Sem me­do de se EXPRESSAR

A timidez po­de vi­rar fo­bia se não do­mi­na­da. Ve­ja co­mo é pos­sí­vel su­pe­rá-la

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Quem nun­ca pas­sou por al­gum des­con­for­to ou si­tu­a­ção de­sa­gra­dá­vel na ho­ra de ter que fa­lar em pú­bli­co? Em mai­or ou me­nor grau, to­dos so­mos tí­mi­dos, uma vez que a re­a­ção é na­tu­ral do com­por­ta­men­to hu­ma­no e es­tá li­ga­da ao ins­tin­to de pro­te­ção. Mas es­se aca­nha­men­to não po­de ge­rar blo­quei­os que im­pe­çam a vi­vên­cia, pois, quan­do ultrapassa al­guns li­mi­tes, exis­te o ris­co de si­na­li­zar uma fo­bia.

DE­FE­SA EMO­CI­O­NAL

É na­tu­ral do ser hu­ma­no a bus­ca por pro­te­ção di­an­te de qual­quer si­tu­a­ção es­tra­nha em que se en­con­tre. O ris­co imi­nen­te de uma mor­te sim­bó­li­ca, re­pre­sen­ta­da por so­fri­men­to ou ne­ga­ção pro­vin­dos do jul­ga­men­to ex­ter­no, ge­ra re­a­ções de de­fe­sa pa­ra ga­ran­tir o bem-es­tar e a se­gu­ran­ça emo­ci­o­nal. Quan­do se tra­ta de si­tu­a­ções que en­vol­vem o con­ta­to com ou­tras pes­so­as, a pri­mei­ra for­ma de pro­te­ção es­pon­tâ­nea é a timidez. Con­si­de­ra­da um es­ta­do com­por­ta­men­tal de ini­bi­ção da ação, ge­ra sin­to­mas de des­con­for­to que per­mi­tem um re­cuo a fim de ga­ran­tir a in­te­gri­da­de psi­co­ló­gi­ca.

SUANDO FRIO

No pri­mei­ro con­ta­to com es­tra­nhos ou quadros so­ci­ais não ha­bi­tu­ais, o cor­po responde com ten­são mus­cu­lar, su­do­re­se e le­ve ini­bi­ção das ações, prin­ci­pal­men­te da fa­la. Tra­ta-se de uma de­mons­tra­ção de timidez na­tu­ral. Com o tem­po, a as­si­mi­la­ção da si­tu­a­ção de ris­co e a apro­xi­ma­ção com a pes­soa que, até en­tão, se des­co­nhe­cia re­du­zem es­ses sin­to­mas. A ori­gem des­sa re­a­ção de pro­te­ção, co­mo co­men­ta a psi­có­lo­ga clí­ni­ca Ka­tia Hor­packzy, é a in­se­gu­ran­ça e ver­go­nha de si. O mo­do co­mo a pes­soa li­da com is­so e se acei­ta de­fi­ne o grau das res­pos­tas psi­co­ló­gi­cas e or­gâ­ni­cas. A ina­bi­li­da­de em li­dar com a ima­gem pes­so­al po­de fa­zer com que a timidez se am­pli­fi­que. De uma cau­te­la emo­ci­o­nal po­de se trans­for­mar em fo­bia so­ci­al. Al­te­ra­ção na res­pi­ra­ção, tre­mo­res for­tes e des­mai­os ao ter de li­dar com ou­tras pes­so­as, além de um mo­vi­men­to de iso­la­men­to, po­dem apontar a ne­ces­si­da­de de aju­da pro­fis­si­o­nal pa­ra tra­tar a timidez ex­ces­si­va.

