Usan­do o po­ten­ci­al DA MEN­TE

Co­nhe­ça o po­der que ul­tra­pas­sa os li­mi­tes do cons­ci­en­te

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Vo­cê já pen­sou em mi­ni­mi­zar os efei­tos se­cun­dá­ri­os de uma ci­rur­gia co­mo do­res e náu­se­as, além de ter uma re­cu­pe­ra­ção con­for­tá­vel pós-pro­ce­di­men­to usan­do ape­nas a for­ça da men­te? Ou ain­da já ima­gi­nou al­gu­ma ma­nei­ra de dis­pen­sar o incô­mo­do cau­sa­do por cer­tas anes­te­si­as usan­do um estado men­tal na­tu­ral? Es­tu­di­o­sos da Uni­ver­si­da­de de Stan­ford, nos Es­ta­dos Uni­dos, co­mo o psi­qui­a­tra Da­vid Spi­e­gel – di­re­tor da Cen­tro de Es­tres­se e Saúde de Stan­ford – têm se de­bru­ça­do nes­te as­sun­to e pro­va­do que é pos­sí­vel con­tro­lar do­res por meio de uma ha­bi­li­da­de men­tal: a hip­no­se. Es­tu­dos de Stan­ford de­mons­tra­ram ain­da que as pes­so­as hip­no­ti­za­das an­tes do aten­di­men­to ci­rúr­gi­co têm um tem­po de pós-ope­ra­tó­rio mais cur­to e uma re­du­ção sig­ni­fi­ca­ti­va nas com­pli­ca­ções do pro­ce­di­men­to. Além dis­so, a hip­no­se co­mo úni­ca anes­te­sia fun­ci­o­na­ria bem. Ela se­ria ca­paz tam­bém de ali­vi­ar os tre­mo­res da do­en­ça de Par­kin­son, aju­dar as pes­so­as a pa­rar de fu­mar e mo­de­rar a pro­du­ção de áci­do gás­tri­co. Além de tra­tar a an­si­e­da­de, ca­sos de de­pres­são, fo­bi­as, ema­gre­ci­men­to e dis­túr­bi­os re­la­ci­o­na­dos ao es­tres­se. Mas de que for­ma a men­te se com­por­ta pa­ra me­lho­rar o bem es­tar e saúde das pes­so­as des­sa ma­nei­ra?

