Hu­mor AL­TE­RA­DO

En­ten­da o que é o trans­tor­no bi­po­lar e co­mo ele afe­ta o cé­re­bro dos pa­ci­en­tes

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Van Gogh, Ed­gar Al­lan Poe, Ri­ta Lee, Brit­ney Spe­ars e De­mi Lo­va­to: o que es­sas per­so­na­li­da­des fa­mo­sas têm em co­mum? Além do ta­len­to pa­ra as artes, elas fo­ram di­ag­nos­ti­ca­das com trans­tor­no afe­ti­vo bi­po­lar, atu­al­men­te co­nhe­ci­do co­mo trans­tor­no do es­pec­tro bi­po­lar. O dis­túr­bio pos­sui re­la­tos da­ta­dos das ci­vi­li­za­ções gre­co-ro­ma­na e foi des­cri­to em per­so­na­gens bí­bli­cos, co­mo o Rei Saul, rei de Israel pre­sen­te no an­ti­go tes­ta­men­to, e tam­bém em mi­to­ló­gi­cos, co­mo em Ilía­da, de Ho­me­ro. Ho­je ele é identificado, pela Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS), co­mo uma das prin­ci­pais

cau­sas da re­du­ção do tem­po de saú­de e vi­da da po­pu­la­ção en­tre 15 e 44 anos, afe­tan­do cer­ca de 254 mi­lhões de pes­so­as ao re­dor do mun­do.

MU­DAN­ÇAS ACENTUADAS

Acor­dar ani­ma­do e, ao lon­go do dia, per­der o en­tu­si­as­mo ou ficar cha­te­a­do. Ao con­trá­rio do que mui­tas pes­so­as po­dem pen­sar, is­so não é, ne­ces­sa­ri­a­men­te, um si­nal de bi­po­la­ri­da­de. “Con­tra­di­zen­do a cren­ça po­pu­lar na qual o pa­ci­en­te bi­po­lar apre­sen­ta al­te­ra­ções rápidas de hu­mor, o trans­tor­no po­de, sim­pli­fi­ca­da­men­te, ser ex­pli­ca­do co­mo uma pa­to­lo­gia em que o pa­ci­en­te pos­sui al­te­ra­ções ex­tre­mas de hu­mor du­ran­do pe­río­dos lon­gos”, ex p li c a o mé­di - co es­pe­ci­a­lis­ta em psiquiatria Bri­an Bel­lan­di. Tra­ta- se, en­tão, de um dis­túr­bio em que o pa­ci­en­te va­ria de um es­ta­do de­pres­si­vo a um es­ta­do ma­nía­co ou hi­po­ma­nía­co. O es­ta­do ma­nía­co ca­rac­te­ri­za-se por uma eu­fo­ria que ge­ra com­por­ta­men­tos exa­ge­ra­dos, sen­do até mes­mo pe­ri­go­so em al­guns ca­sos, já o hi­po­ma­nía­co, vis­to co­mo uma for­ma mais bran­da da ma­nia. A du­ra­ção des­sas cir­cus­tân­ci­as, de­pen­den­do do pa­ci­en­te e ti­po do trans­tor­no, po­de ser de di­as ou até mes­mo anos.

NO CÉ­RE­BRO

Ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de da Ca­li­fór­nia do Sul, nos Es­ta­dos Uni­dos, re­a­li­za­ram a mai­or aná­li­se ce­re­bral que se tem até ho­je em re­la­ção aos pa­ci­en­tes aco­me­ti­dos pe­lo dis­túr­bio. Os pes­qui­sa­do­res reu­ni­ram in­for­ma­ções do mun­do in­tei­ro e re­a­li­za­ram var­re­du­ras ce­re­brais pa­ra ma­pe­ar o cé­re­bro bi­po­lar. Com a aju­da de apa­re­lhos de res­so­nân­cia ele­tro­mag­né­ti­ca, fo­ram analisados cer­ca de 6.500 cé­re­bros de vo­lun­tá­ri­os, nos quais apro-

xi­ma­da­men­te 2.445 pos­suíam o trans­tor­no. A aná­li­se de­tec­tou re­du­ção de mas­sa cin­zen­ta na re­gião fron­tal, res­pon­sá­vel, en­tre ou­tras fun­ções, pe­lo con­tro­le da ini­bi­ção, e na re­gião tem­po­ral, que con­tro­la a mo­ti­va­ção. Ape­sar de nem to­dos os pa­ci­en­tes se­gui­rem es­se pa­drão, a mé­dia dos pa­ci­en­tes com o dis­túr­bio ten­de a pos­suir anor­ma­li­da­de es­tru­tu­ral nas re­giões fron­tais do cé­re­bro en­vol­vi­das no au­to­con­tro­le. Is­so ex­pli­ca­ria, por­tan­to, al­guns dos sin­to­mas ma­nía­cos da do­en­ça. Al­te­ra­ções no sis­te­ma lím­bi­co, co­nhe­ci­do co­mo o cen­tro das emo­ções ce­re­brais, tam­bém fo­ram de­tec­ta­das. Per­ce­beu-se uma re­du­ção do te­ci­do ce- re­bral nes­sa re­gião li­ga­da a sen­ti­men­tos co­mo tris­te­za e im­po­tên­cia, in - for­ma­ção que t am­bém for a per­ce­bi­da du - r an­te u m es - tu­do re­a­li­za­do pe­los pes­qui­sa­do­res so­bre de­pres­são. Ape­sar de ain­da não exis­tir to­tal co­nhe­ci­men­to so­bre o que ocor­re do pon­to de vis­ta neu­ro­ci­en­tí­fi­co, acre­di­ta-se que al­guns neurô­ni­os pro­du­zem quan­ti­da­des “er­ra­das” de neu­ro­trans­mis­so­res co­mo o glu­ta­ma­to, do­pa­mi­na e se­ro­to­ni­na, que es­ti­mu­lam ou ini­bem o fun­ci­o­na­men­to de de­ter­mi­na­das áre­as ce­re­brais. “A di­mi­nui­ção de do­pa­mi­na e se­ro­to­ni­na, por exem­plo, po­de pro­por­ci­o­nar sin­to­mas de­pres­si­vos ao pa­ci­en­te. Já o au­men­to de ou­tros neu­ro­trans­mis­so­res (co­mo o glu­ta­ma­to, a do­pa­mi­na e a no­ra­dre­na­lia) em uma área co­nhe­ci­da co­mo ‘subs­tân­cia re­ti­cu­lar ati­va­do­ra as­cen­den­te’ pro­por­ci­o­na au­men­to da ener­gia e di­mi­nui­ção do so­no”, de­ta­lha Bri­an.

“O trans­tor­no po­de ser ex­pli­ca­do co­mo uma pa­to­lo­gia na qual o pa­ci­en­te pos­sui al­te­ra­ções ex­tre­mas de hu­mor du­ran­do pe­río­dos lon­gos” Bri­an Bel­lan­di, mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em psiquiatria

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.