Cor­po ati­vo, MEN­TE SÃ

Além de tra­zer be­ne­fí­ci­os pa­ra mús­cu­los, pul­mões e co­ra­ção, os exer­cí­ci­os fí­si­cos exer­cem pa­pel es­sen­ci­al na saú­de do cé­re­bro e aju­dam no bem-es­tar emo­ci­o­nal

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Já é in­for­ma­ção co­nhe­ci­da que a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os fí­si­cos traz mui­to mais be­ne­fí­ci­os do que os es­té­ti­cos. Ela é in­dis­pen­sá­vel pa­ra a ma­nu­ten­ção da saú­de em qual­quer fa­se da vi­da – o ide­al é co­me­çar a se mo­vi­men­tar o qu­an­to an­tes e, se pos­sí­vel, não pa­rar de se exer­ci­tar nun­ca. “Um

es­ti­lo de vi­da ati­vo, in­cluin­do uma prá­ti­ca re­gu­lar de exer­cí­cio fí­si­co, per­mi­te me­lho­rar a qua­li­da­de de vi­da dos in­di­ví­du­os de vá­ri­as for­mas, sen­do fre­quen­te­men­te sa­li­en­ta­dos os be­ne­fí­ci­os fí­si­cos e psic o l ó g i c o s , c o mo: ma n u t e n ç ã o o u de­sen­vol­vi­men­to das es­tru­tu­ras ós­se­as e mus­cu­la­res; pre­ven­ção ou re­du­ção da hi­per­ten­são ar­te­ri­al; au­men­to da ca­pa­ci­da­de de res­pos­ta do or­ga­nis­mo pa­ra com­ba­ter o es­tres­se; alí­vio da ten­são mus­cu­lar e re­du­çãoo de do­res; me­lhor per­cep­ção de bem-bem-es­tar; me­lho­ra da au­to-au­to­es­ti­ma, da ca­pa­ci­da­de­da­de fun­ci­o­nal, da pos­tu­ra,ura, dos pa­drões de so­no,ono, do de­sem­pe­nho fi­si­o­sio-ló­gi­co, en­tre ou­tross be-ben e f í c i o s ”, l i s t aa o pro­fes­sor de edu­ca­ção­a­ção fí­si­ca Fa­bio Kao, do Eni­ac. Co­mo é pos­sí­vel per­ce­ber, a lis­ta de van­ta­gensns é gran­de e com­pro­va­da por di­fe­ren­tes­dift pes­qui­sa­si ci­en­tí­fi­cas. Uma de­las, por exem­plo, mos­trou que au­men­tar o tem­po de exer­cí­ci­os na in­fân­cia po­de até pou­par um gas­to sig­ni­fi­ca­ti­vo em saú­de na vi­da adul­ta. Is­so por­que, se­gun­do os pes­qui­sa­do­res, o cor­po pos­sui uma me­mó­ria me­ta­bó­li­ca, ou se­ja, os há­bi­tos que man­te­mos en­si­nam o nos­so cor­po a tra­ba­lhar de uma for­ma e não de ou­tra. As­sim, se o or­ga­nis­mo da cri­an­ça é acos­tu­ma­do a não se exer­ci­tar e vi­ver com so­bre­pe­so, na fa­se adul­ta ela pre­ser­va­rá as mes­mas con­di­ções, de acor­do com um es­tu­do re­a­li­za­do na Es­co­la Blo­om­berg de Saú­de Pú­bli­ca da Uni­ver­si­da­de Johns Hop­kins, nos Es­ta­dos Uni­dos. Um au­men­to de 32% pa­ra 50% no nú­me­ro de cri­an­çass de oi­to a 11 anos pra­ti­can­do 25 mi­nu­toss de exer­cí­ci­os por dia, três ve­zes por se­ma­ma­na, se­ria ca­paz de evi­tar R$22 bi­lhões ões em cus­tos com mé­di­cos e R$4 bi­lhões ões com per­da de pro­du­ti­vi­da­de no em­pre­go. ego. AÇÃO NO CÉ­RE­BRO Ao se exer­ci­tar, se­ja pra­ti­can­do um es­por­te, dan­ça­dan­çan­do, cor­ren­do ou qual­quer ou­ou­tra ati­vi­da­de, uma sé­rie de mu­dan­ças ocor­re­re no cor­po in­tei­ro. O au­me­au­men­to da ca­pa­ci­da­de­de car­di­or­res­pi­ra­tó­ri­ac e da for­ça mus­cu­lar, por exem­plo, são as mod­mo­di­fi­ca­ções fí­si­cas que po­dem ser per­ce­bi­das­bi­das em cer­ca de três me­ses dde prá­ti­ca. E não é só nos pulm­pul­mões e nos mús­cu­los­los que os exe­e­xer­cí­ci­os fa­zem efeit­to: o as­sun­tot prin­ci­pal,ii aqui, aliás, é a ação no cé­re­bro. “Os be­ne­fí­ci­os das ati­vi­da­des fí­si­cas vão mui­to além de um cor­po bo­ni­to. Qua­ren­ta mi­nu­tos de prá­ti­ca, du­ran­te três ve­zes por se­ma­na, po­dem au­men­tar a ca­pa­ci­da­de do cé­re­bro em até 15%, in­flu­en­ci­an­do di­re­ta­men­te na me­mó­ria e na con­cen­tra­ção. Mo­vi­men­tar o cor­po es­ti­mu­la a pro­du­ção de en­dor­fi­na, que di­mi­nui o es­tres­se, au­men­ta a dis­po­si­ção e a qua­li­da­de do so­no, tam­bém”, re­ve­la Fa­bio Kao. EFEI­TOS HORMONAIS Com a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os, o or­ga­nis­mo li­be­ra di­ver­sas subs­tân­ci­as, ca­pa-