HIP­NO­SE, ESTADO NA­TU­RAL E CI­ÊN­CIA

Es­que­ça re­ló­gi­os ba­lan­çan­do de um la­do pa­ra o ou­tro e o ar de mis­té­rio ao ver pes­so­as de olhos fe­cha­dos e ca­be­ça bai­xa após se­rem to­ca­das por um hipnotista. O tran­se hip­nó­ti­co, co­mo cha­mam mui­tos es­pe­ci­a­lis­tas, po­de ser um estado na­tu­ral ou in­du­zi­do e há mui­to tem­po é es­tu­da­do pe­lo seu po­ten­ci­al clí­ni­co. Ma­da­le­na Fe­li­ci­a­no, di­re­to­ra do Ins­ti­tu­to Pro­fis­si­o­nal de Co­a­ching, e Mar­ce­lo Hom­ci, trei­ner de hip­no­se ex­pli­cam que o tran­se hip­nó­ti­co é um estado men­tal que po­de ser na­tu­ral e que po­de ser per­ce­bi­do, por exem­plo, quan­do es­ta­mos as­sis­tin­do TV e não ou­vi­mos quan­do al­guém nos cha­ma. “Po­de ser tam­bém um estado men­tal in­du­zi­do quan­do es­ta­mos com al­gum hipnotista e ele uti­li­za téc­ni­cas de hip­no­se com a fi­na­li­da­de de ul­tra­pas­sar o fa­tor crí­ti­co de nos­sa men­te cons­ci­en­te pa­ra es­ta­be­le­cer em nos­so sub­cons­ci­en­te su­ges­tões que con­te­nham no­vos pen­sa­men­tos ou sen­ti­men­tos acei­tá­veis pa­ra uma me­lho­ra de al­go que es­te­ja cau­san­do des­con­for­to”, co­men­tam os es­pe­ci­a­lis­tas. Pa­ra en­ten­der co­mo o “fa­tor crí­ti­co” fun­ci­o­na e co­mo po­de­mos ul­tra­pas­sá-lo co­mo co­men­tam os es­pe­ci­a­lis­tas, é ne­ces­sá­rio ob­ser­var a men­te e su­as di­vi­sões. Ela pos­sui três di­men­sões bem de­fi­ni­das, re­co­nhe­ci­das por Jer­ry Kein, fun­da­dor da OMNI Hyp­no­sis Trai­ning Cen­ter. São elas o cons­ci­en­te, sub­cons­ci­en­te e in­cons­ci­en­te. En­tre a men­te cons­ci­en­te e sub­cons­ci­en­te, es­tá o fa­tor crí­ti­co. Ele é o res­pon­sá­vel por acei­tar ou re­jei­tar in­for­ma­ções que che­guem di­re­ta­men­te ao sub­cons­ci­en­te. Por exem­plo, se vo­cê tem me­do de al­tu­ra e al­guém lhe diz que, a par­tir de ago­ra, vo­cê não te­rá mais es­se me­do, seu fa­tor crí­ti­co ana­li­sa a in­for­ma­ção e im­pe­de que ela se­ja ab­sor­vi­da, afi­nal, o me­do não de­sa­pa­re­ce só por­que al­guém or­de­nou que ele de­sa­pa­re­ça. Lâ­mia Sa­ma­ra, hip­no­te­ra­peu­ta clí­ni­ca OMNI, es­cla­re­ce que a men­te sub­cons­ci­en­te fun­ci­o­na co­mo um ban­co de me­mó­ri­as de um com­pu­ta­dor, en­tão tu­do que vo­cê já ex­pe­ri­men­tou, viu, sen­tiu, chei­rou, sa­bo­re­ou es­tá lá, ou se­ja, ela tra­duz sua per­so­na­li­da­de e su­as ex­pe­ri­ên­ci­as. “Ela tam­bém é res­pon­sá­vel pe­los há­bi­tos, au­to­pre­ser­va­ção, pre­gui­ça e pe­las emo­ções, tan­to as po­si­ti­vas quan­to as ne­ga­ti­vas. O seu sub­cons­ci­en­te apren­de pe­la vi­da to­da, des­de a bar­ri­ga da sua mãe, mas são nos pri­mei­ros anos de

vi­da que es­se pro­ces­sa­men­to é mais in­ten­so e mar­can­te, por is­so, aca­ba cri­an­do pro­gra­ma­ções que trans­for­mam vo­cê em quem vo­cê é e de­ter­mi­nam co­mo vo­cê age”, co­men­ta a hip­no­te­ra­peu­ta. Quan­do vo­cê ul­tra­pas­sar o fa­tor crí­ti­co, sig­ni­fi­ca es­tar em hip­no­se, ou se­ja, ter aces­so ao estado sub­cons­ci­en­te da men­te. A par­tir des­se aces­so é pos­sí­vel trans­for­mar os incô­mo­dos pes­so­ais, tra­tar dis­túr­bi­os e ali­vi­ar do­res. O es­tu­do Brain Ac­ti­vity and Func­ti­o­nal Con­nec­ti­vity As­so­ci­a­ted with Hyp­no­sis de Da­vid Spi­e­gel e equi­pe, pu­bli­ca­do na re­vis­ta Ce­re­bral Cor­tex, em 2016 su­ge­re, in­clu­si­ve, que a hip­no­se po­de ser usa­da no lu­gar de anal­gé­si­cos em al­guns ca­sos. Uma das pes­qui­sas li­de­ra­das por Spi­e­gel su­ge­re que pes­so­as que uti­li­zam a au­to-hip­no­se usam me­nos me­di­ca­men­tos do que aque­las que não exer­cem ne­nhu­ma prá­ti­ca hip­nó­ti­ca.

