EVO­LU­ÇÃO DO PRÓ­PRIO EU

Co­mo de­sen­vol­ver o pen­sa­men­to po­si­ti­vo

Mente Curiosa - - EDITORIAL/SUMÁRIO -

Aten­dên­cia do ser hu­ma­no é en­xer­gar ape­nas as li­mi­ta­ções que são co­lo­ca­das du­ran­te to­da a vi­da, pois as­sim fo­mos en­si­na­dos. Um exem­plo sim­ples é lem­brar-se de quan­do vo­cê mos­tra­va uma pro­va ou o bo­le­tim da es­co­la para os seus pais. Não adi­an­ta ne­gar: eles fo­ca­vam nas ques­tões que vo­cê er­rou e pou­cas ve­zes dis­cu­ti­am so­bre as ques­tões acer­ta­das. Ou se­ja, eles co­lo­ca­vam qua­se to­da a ener­gia no er­ro e, as­sim, vo­cê cres­ceu ori­en­ta­do a fo­car nos pon­tos ne­ga­ti­vos. Com o in­tui­to de mu­dar es­se pen­sa­men­to e de in­cen­ti­var o de­sen­vol­vi­men­to das ca­rac­te­rís­ti­cas po­si­ti­vas nos in­di­ví­du­os, apa­re­ceu nos anos 90, nos Es­ta­dos Uni­dos, a psi­co­lo­gia po­si­ti­va, por in­ter­mé­dio de Mar­tin Se­lig­man. Can­sa­do de es­tu­dar ca­sos de de­pres­são, o ex-pre­si­den­te da As­so­ci­a­ção Ame­ri­ca­na de Psi­co­lo­gia de­ci­diu se de­di­car a en­ten­der a ori­gem da fe­li­ci­da­de. Se­gun­do o au-

tor, em sua obra Fe­li­ci­da­de Au­tên­ti­ca, a ale­gria é al­go que de­ve ser cul­ti­va­do di­a­ri­a­men­te, com bom hu­mor, oti­mis­mo e gen­ti­le­za. De acor­do com a psi­có­lo­ga e pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Psi­co­lo­gia Po­si­ti­va, Re­na­ta Li­vra­men­to, “inú­me­ros es­tu­dos eram re­a­li­za­dos so­bre os trans­tor­nos men­tais, as do­en­ças, o so­fri­men- to, en­fim, so­bre os pro­ble­mas hu­ma­nos. As­sim, ele per­ce­beu que a psi­co­lo­gia sa­bia mui­to so­bre o que fa­zi­am os ca­sais bri­gar e não o que fa­zia os ca­sais fi­ca­rem jun­tos, por exem­plo”.

A IM­POR­TÂN­CIA DO PO­SI­TI­VO

“A psi­co­lo­gia po­si­ti­va po­de ser de­fi­ni­da co­mo a ci­ên­cia que es­tu­da a ex­pe­ri­ên­cia sub­je­ti­va po­si­ti­va, as po­ten­ci­a­li­da­des e vir­tu­des hu­ma­nas, e as ins­ti­tui­ções que pro­mo­vem a qua­li­da­de de vi­da, con­tri­buin­do para a com­pre­en­são e de­sen­vol­vi­men­to dos fa­to­res que per­mi­tem a pros­pe­ri­da­de dos in­di­ví­du­os e co­mu­ni­da­de”, ex­pli­ca a co­a­ch de saú­de e bem-es­tar, Sha­ron Fe­der. A psi­có­lo­ga Re­na­ta lem­bra ain­da que es­sa psi­co­lo­gia pro­põe um res­ga­te das três am­plas mis­sões da psi­co­lo­gia, as quais, após a 2ª Guer­ra Mun­di­al, vol­ta­ram-se qua­se que

