Hip­no­te­ra­pia, fo­co e qua­li­da­de de VI­DA

Co­nhe­ça a te­ra­pia que tem re­pro­gra­ma­do a men­te pa­ra me­lho­rar a saúde

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Quan­do a nu­tri­ci­o­nis­ta Ta­lit­ta Ma­ci­el ob­ser­vou que uma re­pro­gra­ma­ção men­tal po­de­ria atin­gir a sa­ci­e­da­de de mui­tos de seus pa­ci­en­tes que se quei­xa­vam por não con­se­guir se­guir uma di­e­ta com dis­ci­pli­na, ela per­ce­beu que po­de­ria ter me­lho­res re­sul­ta­dos e ver as pes­so­as que aten­dia di­zen­do “não” pa­ra mui­tos alimentos que não ti­nham efei­tos po­si­ti­vos. Ela, en­tão, pas­sou a apli­car a téc­ni­ca do ba­lão in­tra­gás­tri­co hip­nó­ti­co que ofe­re­ce a sen­sa­ção de sa­ci­e­da­de, re­duz a von­ta­de de co­mer e faz com que o ema­gre­ci­men­to sau­dá­vel, so­nho de mui­ta gen­te, se­ja al­can­ça­do. “O ba­lão gás­tri­co hip­nó­ti­co tra­ba­lha com a re­pro­gra­ma­ção da men­te, ou se­ja, cri­a­mos um ba­lão ima­gi­ná­rio e fa­ze­mos com que o cé­re­bro en­ten­da que exis­te um equi­pa­men­to re­al den­tro do estô­ma­go, por is­so as sen­sa­ções são se­me­lhan­tes. Po­rém, a hip­no­se é me­nos in­va­si­va, por is­so po­de ser apli­ca­da na mai­o­ria dos ca­sos”, co­men­ta Ma­ci­el. Es­se é um exem­plo de co­mo a apli­ca­ção da hip­no­te­ra­pia tem si­do ali­a­da na me­lho­ria de há­bi­tos. O uso te­ra­pêu­ti­co da hip­no­se de­fi­ne a hip­no­te­ra­pia que tem por ob­je­ti­vo su­ge­rir me­lho­ri­as ao sub­cons­ci­en­te, re­e­du­car ou fa­zer uma aná­li­se da si­tu­a­ção que in­co­mo­da o pa­ci­en­te. Ela é um mé­to­do que in­te­gra a psi­co­te­ra­pia, área da psi­co­lo­gia que se com­pro­me­te em in­ves­ti­gar e tra­tar pro­ble­mas psi­co­ló­gi­cos. No ca­so do ema­gre­ci­men­to, Ta­li­ta Ma­ci­el ex­pli­ca tam­bém que, com o uso da hip­no­se, a sen­sa­ção de ca­pa­ci­da­de do estô­ma­go é re­du­zi­da a 20%, mas que is­so não dis­pen­sa uma di­e­ta equi­li­bra­da. “O ga­nho de pe­so es­tá atre­la­do a di­ver­sas va­riá­veis. Ge­ral­men­te as pes­so­as che­gam com trau­mas, apre­sen­tam si­tu­a­ções co­mo bullying, pro­ble­mas do pas­sa­do ou até mes­mo pro­ble­mas con­ju­gais. O tra­ba­lho de hip­no­se tam­bém aju­da no res­ga­te da au­to­es­ti­ma e do amor pró­prio. O tra­ba­lho nu­tri­ci­o­nal se tor­na mais fá­cil pa­ra am­bas as par­tes, sem o es­tres­se e ir­ri­ta­ção ge­ra­dos pe­la res­tri­ção ali­men­tar”, re­for­ça a nu­tri­ci­o­nis­ta.

A apli­ca­ção da hip­no­te­ra­pia pa­ra me­lho­rar a saúde ali­men­tar é ape­nas um dos exem­plos en­tre os ti­pos de apli­ca­ção. A se­guir, con­fi­ra ou­tras for­mas da hip­no­te­ra­pia que aju­dam a com­ba­ter trans­tor­nos emo­ci­o­nais, fí­si­cos, psi­co­ló­gi­cos, há­bi­tos e sen­ti­men­tos in­de­se­já­veis.