Até ho­je, a hip­no­se sem­pre foi en­ca­ra­da com mui­ta des­con­fi­an­ça. Pu­de­ra: a mai­or par­te das pes­so­as só a co­nhe­ce gra­ças aos pro­gra­mas de au­di­tó­rio, em que um hip­no­ti­za­dor (com ares de má­gi­co de cir­co) usa de su­as téc­ni­cas pa­ra con­ven­cer um dos con­vi­da­dos da pla­teia a mas­ti­gar uma ce­bo­la co­mo se fos­se uma de­li­ci­o­sa ma­çã ou, en­tão, imi­tar uma ga- li­nha em re­de na­ci­o­nal sem qual­quer ti­po de pudor. No en­tan­to, atu­al­men­te, a ci­ên­cia já es­tu­da com se­ri­e­da­de es­se cu­ri­o­so estado de cons­ci­ên­cia al­te­ra­da, que pa­re­ce de­sa­jus­tar os com­ple­xos me­ca­nis­mos de sen­si­bi­li­da­de da men­te. Tan­to é que a hip­no­te­ra­pia pas­sou a ser uti­li­za­da em con­sul­tó­ri­os no tra­ta­men­to de trans­tor­nos co­mo an­si­e­da­de, fo­bi­as e de­pres­são.

MARGINALIZADA

O mé­di­co ale­mão Franz An­ton Mes­mer é o gran­de pi­o­nei­ro no es­tu­do da hip­no­se, ain­da no século 18. Mes­mer de­fen­dia uma te­o­ria que ho­je é con­si­de­ra­da ab­sur­da: a exis­tên­cia de flui­dos mag­né­ti­cos que, uma vez em de­se­qui­lí­brio no cor­po hu­ma­no, oca­si­o­na­vam dis­túr­bi­os fí­si­cos e men­tais. Pa­ra cu­rar seus pa­ci­en­tes, ele usa­va o olhar fi­xo e o mo­vi­men­to das mãos, al­guns dos pro­ce­di­men­tos tam­bém uti­li­za­dos na hip­no­se atu­al, pa­ra in­du­zir ao estado de tran­se. Seus mé­to­dos, mes­mo qu­es­ti­o­na­dos, co­me­ça­ram a fa­zer su­ces­so e, a pe­di­do do rei fran­cês Luís XVI, uma co­mis­são es­pe­ci­al – com ci­en­tis­tas de renome, en­tre eles An­toi­ne La­voi­si­er e Ben­ja­mim Fran­klin – foi mon­ta­da pa­ra in­ves­ti­gar o ca­so. A cha­ma­da “mes­me­ri­za­ção” foi apon­ta­da co­mo char­la­ta­nis­mo e tor­nou-se re­le­ga­da a es­pe­tá­cu­los cir­cen­ses, o que jus­ti­fi­ca boa par­te do pre­con­cei­to que per­ma­ne­ce nos di­as atu­ais. Ou­tro mé­di­co, o es­co­cês Ja­mes Braid, deu con­ti­nui­da­de aos es­tu­dos de Mes­mer. Por si­nal, foi ele o pri­mei­ro a de fa­to usar o ter­mo hip­no­se. Foi se­gui­do por Ja­mes Es­dai­le, ci­rur­gião, que ado­tou o hip­no­tis­mo com pro­pó­si­to de anes­te­si­ar os pa­ci­en­tes du­ran­te su­as ope­ra­ções. O psi­có­lo­go Ivan Pa­vlov, re­co­nhe­ci­do no cam­po do com­por­ta­men­to hu­ma­no, in­ves­ti­gou os efei­tos da hip­no­se so­bre o cór­tex ce­re­bral. Je­an Char­cot, um dos pri­mei­ros psi­qui­a­tras, ana­li­sou sua apli­ca­ção no tra­ta­men­to de sin­to­mas de his­te­ria. E mes­mo Sig­mund Freud, que de­sen­vol­veu a psi­ca­ná­li­se, che­gou a hip­no­ti­zar seus pa- ci­en­tes no início da car­rei­ra (mu­dou de ideia por pre­fe­rir vê-los cons­ci­en­tes em su­as ses­sões). Já no século 20, Mil­ton Erick­son fun­dou a Ame­ri­can So­ci­ety of Cli­ni­cal Hyp­no­sis (So­ci­e­da­de Ame­ri­ca­na de Hip­no­se Clí­ni­ca, em por­tu­guês) e in­tro­du­ziu uma me­to­do­lo­gia de hip­no­se mais su­til, que pro­cu­ra a acei­ta­ção do pa­ci­en­te ao tran­se, em vez de lhe dar or­dens au­to­ri­tá­ri­as.