to­tal­men­te para a pri­mei­ra. São elas: tra­tar as do­en­ças e o so­fri­men­to men­tal; de­sen­vol­ver as qua­li­da­des hu­ma­nas; e cui­dar para que as pes­so­as te­nham uma vi­da mais fe­liz. Uma das idei­as prin­ci­pais des­ta te­o­ria é a re­si­li­ên­cia, is­to é, o po­der hu­ma­no de se man­ter fir­me di­an­te das di­fi­cul­da­des, adap­tan­do-se a elas. Ins­pi­ra­da pela psi­co­lo­gia hu­ma­nis­ta, es­ta ver­ten­te pro­cu­ra que­brar os vín­cu­los que pren­dem ou con­di­ci­o­nam o pen­sa­men­to hu­ma­no a uma con­cep­ção ne­ga­ti­va so­bre a sua jor­na­da exis­ten­ci­al. A psi­co­lo­gia po­si­ti­va in­cen­ti­va o de­sen­vol­vi­men­to das ca­rac­te­rís­ti­cas po­si­ti­vas dos in­di­ví­du­os. “Não é ex­cluir as tris­te­zas, so­fri­men­tos e etc., tu­do is­so é im­por­tan­te na nos­sa vi­da, o que a gen­te pre­ci­sa é sa­ber li­dar com is­so”, lem­bra Re­na­ta. Tra­ta-se de um ra­mo da ci­ên­cia psi­co­ló­gi­ca que acre­di­ta que é pos­sí­vel iden­ti­fi­car, de­sen­vol­ver e cul­ti­var os me­ca­nis­mos ne­ces­sá­ri­os par a vi­ver de ma­nei­ra mais sa­tis­fa­tó­ria. “Es­ta ver­ten­te da psi­co­lo­gia es­tu­da, com o viés to­tal­men­te ci­en­tí­fi­co, prin­ci­pal­men­te te­mas co­mo: fe­li­ci­da­de, bem-es­tar, for­ça de ca­rá­ter, vir tu­des, li­de­ran­ça po­si­ti­vas, gratidão, per­sis­tên­cia, edu­ca­ção, etc. Ou se­ja, uma mu­dan­ça de olhar – ti­rar o fo­co no pro­ble­ma e co­lo­car no que há de po­si­ti­vo da vi­da”, res­sal­ta Re­na­ta.

AIN­DA NÃO SE CON­VEN­CEU?

Ao es­tu­dar as po­ten­ci­a­li­da­des, for­ças e vir­tu­des in­di­vi­du­ais, a psi­co­lo­gia po­si­ti­va des­per­ta o la­do po­si­ti­vo e lu­mi­no­so das pes­so­as. É pos­sí­vel aprender a usar es­sas for­ças para li­dar e mi­ni­mi­zar as fra­que­zas. Des­sa for­ma, as pes­so­as se sen­tem con­fi­an­tes e mo­ti­va­das a dar o seu me­lhor em to­das as si­tu­a­ções. “A gratidão faz a gen­te ce­le­brar o mo­men­to pre­sen­te, dar va­lor ao que tem, aju­da a di­mi­nuir as emo­ções ne­ga­ti­vas, a li­dar com o es­tres­se e aumenta a au­to­es­ti­ma”, co­men­ta Re­na­ta. Nas pa­la­vras de Se­lig­man, “o bem-es­tar não po­de exis­tir ape­nas na sua ca­be­ça: ele é uma com­bi­na­ção de sen­tir-se bem e efe­ti­va­men­te ter sen­ti­do, bons re­la­ci­o­na­men­tos e re­a­li­za­ção”. Es­sa bus­ca pela pro­mo­ção de me­lhor qua­li­da­de de vi­da, não se tra­ta do que co­nhe­ce­mos co­mo “pen­sa­men­to po­si­ti­vo”, tra­ta-se de uma abor­da­gem ci­en­tí­fi­ca so­bre o que tor­na a vi­da ple­na e fe­liz. Os be­ne­fí­ci­os des­se mo­vi­men­to para a saú­de são inú­me­ros. A co­a­ch Sha­ron co­men­ta que es­ses in­di­ví­du­os oti­mis­tas apre­sen­tam sis­te­mas imu­no­ló­gi­cos me­nos sus­ce­tí­veis à do­en­ça; são fí­si­ca e men­tal­men­te mais sau­dá­veis, in­cluin­do me­nor grau de es­tres­se; vi­vem mais; fre­quen­tam me­nos o pron­to-so­cor­ro; re­la­tam me­no­res ní­veis de dor e têm me­nos au­sên­ci­as no tra­ba­lho. A psi­có­lo­ga com­ple­ta lem­bran­do dos be­ne­fí­ci­os para o dia a dia do pró­prio in­di­ví­duo adep­to, por exem­plo, de­le ter mais ami­gos, re­la­ci­o­na­men­tos mais sig­ni­fi­ca­ti­vos, tende a tra­ba­lhar com o que ama, pro­du­zir mais con­teú­do com me­nos des­gas­tes, ne­go­ci­ar me­lhor, ser me­lhor com­pa­nhei­ro, tende a ter re­la­ções mais es­tá­veis. “As pes­so­as fe­li­zes, que

