NO VIRTUAL É VÁ­LI­DO?

A hash­tag #gratidão do­mi­na as re­des so­ci­ais. Até que pon­to o sen­ti­men­to é real?

Mente Curiosa - - EDITORIAL/SUMÁRIO -

Oter­mo “gratidão” é uma de­ri­va­ção de du­as pa­la­vras do la­tim: gra­tia – que sig­ni­fi­ca “fa­vor” – e gra­tus – “agra­dar”. O de­sen­vol­vi­men­to eti­mo­ló­gi­co man­te­ve a ideia re­la­ci­o­na­da a as­pec­tos co­mo bon­da­de, beleza de dar e re­ce­ber, re­tri­buir, par­ti­lhar, ser gen­til e ge­ne­ro­so. Con­for­me vis­to na ma­té­ria an­te­ri­or, a religião ga­ran­tiu uma vi­são mais sa­gra­da so­bre o te­ma e as­sim se­guiu por um bom tem­po, até que a in­ter­net o re­des­co­briu, po­pu­la­ri­zan­do-o e, de acor­do com al­guns crí­ti­cos, des­vir­tu­an­do a ver­da­dei­ra in­ten­ção de ser gra­to. Ou­tros pen­sam que a ideia per­ma­ne­ce a mes­ma, for­man­do o de­ba­te. No Fa­ce­bo­ok, o bo­tão de re­a­ção cri­a­do para o dia das mães em 2016 deu luz ao te­ma na re­de so­ci­al. No Ins­ta­gram, pos­ta­gens en­vol­ven­do a #gratidão, ou seu de­ri­va­do sem til, ul­tra­pas­sa­ram o nú­me- ro de 10 mi­lhões. A ver­são em in­glês – #gra­te­ful ou #gra­ti­tu­de – al­can­ça a mar­ca de 25 mi­lhões. Nú­me­ros que apon­tam para uma dis­po­si­ção dos usuá­ri­os a va­lo­ri­za­rem as coi­sas que têm ou ob­ti­ve­ram, com­par­ti­lhan­do a ex­pe­ri­ên­cia com quem os se­gue. Acon­te­ce que nem to­das es­sas ma­ni­fes­ta­ções de #gratidão apre­sen­tam de ma­nei­ra cla­ra aque­le sen­ti­do sa­gra­do de ou­tro­ra. Com is­so, o mo­vi­men­to é sa­ti­ri­za­do no mes­mo lo­cal on­de ga­nhou for­ça. Não é di­fí­cil de en­con­trar, nas re­des so­ci­ais, pen­sa­men­tos e de­sa­ba­fos mui­tas ve­zes sa­ti­ri­zan­do os agra­de­ci­men­tos. “Apa­ren­te­men­te, a fór­mu­la má­gi­ca pra apa­re­cer no ‘ex­plo­rar’ do Ins­ta­gram é bo­tar uma sun­ga, plan­tar uma ba­na­nei­ra e usar a hash­tag #gra­ti­dao”, es­cre­veu um usuá­rio do Twit­ter. Mes­mo as­sim, o tó­pi­co so­bre­vi­veu e per­ma­ne­ce fre­quen­te nas “ti­me­li­nes”.

É GRATIDÃO?

Mas, afi­nal, co­lo­car um #gratidão nas pos­ta­gens – se­ja de um al­mo­ço, fa­zen­do io­ga em ci­ma de uma pe­dra, abra­çan­do um ca­chor­ro ou uma cri­an­ça, em fren­te ao espelho da aca­de­mia – aca­ba di­luin­do o ver­da­dei­ro sen­ti­do da pa­la­vra gratidão? “O ter­mo nos é ca­ro, não é tão sim­ples as­sim en­con­trá-lo co­ti­di­a­na­men­te. É bom as pes­so­as de­se­ja­rem ter e re­ve­lar o que há de me­lhor em si pró­prio, prin­ci­pal­men­te se não for ape­nas uma ex­po­si­ção va­zia, mas uma bus­ca in­ter­na de co­nhe­ci­men­to”, observa Re­na­ta Ben­to, psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta. De acor­do com ela, mui­tos ca­sos nes­se mo­vi­men­to têm a ver com al­go co­mum no meio di­gi­tal: o fa­to de que­rer pa­re­cer o que não é. “Nas re­des so­ci­ais, mos­tra-se o que se es­pe­ra de si mes­mo ou dos ou­tros, o que nem sem­pre con­diz com a re­a­li­da­de”. Por ou­tro la­do, Mau­ri­cio Sou­to, pa­les­tran­te e au­tor do li­vro Ou­se Ser Gran­de, acre­di­ta ser ne­ces­sá­rio con­si­de­rar qual o sen­ti­men­to que acom­pa­nha a ex­pres­são #gratidão. “Se sim­ples­men­te es­ti­ver as­so­ci­a­da a uma emo­ção po­si­ti­va ou a mais uma pa­la­vra di­ta ‘da bo­ca para fo­ra’, re­al­men­te ela per­de o po­der trans­for­ma­dor. En­tre­tan­to, se es­ti­ver as­so­ci­a­da a um sen­ti­men­to de ale­gria pela con­quis­ta ou ob­ten­ção de al­gum êxi­to, es­ta­rá ex­pri­min­do ao Uni­ver­so uma pro­fun­da sen­sa­ção de bem-es­tar e fe­li­ci­da­de, ge­ran­do mais do mes­mo, is­to é, mais fe­li­ci­da­de”, ex­pli­ca.

PROPAGAR A PA­LA­VRA

Uti­li­zan­do bem ou não o sig­ni­fi­ca­do de #gratidão, Mau­ri­cio vê co­mo po­si­ti­vo abor­dar es­se te­ma nas re­des so­ci­ais, pois aca­ba ge­ran­do uma com­pul­são in­cons­ci­en­te para ex­pres­sar o sen­ti­men­to de ser gra­to, ge­ran­do mais ale­gria. “Em um mun­do on­de so­mos bom­bar­de­a­dos por pa­la­vras e ima­gens ne­ga­ti­vas e de violência, é im­por­tan­te re­pro­du­zir ter­mos ou ex­pres­sões po­si­ti­vas até que elas se ex­pres­sem no nos­so mun­do ex­te­ri­or. Co­mo se­ria in­te­res­san­te se es­cre­vês­se­mos to­dos os di­as as pa­la­vras gratidão, amor, com­pre­en­são, ca­ri­da­de, so­li­da­ri­e­da­de, per­se­ve­ran­ça...”, com­ple­men­ta o pa­les­tran­te e es­cri­tor. A ideia é com­par­ti­lha­da pela psi­ca­na­lis­ta Vir­gí­nia Ferreira: “Tra­ta-se de um fenô­me­no be­né­fi­co por pe­lo me­nos três mo­ti­vos: pri­mei­ro, por­que as pes­so­as es­tão, de for­ma cons­ci­en­te ou não, exer­ci­tan­do a prá­ti­ca; se­gun­do, por­que es­tão le­van­do ou­tras pes­so­as a pra­ti­car o agra­de­ci­men­to; e ter­cei­ro, por­que to­dos os fenô­me­nos nas re­des so­ci­ais têm uma abran­gên­cia mui­to gran­de e se es­pa­lham com a ve­lo­ci­da­de de um trem-ba­la”. Sen­ten­ças da­das por Vir­gí­nia e com­pro­va­das por nú­me­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.