CO­MO FUN­CI­O­NA

Mas por que uma pes­soa hip­no­ti­za­da faz coi­sas que não fa­ria em estado nor­mal? A res­pos­ta pas­sa pe­lo sis­te­ma lím­bi­co, uma área do cé­re­bro que, além de pro­ces­sar sen­sa­ções co­mo dor ou fo­me, tam­bém con­tro­la emo­ções, en­tre elas me­do, ver­go­nha ou li­bi­do. Es­tu­dos re­a­li­za­dos pe­lo ci­en­tis­ta Pi­er­re Rain­vil­le, da Uni­ver­si­da­de de Mon­tre­al, no Ca­na­dá, cons­ta­ta­ram que, em pes­so­as hip­no­ti­za­das, o sis­te­ma lím­bi­co per­ma­ne­ce ati­vo mes­mo quan­do es­tas co­lo­cam as mãos em uma ti­ge­la com água quen­te. Ou se­ja, os es­tí­mu­los que de­ve­ri­am pro­vo­car a dor (e o mo­vi­men­to qua­se au­to­má­ti­co de re­ti­ra­da da mão) es­ta­vam pre­sen­tes. No en­tan­to, não eram pro­ces­sa­dos pe­lo ne­o­cór­tex, uma re­gião ce­re­bral exis­ten­te ape­nas pa­ra os ma­mí­fe­ros avan­ça­dos e, em úl­ti­ma ins­tân­cia, a res­pon­sá­vel pe­la cons­ci­ên­cia. O que a hip­no­se faz é in­ter­rom­per a co­ne­xão en­tre es­ses dois pon­tos. O prin­cí­pio da hip­no­se é, ba­si­ca­men­te, atrair a aten­ção de al­guém a um pon­to tão ex­tre­mo que as de­mais per­cep­ções e ini­bi­ções pas­sem a ser ig­no­ra­das. É co­mo fi­car ab­sor­vi­do por um fil­me na televisão e, a par­tir daí, ig­no­rar to­do o am­bi­en­te ao re­dor, po­rém em uma es­ca­la bem mai­or. Pa­ra tan­to, o hip­no­ti­za­dor dis­põe de tru­ques co­mo mú­si­ca de fun­do, pa­la­vras su­a­ves ou olhar pe­ne­tran­te. O psi­qui­a­tra ame­ri­ca­no Mil­ton Erick­son, por exem­plo, usa­va o aperto de mão pa­ra mas­sa­ge­ar o pul­so de seus pa­ci­en­tes, dei­xan­do-os re­la­xa­dos lo­go de ca­ra.

FAL­SAS ME­MÓ­RI­AS?