ME­DO QUE BLOQUEIA

Quan­do a de­fe­sa emo­ci­o­nal pe­ran­te o pú­bli­co, ou o pal­co, pas­sa a ser um obs­tá­cu­lo in­trans­po­ní­vel, po­de sig­ni­fi­car um trans­tor­no cha­ma­do glos­so­fo­bia. As­sim co­mo ou­tras fo­bi­as, ela limita a ação do in­di­ví­duo, traz so­fri­men­to e im­pe­de uma vi­vên­cia sau­dá­vel. A ori­gem des­se me­do pa­to­ló­gi­co ain­da não é co­nhe­ci­da, co­mo ex­pli­ca a psi­co­te­ra­peu­ta Po­e­ma Ribeiro, que com­ple­men­ta ar­gu­men­tan­do: “o que po­de­mos in­ves­ti­gar são os pos­sí­veis even­tos trau­má­ti­cos que te­nham si­do ga­ti­lhos dis­pa­ra­do­res pa­ra es­se te­mor de ex­po­si­ção pú­bli­ca”. As­sim co­mo a timidez,

es­sa fo­bia es­tá li­ga­da à bai­xa au­to­es­ti­ma e pro­fun­da in­se­gu­ran­ça. Por mais que o in­di­ví­duo domine o as­sun­to a ser abor­da­do ou que te­nha os re­qui­si­tos pa­ra um pro­ces­so se­le­ti­vo, es­ses pon­tos de me­do res­trin­gem o su­jei­to. Há me­di­ca­men­tos que po­dem ser in­di­ca­dos por es­pe­ci­a­lis­tas pa­ra con­tro­lar a si­tu­a­ção. Po­rém, as chan­ces de se en­con­trar um fim pa­ra a glos­so­fo­bia es­tão na te­ra­pia, já que “po­de tra­tar os trau­mas que le­va­ram a pes­soa a es­se pon­to de blo­queio da ex­pres­são”, afir­ma Po­e­ma Ribeiro.

SEM AMARRAS PA­RA FA­LAR

A glos­so­fo­bia, por mais que se ca­rac­te­ri­ze co­mo o me­do ex­tre­mo de fa­lar em pú­bli­co ou de en­fren­tar pal­cos, vai mui­to além de não con­se­guir dar pa­les­tras ou fa­zer apre­sen­ta­ções. Seus da­nos in­ter­fe­rem em mui­tos âm­bi­tos da vi­da. Ter que pas­sar por uma en­tre­vis­ta de em­pre­go, ex­por um tra­ba­lho na fa­cul­da­de ou par­ti­ci­par de gru­pos so­ci­ais é um de­sa­fio pa­ra quem pos­sui es­se qu­a­dro. Dei­xar de vi­ver es­sas ex­pe­ri­ên­ci­as é gra­ve e com­pro­me­te o cres­ci­men­to pes­so­al, pro­fis­si­o­nal e até emo­ci­o­nal do in­di­ví­duo. Tra­tar a timidez ex­ces­si­va e a fo­bia de fa­lar em pú­bli­co são ati­tu­des es­sen­ci­ais pa­ra uma me­lho­ra na qua­li­da­de de vi­da. As­sim, a su­pe­ra­ção per­mi­te que o su­jei­to tro­que ex­pe­ri­ên­ci­as com ou­tras pes­so­as, ex­pres­se-se com mais li­ber­da­de e es­te­ja dis­po­ní­vel emo­ci­o­nal­men­te pa­ra si­tu­a­ções so­ci­ais.

FON­TES Fenô­me­nos mnê­mi­cos e re­cal­que: co­la­bo­ra­ções pa­ra uma te­o­ria da me­mó­ria. Ado­nai Es­tre­la Me­dra­do. 2010.; O con­cei­to de me­mó­ria na obra Freu­di­a­na: breves ex­pla­na­ções. Pâ­me­la Pi­tá­go­ras Frei­tas Lima Fer­ra­ri­ni e Lí­via Diana Ro­cha Ma­ga­lhães. 2014 | CONSULTORIAS Ri­ta Ca­le­ga­ri, psi­có­lo­ga da Re­de de Hos­pi­tais São Ca­mi­lo de São Pau­lo; Mar­ce­lo Ka­taya­ma, mé­di­co ci­rur­gião, te­ra­peu­ta e ins­tru­tor de trei­na­men­tos do Nú­cleo Ser; Ga­bri­e­la Co­sen­dey, psi­có­lo­ga clí­ni­ca | FO­TOS is­tock/getty Ima­ges

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.