De vol­ta ao EQUI­LÍ­BRIO

O tra­ta­men­to me­di­ca­men­to­so de­vol­ve a tran­qui­li­da­de ao pa­ci­en­te, mas é pre­ci­so man­tê-lo com ori­en­ta­ção e ali­a­do à psi­co­te­ra­pia

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Con­vi­ver com o trans­tor­no bi­po­lar não é ta­re­fa fá­cil, pois a bi­po­la­ri­da­de afe­ta e mui­to a vi­da do pa­ci­en­te e po­de ter vá­ri­as con­sequên­ci­as, acar­re­tan­do prejuízos que po­dem du­rar anos pa­ra se­rem re­pa­ra­dos. Por is­so, de­pois de di­ag­nos­ti­ca­da por um pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­li­za­do, a pes­soa com bi­po­la­ri­da­de de­ve­rá ini­ci­ar um tra­ta­men­to que, na mai­or par­te das ve­zes, é re­a­li­za­do com medicamentos es­pe­cí­fi­cos pa­ra ca­da ti­po de ca­so. Mui­tos des­ses medicamentos es­tão dis­po­ní­veis pa­ra o tra­ta­men­to da do­en­ça, e ca­da pes­soa res­pon­de de uma for­ma di­fe­ren­te a um de­ter­mi­na­do ti­po de re­mé­dio. Por is­so, com a re­co­men­da­ção cor­re­ta, é ne­ces­sá­rio ten­tar vá­ri­as me­di­ca­ções pa­ra en­con­trar uma que tra­te os sin­to­mas, mas que te­nha o me­nor nú­me­ro de efei­tos ou de des­con­for­tos pa­ra o pa­ci­en­te. “Os medicamentos usa­dos in­clu­em an­ti­de­pres­si­vos, es­ta­bi­li­za­do­res do hu­mor, an­tip­si­có­ti­cos, tran­qui­li­zan­tes, en­tre ou­tros, que são usa­dos iso­la­dos ou

as­so­ci­a­da­men­te, de­pen­den­do do ar­ran­jo sin­to­má­ti­co, da sen­si­bi­li­da­de do pa­ci­en­te aos efei­tos co­la­te­rais, das con­di­ções de su­por­te da fa­mí­lia e dos ami­gos, dos mo­ti­va­do­res exis­ten­ci­ais e do con­tex­to vi­tal/exis­ten­ci­al do pa­ci­en­te”, ex­pli­ca o psi­qui­a­tra San­der Fri­ed­man.

AN­TIP­SI­CÓ­TI­COS

Vá­ri­os são os medicamentos an­tip­si­có­ti­cos atí­pi­cos usa­dos no tra­ta­men­to dos sin­to­mas de trans­tor­no bi­po­lar. Po­rém, na mai­or par­te das ve­zes, es­ses an­tip­si­có­ti­cos são uti­li­za­dos em con­jun­to com ou­tros medicamentos. Uma pes­qui­sa da Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, na In­gla­ter­ra, mos­trou que es­se ti­po de me­di­ca­men­to po­de ser bas­tan­te efi­caz pa­ra aju­dar a es­ta­bi­li­zar os sin­to­mas bi­po­la­res e con­tro­lar os sin­to­mas de ma­nia sú­bi­ta e per­ma­nen­te.

SYMBYAX

Es­se re­mé­dio é uma com­bi­na­ção de dois medicamentos, a olan­za­pi­na e o clo­ri­dra­to de flu­o­xe­ti­na, pres­cri­tos pa­ra o tra­ta­men­to, a cur­to pra­zo, dos epi­só­di­os de­pres­si­vos que aco­me­tem os pa­ci­en­tes com trans­tor­no bi­po­lar. Os efei­tos co­la­te­rais po­dem ser: do­res de ca­be­ça, dor de gar­gan­ta, au­men­to de pe­so, in­cha­ço, insô­nia e di­fi­cul­da­des se­xu­ais.

LÍTIO

É um ti­po de me­di­ca­men­to co­nhe­ci­do por ser um agen­te an­ti­ma­nía­co, pro­por­ci­o­nan­do a di­mi­nui­ção de ati­vi­da­des anor­mais no cé­re­bro. Pa­ci­en­tes com trans­tor­no usam o lítio pa­ra man­ter o hu­mor es­tá­vel e pre­ve­nir os es­ta­dos de ex­tre­mos al­tos e bai­xos. Mas o me­di­ca­men­to po­de pro­vo­car al­guns efei­tos co­la­te­rais que in­clu­em agi­ta­ção, per­da de ape­ti­te, pro­ble­mas gas­troin­tes­ti­nais, per­da de ca­be­lo e do­res mus­cu­la­res ou nas ar­ti­cu­la­ções. Nos ca­sos mais ra­ros, os efei­tos co­la­te­rais po­dem ser mais gra­ves, co­mo con­vul­sões, ba­ti­men­tos car­día­cos rá­pi­dos ou ir­re­gu­la­res, fa­la ar­ras­ta­da, alu­ci­na­ções, erup­ção cu­tâ­nea ou in­cha­ço de vá­ri­as par­tes do cor­po. Por is­so, re­co­men­da-se que se­jam fei­tos exa­mes de san­gue re­gu­lar­men­te a fim de ve­ri­fi­car os pos­sí­veis pro­ble­mas de ti­rói­de e de rim por cau­sa da uti­li­za­ção do re­mé­dio.

AN­TI­DE­PRES­SI­VOS

Os an­ti­de­pres­si­vos não cos­tu­mam ser pres­cri­tos so­zi­nhos pa­ra o tra­ta­men­to da do­en­ça bi­po­lar, uma vez que não di­mi­nu­em os sin­to­mas de ma­nia, po­rém, po­dem ser uti­li­za­dos em con­jun­to com um es­ta­bi­li­za­dor do hu­mor. Tal fa­to se dá de­vi­do ao ris­co que se tem de o pa­ci­en­te de­sen­ca­de­ar ma­nia, bem co­mo po­de ha­ver um au­men­to da frequên­cia dos epi­só­di­os ma­nía­cos e de­pres­si­vos. Os efei­tos co­la­te­rais mais co­muns são dor de ca­be­ça, náu­se­as e dis­túr­bi­os do so­no, in­cluin­do insô­nia ou so­no­lên­cia e agi­ta­ção.

ANTICONVULSIVOS

Os anticonvulsivos são uti­li­za­dos co­mo es­ta­bi­li­za­do­res de hu­mor pa­ra o tra­ta­men­to da bi­po­la­ri­da­de. Os efei­tos co­la­te­rais mais co­muns dos medicamentos anticonvulsivos in­clu­em so­no­lên­cia, ga­nho de pe­so, ton­tu­ras, tre­mo­res, náu­se­as e di­ar­reia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.