No uni­ver­so do ci­ne­ma, fi­gu­ram vi­lões que em­pre­ga­ram téc­ni­cas hip­nó­ti­cas pa­ra con­tro­lar a men­te das su­as ví­ti­mas. Na vi­da re­al, o mé­to­do é bem me­nos pe­ri­go­so, pois não fun­ci­o­na quan­do o hip­no­ti­za­dor é ig­no­ra­do. E, uma vez que ele não es­te­ja mais pre­sen­te no am­bi­en­te, o tran­se aca­ba – ou se­ja, nin­guém cor­re

o ris­co de fi­car hip­no­ti­za­do pa­ra sem­pre. Tam­bém é mi­to a per­da da cons­ci­ên­cia por com­ple­to ou o re­ceio de re­ve­lar se­gre­dos con­tra a pró­pria von­ta­de. O pon­to mais con­tro­ver­so é com re­la­ção à me­mó­ria. En­tre os me­ca­nis­mos uti­li­za­dos pe­lo cé­re­bro pa­ra po­der di­fe­ren­ci­ar re­a­li­da­de de me­ra ima­gi­na­ção es­tá o “es­for­ço” em­pre­ga­do pa­ra re­cor­dar al­gum even­to. Do pon­to de vis­ta neu­ro­ló­gi­co, quan­do en­con­tra di­fi­cul­da­des pa­ra re­cons­truir al­gum fa­to, a men­te ten­de a in­ter­pre­tá-lo co­mo al­go ima­gi­na­do. Co­mo o sis­te­ma lím­bi­co per­ma­ne­ce des­co­nec­ta­do du­ran­te a hip­no­se e ex­tre­ma­men­te frá­gil, fi­ca mais fá­cil im­plan­tar intencionalmente (ou mes­mo in­vo­lun­ta­ri­a­men­te) fal­sas lem­bran­ças em al­guém. Es­tu­dos re­a­li­za­dos nes­se cam­po já mos­tra­ram que, ao tér­mi­no de uma ses­são, pes­so­as hip­no­ti­za­das eram ca­pa­zes de des­cre­ver em de­ta­lhes me­mó­ri­as que nun­ca exis­ti­ram, por me­ra su­ges­tão do hip­no­ti­za­dor. Du­ran­te a dé­ca­da de 1990, uma sé­rie de ca­sos foi pa­rar nos tri­bu­nais de jus­ti­ça nor­te-ame­ri­ca­nos. Epi­só­di­os que sus­ci­ta­vam dú­vi­das quan­to a ve­ra­ci­da­de de cer­tos re­la­tos, co­mo abu­sos se­xu­ais que só vi­e­ram à to­na em ses­sões de re­gres­são hip­nó­ti­ca.

HIP­NO­TE­RA­PIA

Acon­te­ce que a hip­no­se tam­bém po­de ser usa­da pa­ra o bem. Uma ava­li­a­ção dos Ins­ti­tu­tos Na­ci­o­nais de Saúde dos Es­ta­dos Uni­dos, fei­ta em 1996, apon­tou-a co­mo be­né­fi­ca pa­ra ali­vi­ar do­res re­sul­tan­tes de cân­cer e ou­tras do­en­ças crônicas. Tam­bém exis­tem es­tu­dos re­co­men­dan­do o mé­to­do pa­ra ví­ti­mas de quei­ma­du­ras e mu­lhe­res em tra­ba­lho de par­to. No Bra­sil, já foi ofi­ci­al­men­te en­dos­sa­da pe­los Con­se­lhos Fe­de­rais de Me­di­ci­na, Odon­to­lo­gia, Psi­co­lo­gia, Fi­si­o­te­ra­pia e Te­ra­pia Ocu­pa­ci­o­nal. Uma das apli­ca­ções mé­di­cas da hip­no­se é co­mo com­ple­men­to pa­ra a psi­co­te­ra­pia con­ven­ci­o­nal quan­do se tra­ta de pa­ci­en­tes com de­pres­são: “A de­pres­são é uma for­ma es­pe­cí­fi­ca de pen­sar, ba­se­a­da em pre­mis­sas pes­si­mis­tas. Com o tem­po, tal estado ga­nha for­ça e se ins­tau­ra co­mo se fi­zes­se par­te da per­so­na­li­da­de do in­di­ví­duo. A hip­no­se en­tra co­mo uma so­lu­ção pa­ra mo­di­fi­car sua for­ma de pen­sar. Um jei­to no­vo de en­ca­rar seu pre­sen­te e seu fu­tu­ro e re­co­brar sua lu­ci­dez fren­te ao re­al”, ex­pli­ca Odair Co­min, psi­có­lo­go es­pe­ci­a­lis­ta na téc­ni­ca. Co­min ain­da des­ta­ca: “Na hip­no­se clí­ni­ca, o pa­ci­en­te é par­te in­te­gran­te, é ati­vo no pro­ces­so de cu­ra, es­tan­do ele cons­ci­en­te ou in­cons­ci­en­te, por­que em am­bos os ca­sos co­lo­ca­mos sua men­te pa­ra tra­ba­lhar a seu fa­vor”.

