ra atrair sor­te só por­que a pre­vi­são do dia in­di­cou a cor, ou olhe pa­ra os dois la­dos da rua com aten­ção re­do­bra­da por­que a di­ca era to­mar cui­da­do nas ru­as. Há tam­bém quem acre­di­te que astrologia é bo­ba­gem e não se ba­seie no ho­rós­co­po pa­ra to­mar uma ati­tu­de. Mas pou­ca gen­te re­sis­te a sol­tar um co­men­tá­rio quan­do o as­sun­to co­me­ça. Sa­be aque­la fra­se an­ti­ga: “Eu não acre­di­to em bru­xas, mas que elas exis­tem, exis­tem”? En­tão: mui­ta gen­te, mes­mo sem con­fi­ar nas pre­vi­sões, se vê len­do so­bre as ca­rac­te­rís­ti­cas do pró­prio sig­no. Mas afi­nal, por que, mes­mo sen­do re­ba­ti­da por tan­tos as­trô­no­mos, a astrologia con­ti­nua con­quis­tan­do tan­tas pes­so­as? Pa­ra al­guns psi­có­lo­gos, astrologia, nu­me­ro­lo­gia, qual­quer ou­tro ti­po de mis­ti­cis­mo ou mes­mo a re­li­gião, são cren­ças que aju­dam a pes­soa a bus­car res­pos­tas pa­ra per­gun­tas in­ter­nas. Elas fun­ci­o­nam co­mo um pro­ces­so te­ra­pêu­ti­co ou de co­a­ching. “No fun­do, qu­e­re­mos ter cer­te­za de que as nos­sas es­co­lhas do pas­sa­do fo­ram cer­tas, en­ten­der qual a me­lhor es­co­lha pa­ra o ago­ra ou até mes­mo sa­ber­mos co­mo se­rá no fu­tu­ro se se­guir­mos por um de­ter­mi­na­do ca­mi­nho. Qu­e­re­mos a cer­te­za, a se­gu­ran­ça, a con­fir­ma­ção”, des­ta­ca a psi­có­lo­ga e co­a­ch Isa­be­la Co­ti­an. Es­sas es­co­lhas, por­tan­to, já po­dem ter

si­do fei­tas, mas exis­te a ne­ces­si­da­de de que al­go “su­pe­ri­or” con­fir­me que foi a me­lhor op­ção, se­me­lhan­te ao que mui­ta gen­te pro­cu­ra nas re­li­giões, por exem­plo. São ma­nei­ras de des­ta­car o que já exis­te por den­tro, re­for­çar a cren­ça em si mes­mo e apren­der a ser re­si­li­en­te, ou se­ja, o mais im­por­tan­te é con­ser­var a fé. “Eu creio mui­to que a fé, se­ja em qual­quer re­li­gião, for­ta­le­ça a energia e a luz que exis­te den­tro de nós. Ter fé em Deus, na vi­da e em si mes­mo con­tri­bui com a po­si­ti­vi­da­de mes­mo di­an­te das ad­ver­si­da­des, com o fo­co mes­mo no meio do ca­sos, com a for­ça mes­mo di­an­te de tan­ta dor. A fé é a vir­tu­de que mais nos traz paz de es­pí­ri­to”, con­fir­ma a psi­có­lo­ga.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.