O PA­PEL DA HIP­NO­TE­RA­PIA

De acor­do com in­for­ma­ções do si­te da Omni Hyp­no­sis Trai­ning Bra­sil, o pa­pel do hip­no­te­ra­peu­ta é iden­ti­fi­car os even­tos cau­sa­do­res dos incô­mo­dos - que mui­tas ve­zes não são lem­bra­dos - e aju­dar o cli­en­te a con­fron­tá-los. “Nor­mal­men­te, os re­sul­ta­dos al­can­ça­dos com a hip­no­te­ra­pia são mais efe­ti­vos e rá­pi­dos do que com ou­tros mé­to­dos con­ven­ci­o­nais. Is­so ocor­re por­que a hip­no­se clí­ni­ca al­can­ça a men­te sub­cons­ci­en­te do in­di­ví­duo e tra­ta o trans­tor­no di­re­to em sua ori­gem”. Es­se al­can­ce à men­te sub­cons­ci­en­te co­mo es­tá des­cri­to no por­tal é a ba­se da hip­no­se. Mi­cha­el Ar­ru­da, presidente da Omni, es­cla­re­ce que en­trar em “estado de hip­no­se” sig­ni­fi­ca que nos­sa men­te cons­ci­en­te (aque­la par­te res­pon­sá­vel por nos­sos pen­sa­men­tos crí­ti­cos e ana­lí­ti­cos) fi­ca em se­gun­do pla­no, en­quan­to a nos­sa men­te sub­cons­ci­en­te (on­de es­tão nos­sos há­bi­tos, cren­ças e emo­ções) to­ma à fren­te e res­pon­de em seu lu­gar. “E en­trar nes­te ‘estado de hip­no­se’ é mui­to mais co­mum do que se pen­sa. Por exem­plo, quan­do es­ta­mos ven­do um fil­me emo­ci­o­nan­te. Ape­sar de sa­ber­mos que tu­do ali é fic­ção, ain­da as­sim nos en­vol­ve­mos e nos emo­ci­o­na­mos. Ou se­ja, a nos­sa men­te sub­cons­ci­en­te es­tá res- pon­den­do com emo­ções, mes­mo que a men­te cons­ci­en­te di­ga que é só uma his­tó­ria”, des­cre­ve Ar­ru­da. O tran­se hip­nó­ti­co que po­de ser apon­ta­do co­mo na­tu­ral, tam­bém po­de ser in­du­zi­do com a aju­da de um hipnotista. Ele é o pro­fis­si­o­nal que do­mi­na as téc­ni­cas que, ape­sar de se­rem fá­ceis, uma vez des­ti­na­das a tra­tar pro­ble­mas fí­si­cos e psi­co­ló­gi­cos pre­ci­sa de uma pes­soa trei­na­da na área da saúde. “A di­fe­ren­ça de pas­sar por uma hip­no­se com um hipnotista é que, ao in­vés da televisão, é uma pes­soa que es­tá dan­do as su­ges­tões. Po­rém o ‘estado’ em si é o mes­mo”, com­ple­ta Mi­cha­el Ar­ru­da.

QUAN­DO NÃO USAR A HIP­NO­TE­RA­PIA

De ma­nei­ra ge­ral, o uso da hip­no­te­ra­pia não re­ce­be mui­tas res­tri­ções. “Se al­guém não nas­ceu com um pro­ble­ma e não hou­ve uma cau­sa pa­ra que a men­te e o cor­po de­sen­vol­ves­sem tal con­di­ção, en­tão, é mui­to pro­vá­vel que a hip­no­te­ra­pia pos­sa aju­dar”, afir­ma Mi­cha­el Ar­ru­da, presidente da Omni Bra­sil. A apli­ca­ção de­ve ser fei­ta sem­pre por um pro­fis­si­o­nal qua­li­fi­ca­do, de pre­fe­rên­cia no con­sul­tó­rio do pró­prio hip­no­te­ra­peu­ta. Al­gu­mas ses­sões de hip­no­te­ra­pia po­dem du­rar até 3 horas. “Quan­to mais ce­do for apli­ca­da, me­lhor são os re­sul­ta­dos. Sen­do que ela não subs­ti­tui o tra­ta­men­to mé­di­co, que cui­da dos as­pec­tos fí­si­cos do pro­ble­ma”, re­co­men­da Mi­cha­el.