de­sen­vol­ve­ram as su­as qua­li­da­des, ten­dem a ser mais ge­ne­ro­sas, do­a­rem mais para a ca­ri­da­de, a se­rem mais gra­tas. Aju­dam as pes­so­as a se­rem me­lho­res: para elas, para os re­la­ci­o­na­men­tos, e me­lho­res para o mun­do”, fi­na­li­za.

PRATIQUE NO SEU DIA A DIA

Co­mo fa­la­mos, a psi­co­lo­gia po­si­ti­va in­cen­ti­va o de­sen­vol­vi­men­to das ca­rac­te­rís­ti­cas po­si­ti­vas dos in­di­ví­du­os. As­sim, para aju­dar vo­cê a se tor­nar uma pes­soa mais oti­mis­ta e po­si­ti­va, a co­a­ch Sha­ron Fe­der e a psi­có­lo­ga e pre­si­den­te do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Psi­co­lo­gia Po­si­ti­va, Re­na­ta Li­vra­men­to, dão di­cas sim­ples, rá­pi­das e efi­ca­zes para vo­cê pra­ti­car no seu dia a dia:

• En­quan­to es­co­va os den­tes an­tes de dor­mir, pen­se nos três me­lho­res mo­men­tos do seu dia. Ge­ral­men­te, no fi­nal do dia pen­sa­mos nas pen­dên­ci­as, n os mo­men­tos di­fí­ceis e es­tres­san­tes. Ao in­vés dis­so, de­ve­mos fo­car nos acon­te - ci­men­tos positivos – um ges­to, um sor­ri­so, uma con­quis­ta.

• Se­pa­re itens que tra­ga bo­as lem­bran­ças para vo­cê em uma cai­xa de me­mó­ri­as – in­gres­sos, ca­ne­tas, ras­cu­nhos, fotos e etc. Ao lon­go do mês, pro­cu­re vi­si­tar es­sa cai­xa para se sen­tir gra­to e lem­brar-se das coi­sas le­gais que vi­veu. •Co­me­mo­re su­as con­quis­tas! Sem­pre que­ba te ru­ma me­ta, ul­tra­pas­sar al­gu­ma di­fi­cul­da­de ou so­bre­vi­ve­ra um dia di­fí­cil, co­me­mo­re d afor­ma que vo­cê qui­ser.Émuit oim por­tan­te ce­le­bra ras­pe­que­nas con­quis­tas do dia adia.

• Es­cre­va cartas de gratidão: pen­se em uma pes­soa que fez al­go para vo­cê e es­cre­va acar ta­pa­ra agra­de­cer. Co­lo­que­no pa­pel não só oque ela­te fez, mas tam­bém o que te fez sen­tir, co­mo is­so foi im­por­tan­te para vo­cê – po­de ser uma coi­sa sim­ples ou enor­me, não im­por­ta, o re­sul­ta­do vai ser o mes­mo. Em se­gui­da, a me­lhor op­ção e tam­bém amais “po­der osa” éav isi­ta de­gra ti­dão–vo­cê vaià ca­sa de­la e diz que quer ler uma car­ta. Is­so tor­na o exer­cí­cio mais po­ten­te. Vo­cê vai per­ce - ber que as du­as par­tes sa­em ga­nhan­do, tan­to apes­soa que faz, co­mo tam­bém a que re­ce­be, pois apes­soa se sen­te re­co­nhe­ci­da, nota o quan­to ela foi im­por­tan­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.