CA­MI­NHO DA FE­LI­CI­DA­DE

Mente Curiosa - - NEWS -

Por ati­var o sis­te­ma de recompensas e, con­se­quen­te­men­te, de­sen­ca­de­ar em uma sen­sa­ção de bem-es­tar por meio da li­be­ra­ção de do­pa­mi­na e se­ro­to­ni­na, mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas in­di­cam que a gratidão le­va à fe­li­ci­da­de. Mas en­ga­na-se quem pen­sa que es­sa é uma vi­são ex­clu­si­va da neu­ro­ci­ên­cia. Uma pa­les­tra da con­fe­rên­cia TED, de 2013, fi­cou mun­di­al­men­te co­nhe­ci­da por mos­trar os be­ne­fí­ci­os de ser gra­to. O mon­ge be­ne­di­ti­no Da­vid Stein­dl-rast, que há anos vem di­vul­gan­do sua men­sa­gem de gratidão, nos lem­bra que pra­ti­ca­men­te to­das as pes­so­as – in­de­pen­den­te de cul­tu­ra, et­nia, cre­do ou pro­fis­são – pos­su­em al­go pro­fun­do em co­mum: o de­se­jo de ser fe­liz. E, ain­da, in­di­ca que o ca­mi­nho mais fá­cil e ime­di­a­to para a fe­li­ci­da­de é a gratidão.

“A gratidão ati­va a li­be­ra­ção de do­pa­mi­na, en­vol­vi­da no sen­ti­men­to de recompensa. Ele­va tam­bém a se­ro­to­ni­na, que nos faz de­sen­vol­ver o al­to-as­tral. O re­sul­ta­do é im­ba­tí­vel: a gratidão nos dei­xa bem por mui­tas ho­ras” Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.