Um tur­bi­lhão de emo­ções

Mente Curiosa - - EDITORIAL - Ma­ri­sa Sei, edi­to­ra ma­ri­sa.sei@as­tral.com.br

A bi­po­la­ri­da­de mui­tas ve­zes é as­so­ci­a­da a mu­dan­ças de hu­mor: uma pes­soa que es­tá ale­gre e de re­pen­te fi­ca tris­te, ou que es­tá com rai­va e do na­da se tor­na ca­ri­nho­sa. Po­rém, nem sem­pre as al­te­ra­ções de emo­ções acon­te­cem em um mes­mo dia. No início da do­en­ça e em ca­sos le­ves, elas são mui­to su­tis e po­dem ser con­fun­di­das, por quem es­tá pró­xi­mo, com uma de­pres­são le­ve que, de uma ho­ra pa­ra a ou­tra, foi cu­ra­da. Aliás, não é in­co­mum que o trans­tor­no bi­po­lar se­ja di­ag­nos­ti­ca­do co­mo de­pres­são - os tra­ta­men­tos dos dois dis­túr­bi­os, po­rém, são di­fe­ren­tes e é aí que en­tra o pro­ble­ma. Vo­cê po­de acre­di­tar que há al­guém bi­po­lar ao seu la­do que na ver­da­de não é, mas tam­bém po­de ter al­guém bi­po­lar en­tre pes­so­as pró­xi­mas e nem ima­gi­nar. Nes­ta edi­ção, va­mos ten­tar es­cla­re­cer um pou­co so­bre o que é es­sa do­en­ça de que tan­ta gen­te fa­la - mas que cau­sa mui­tas con­fu­sões.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.