POR QUE AL­GU­MAS PES­SO­AS SÃO HIPNOTIZÁVEIS E OU­TRAS NÃO?

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Es­sa di­fe­ren­ça so­bre a hip­no­se em ca­da pes­soa ain­da é te­ma das in­ves­ti­ga­ções ci­en­tí­fi­cas. Mas o psi­có­lo­go e pes­qui­sa­dor Gui­lher­me Rag­gi co­men­ta que a hip­no­ti­za­bi­li­da­de é uma ca­rac­te­rís­ti­ca in­di­vi­du­al, mui­to si­mi­lar a ou­tras ca­ra­te­rís­ti­cas “de per­so­na­li­da­de”, mas tam­bém é sen­sí­vel ao con­tex­to e à apren­di­za­gem. “En­tão por exem­plo, en­quan­to al­gu­mas pes­so­as são na­tu­ral­men­te mais hipnotizáveis, ou­tras po­dem fi­car mais hipnotizáveis a par­tir da prá­ti­ca, as­sim co­mo de­pen­den­do do con­tex­to e das in­for­ma­ções que ela re­ce­beu”, elu­ci­da Rag­gi. Olhan­do o con­tex­to de ma­nei­ra ge­ral, o es­pe­ci­a­lis­ta aju­da a es­cla­re­cer que as pes­so­as com bo­as ha­bi­li­da­des de aten­ção, ha­bi­li­da­des ima­gi­na­ti­vas, e com ten­dên­cia à ab­sor­ção aque­le fenô­me­no de pres­tar tan­ta aten­ção em al­gu­ma coi­sa que aca­ba es­que­cen­do do res­to do mun­do, (por exem­plo quan­do as­sis­te a um fil­me ou si­mi­lar) são cos­tu­mei­ra­men­te mais hipnotizáveis”, fi­na­li­za Rag­gi.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.