Sen­do as­sim, o mé­to­do po­de ser ado­ta­do ain­da em qua­dros de an­si­e­da­de crônica, es­tres­se pós-trau­má­ti­co, trans­tor­nos ali­men­ta­res (obe­si­da­de, ano­re­xia e bu­li­mia), ví­ci­os (com­pul­são por com­pras ou apos­tas) ou de­pen­dên­cia quí­mi­ca (ál­co­ol, ci­gar­ro e dro­gas). Mes­mo quem se apa­vo­ra di­an­te da imi­nên­cia de al­gu­ma en­tre­vis­ta de em­pre­go ou ves­ti­bu­lar po­de se be­ne­fi­ci­ar da hip­no­se. No en­tan­to, a téc­ni­ca de­ve ser­vir em to­dos es­ses ca­sos co­mo uma fer­ra­men­ta au­xi­li­ar, mas não o re­cur­so prin­ci­pal. Sem­pre é vá­li­do tam­bém pro­cu­rar um pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­do, que sai­ba em quais cir­cuns­tân­ci­as fa­zer o uso de su­as téc­ni­cas – con­train­di­ca­das pa­ra quem so­fre de es­qui­zo­fre­nia ou trans­tor­no bi­po­lar, a sa­ber. Lo­go, se dei­xar hip­no­ti­zar no di­vã do psi­có­lo­go ou no con­sul­tó­rio do den­tis­ta não pre­ci­sa ser as­sus­ta­dor, cor­re­to? “A hip­no­se de pal­co se pres­ta ao es­pe­tá­cu­lo, ao en­tre­te­ni­men­to. No con­tex­to clí­ni­co, su­as téc­ni­cas são di­re­ci­o­na­das à cu­ra. Por­tan­to, não po­de­mos com­pa­rar uma com a ou­tra. É co­mo di­zer que um bis­tu­ri na mão de um mé­di­co e na mão de um as­sas­si­no tem o mes­mo ob­je­ti­vo”, com­pa­ra Odair Co­min.

CON­SUL­TO­RI­AS Lâ­mia Sa­ma­ra, hip­no­te­ra­peu­ta clí­ni­ca es­pe­ci­a­lis­ta em ca­sos de do­en­ças psi­cos­so­má­ti­cas e blo­quei­os emo­ci­o­nais. Cer­ti­fi­ca­ção e es­pe­ci­a­li­za­ção em Hip­no­te­ra­pia Clí­ni­ca pe­la OMNI Hyp­no­sis Trai­ning Cen­ter; Ma­da­le­na Fe­li­ci­a­no, di­re­to­ra do Ins­ti­tu­to Pro­fis­si­o­nal de Co­a­ching; Mar­ce­lo Hom­ci, trei­ner de hip­no­se; Tran­ce­for­ma­ti­on:” Da­vid Spi­e­gel on how hyp­no­sis can chan­ge your brain’s per­cep­ti­on of your body. Dis­po­ní­vel em: https:// stan.md/2w07­zo1; Brain Ac­ti­vity and Func­ti­o­nal Con­nec­ti­vity As­so­ci­a­ted with Hyp­no­sis. Dis­po­ní­vel em: https://bit.ly/2l8­gljw

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.