Não é só di­zer “obri­ga­do”

Mente Curiosa - - EDITORIAL/SUMÁRIO - Ma­ri­sa Sei, edi­to­ra ma­ri­sa.sei@as­tral.com.br

A pa­la­vra “gratidão” se po­pu­la­ri­zou nas re­des so­ci­ais. Por um tem­po, vi­rou até bo­tão de flor­zi­nha no Fa­ce­bo­ok e subs­ti­tuiu o sim­ples “obri­ga­do” em mui­tas si­tu­a­ções. Mas, se­rá que es­ses dois ter­mos apre­sen­tam al­gu­ma di­fe­ren­ça? E, o mais im­por­tan­te, se­rá que o que es­ta­mos di­zen­do e mos­tran­do na in­ter­net es­tá sen­do sen­ti­do, cum­pri­do, se­me­a­do? Bom, is­so vai de­pen­der de ca­da um. A ques­tão é: ter gratidão não é sim­ples­men­te di­zer “obri­ga­do”. Is­so faz par­te da edu­ca­ção, quan­do re­ce­be o fa­vor de al­guém, um pre­sen­te, ou até mes­mo agra­de­cer a for­ças su­pe­ri­o­res quan­do al­go de bom acon­te­ce na nos­sa vi­da. Gratidão, con­tu­do, é sen­tir-se bem com o que tem e com o que é e, a par­tir daí, bus­car sem­pre evo­luir. Vo­cê sa­bia que es­se sen­ti­men­to po­de até mo­di­fi­car o cé­re­bro? Pois, é. Res­pon­da: pe­lo que vo­cê é gra­to ho­je?

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.