zes z de des­per­tar di­ver­sas sen­sa­ções. “O exer­cí­cio ge­ra al­te­ra­ções fi­si­o­ló­gi­cas que q po­dem ser clas­si­fi­ca­das co­mo agu­dos d ime­di­a­tos, agu­dos tar­di­os e crô­ni­cos. c Os efei­tos agu­dos acon­te­cem em as­so­ci­a­ção a di­re­ta com a ses­são de exer­cí­cio, c sen­do sub­di­vi­di­dos em ime­di­a­tos, ocor­ren­do ime­di­a­ta­men­te após a ses­são, ou tar­di­os, quan­do ocor­rem nas 24 a 72 ho­ras após a ati­vi­da­de. Os efei­tos crô­ni­cos são os re­sul­tan­tes da ex­po­si­ção fre­quen­te e re­gu­lar às ses­sões de exer­cí­cio”, in­for­ma o pre­pa­ra­dor fí­si­co Mar­cos Vi­ní­cius, do BIOMAIS. Du­ran­te a prá­ti­ca, um dos hormô­ni­os li­be­ra­dos é o do cres­ci­men­to, co­nhe­ci­do co­mo GH. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, qu­an­to mais in­ten­so for o exer­cí­cio, mai­or a quan­ti­da­de li­be­ra­da des­se hormô­nio. “O GH po­de pro­mo­ver a quebra de gor­du­ra, por­tan­to re­a­li­zar exer­cí­ci­os re­gu­lar­men­te que au­men­tam sua ta­xa de se­cre­ção con­tri­bui di­re­ta­men­te pa­ra a di­mi­nui­ção­mi­nui­ção da obe obe­si­da­de”, des­ta­ca. Ou­tra subs­tân­cia cu­ja con­cen­tra­ção au­men­ta ta são as en­dor­fi­nas. “São um ti­po de opi­oi­de, re­la­ci­o­na­das a mai­or con­tro­le do ape­ti­te, re­du­ção da an­si­e­da­de, rai­va, ten­são e to­le­rân­cia à dor. No exer­cí­cio ae­ró­bi­co, a in­ten­si­da­de é o prin­ci­pal fa­tor que es­ti­mu­la as ele­va­ções dos ní­veis plas­má­ti­cos des­sas subs­tân­ci­as. Nos exer­cí­ci­os de re­sis­tên­cia, sua li­be­ra­ção al­te­ra de acor­do com o pro­to­co­lo uti­li­za­do, sen­do que mai­or du­ra­ção e mai­o­res in­ter­va­los de re­pou­so en­tre as sé­ri­es pro­mo­vem me­lho­res re­sul­ta­dos”, ex­pli­ca Mar­cos Vi­ní­cius. As en­dor­fi­nas são li­be­ra­das pe­la hi­pó­fi­se, lo­ca­li­za­da na ba­se do cé­re­bro e con­si­de­ra­da uma glân­du­la en­dó­cri­na, ou se­ja, li­ga­da ao sis­te­ma hor­mo­nal do cor­po. Agem co­mo anal­gé­si­cos na­tu­rais, com­ba­ten­do do­res de ca­be­ça, có­li­cas mens­tru­ais e ten­são mus­cu­lar e pro - mo­ven­do a sen­sa­ção de re­la­xa­men­to e bem-es­tar, e tam­bém são li­be­ra­das du­ran­te ou­tros atos, co­mo fa­zer se­xo ou co­mer cho­co­la­te, por exem­plo. Al­gu­mas pes­qui­sas pesqu afir­mam que os efei­tos da en­dor­fi­na en são sen­ti­dos até uma ou du­as d ho­ras após a sua li­be­ra­ção, en­quan­to ou­tras su­ge­rem que a con­cen­tra­ção do hormô­nio con­se­gue per­du­rar por até 72 ho­ras após a prá­ti­ca de exer­cí­ci­os. In­de­pen­den­te­men­te p da quan­ti­da­de de ho­ras, hor é fa­to: exer­ci­tar-se po­de pro­mo­ver óti­mas sen­sa­ções e, se a prá­ti­ca for re­gu­lar,reg es­sas sen­sa­ções são re­no­va­das a ca­da dia. Ain­da co­mo re­sul­ta­do da ati­vi­da­de fí­si­ca, a se­ro­to­ni­na em al­ta con­cen­tra­ção é ou­tra res­pon­sá­vel pe­lo bem-es­tar ge­ral do cor­po. “Ela de­sem­pe­nha um pa­pel im­por­tan­te no nos­so sis­te­ma ner­vo­so.