MI­NIS­TÉ­RIO DA SAÚDE RE­CO­NHE­CE A HIP­NO­TE­RA­PIA

No dia 12 de mar­ço de 2018, o Mi­nis­té­rio da Saúde in­cluiu à lis­ta de Prá­ti­cas In­te­gra­ti­vas e Com­por­ta­men­tais dez no­vos tra­ta­men­tos al­ter­na­ti­vos. En­tre eles, es­tá a Hip­no­te­ra­pia que pas­sou a ser usa­da no Sis­te­ma Úni­co de Saúde (SUS) co­mo tra­ta­men­to e co­mo pre­ven­ção de do­en­ças. Es­sa in­clu­são, no en­tan­to, pro­vo­ca al­guns sig­ni­fi­ca­dos so­ci­ais. De acor­do com o psi­có­lo­go clí­ni­co Gui­lher­me Rag­gi, mem­bro do Con­se­lho Re­gi­o­nal de Psi­co­lo­gia de São Pau­lo, é pos­sí­vel olhar es­sa in­clu­são de du­as for­mas. Rag­gi ex­pli­ca que por um la­do a in­clu­são po­de ser mui­to po­si­ti­va, pois a hip­no­se tem um lon­go his­tó­ri­co de es­tu­dos do pon­to de vis­ta ci­en­tí­fi­co e in­clu­si­ve há van­ta­gens já de­cla­ra­das pa­ra sis­te­mas pú­bli­cos de saúde, co­mo seu uso na re­du­ção da dor e es­tres­se nos pro­ce­di­men­tos, e por con­sequên­cia di­mi­nui­ção no cus­to com me­di­ca­ções e mais rá­pi­do tem­po de re­cu­pe­ra­ção dos pa­ci­en­tes. “Por ou­tro la­do fi­ca sem­pre a ques­tão de quem se­rão os profissionais que fa­rão os tra­ta­men­tos, qual a for­ma­ção ne­ces­sá­ria e afins. Que a hip­no­se po­de ser be­né­fi­ca não há dú­vi­das, mas a pre­o­cu­pa­ção é com a pre­ca­ri­za­ção do tra­ba­lho nes­sa pro­mes­sa de di­ver­si­fi­ca­ção dos tra­ta­men­tos, fi­na­li­za o psi­có­lo­go que tam­bém co­or­de­na o “Gru­po de Es­tu­dos de Hip­no­se e Es­ta­dos Al­te­ra­dos da Cons­ci­ên­cia (GEHIP) do La­bo­ra­tó­rio de Psi­co­lo­gia Ano­ma­lís­ti­ca e Pro­ces­sos Psi­cos­so­ci­ais da Uni­ver­si­da­de de São Pau­lo (USP).

"A hip­no­se é al­vo de pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas sé­ri­as e mui­to bem em­ba­sa­das, prin­ci­pal­men­te a par­tir do século XX. Mui­tas coi­sas in­te­res­san­tes fo­ram pes­qui­sa­das, e no ge­ral o in­te­res­se sem­pre foi pa­ra o uso clí­ni­co; há tam­bém pes­qui­sas de usos mais ex­pe­ri­men­tais, es­pe­ci­al­men­te pa­ra com­pre­en­der os me­ca­nis­mos de fun­ci­o­na­men­to da hip­no­se e tam­bém ou­tros me­ca­nis­mos psi­co­fi­si­o­ló­gi­cos"

Gui­lher­me Rag­gi, psi­có­lo­go clí­ni­co.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.