En­tre as su­as fun­ções, es­tá a re­gu­la­ção ção do so­no, con­tro­le da tem­pe­ra­tu­ra cor­por­po­ral e do ape­ti­te”, des­ta­ca We­ber Go­mes mes Fer­rei­ra, co­or­de­na­dor do cur­so de edu­e­du ca­ção fí­si­ca da Fa­cul­da­de Pi­tá­go­ras de Gu­a­ra­pa­ri. DO CÉ­RE­BRO PA­RA O COR­PO “Di­ver­sas ou­tras al­te­ra­ções hormonais ocor­rem du­ran­te o exer­cí­cio, co­mo as ca­te­co­la­mi­nas, que te­rão efei­tos so­bre o me­ta­bo­lis­mo com a ação da adre­na­li­na e no­ra­dre­na­li­na, o glu­ca­gon e a in­su­li­na, com im­por­tan­te pa­pel no con­tro­le da gli­co­se no or­ga­nis­mo e a lep­ti­na, que es­tá re­la­ci­o­na­da à re­gu­la­ção da sa­ci­e­da­de, ta­xa me­ta­bó­li­ca e mas­sa cor­po­ral”, com­ple­men­ta Mar­cos Vi­ní­cius. Tu­do is­so con­tri­bui pa­ra o con­tro­le ou a re­du­ção do pe­so cor­po­ral e, co­mo con­sequên­cia, o au­men­to da au­to­es­ti­ma, mais um pon­to po­si­ti­vo pa­ra o bem-es­tar emo­ci­o­nal. A ma­nu­ten­ção do pe­so tam­bém é in­dis­pen­sá­vel pa­ra pre­ve­nir uma sé­rie de mo­di­fi­ca­ções no or­ga­nis­mo que po­dem le­var a do­en­ças co­mo in­far­to e AVC; e con­tri­bui pa­ra ter mais ener­gia no dia a dia. MAIS DIS­PO­SI­ÇÃO De vez em quan­do, o de­sâ­ni­mo ba­te e fal­ta von­ta­de pa­ra as ati­vi­da­des diá­ri­as - não só pa­ra se mo­vi­men­tar, co­mo tam­bém pa­ra es­tu­dar, tra­ba­lhar… A boa no­tí­cia é que pra­ti­car exer­cí­ci­os re­gu­lar­men­te po­de ge­rar um cír­cu­lo vi­ci­o­so: eles dão mais dis­po­si­ção e, com mais ener­gia, os exer­cí­ci­os po­dem ser me­lhor pra­ti­ca­dos. “Os exer­cí­ci­os ae­ró­bi­cos atu­am es­ti­mu­lan­do o car­di­or­res­pi­ra­tó­rio do pra­ti­can­te, au­men­tan­do sua ca­pa­ci­da­de de VO2. Já os exer­cí­ci­oss a n a e r ó b ii -cos atu­a­mam for ta­le­cen­do­en­do mús­cu­los,s, li­ga­li­ga -men­tos e ten­dões.ten­dões. Es­sa com­bi­na­çãom­bi­na­ção se­rá fa­vo­rá-fa­vo­rá­vel pa­ra a me­lhor per­fo­man­cee no dia a dia”, sa­li­en­ta We­be­rer Go­mes Fer­rei­ra. Os exer­cí­ci­o­sos ae­ró­bi­cos são aque­les que uti-uti­li­zam oxi­gê­nio pa­ra ge­rar ener­gia,ner­gia, en­tre eles, cor­rer, pe­da­lar e na­dar. Já os ana­e­ró­bi­cos tra­ba­lham os gru­pos mus­cu­la­res e ge­ral­men­te são de al­ta in­ten­si­da­de e cur­ta du­ra­ção, co­mo a mus­cu­la­ção. CON­SUL­TO­RI­AS Fa­bio Kao, pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca do Eni­ac (São Paulo); Mar­cos Vi­ní­cius, pre­pa­ra­dor fí­si­co do BIOMAIS (Rio de Ja­nei­ro); We­ber Go­mes Fer­rei­ra, co­or­de­na­dor do cur­so de edu­ca­ção fí­si­ca da Fa­cul­da­de Pi­tá­go­ras de Gu­a­ra­pa­ri | FOTOS is­to - ck/getty Images

“Os be­ne­fí­ci­os das ati­vi­da­des fí­si­cas vão mui­to além de um cor­po bo­ni­to. Qua­ren­ta mi­nu­tos de prá­ti­ca, du­ran­te três ve­zes por se­ma­na, po­dem au­men­tar a ca­pa­ci­da­de do cé­re­bro em até 15%, in­flu­en­ci­an­do di­re­ta­men­te na me­mó­ria e na con­cen­tra­ção. Mo­vi­men­tar o cor­po es­ti­mu­la a pro­du­ção de en­dor­fi­na, que di­mi­nui o es­tres­se, au­men­ta a dis­po­si­ção e a qua­li­da­de do so­no, tam­bém” Fa­bio Kao, pro­fes­sor de edu­ca­ção fí­si­ca

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.