Co­mo nas­ce um HIPNOTISTA

10 per­gun­tas e res­pos­tas so­bre o pro­fis­si­o­nal que pra­ti­ca a hip­no­se

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Ao es­co­lher a hip­no­te­ra­pia co­mo for­ma de tra­ta­men­to, é ne­ces­sá­rio bus­car por um pro­fis­si­o­nal pre­pa­ra­do e que do­mi­ne as téc­ni­cas hip­nó­ti­cas. E quem es­co­lhe tra­ba­lhar com a hip­no­se de for­ma te­ra­pêu­ti­ca de­ve ter uma cer­ti­fi­ca­ção ou es­pe­ci­a­li­za­ção na área pa­ra uso clí­ni­co. No Bra­sil, ge­ral­men­te são os profissionais da saúde co­mo psi­có­lo­gos, mé­di­cos e odon­to­lo­gis­tas que po­dem re­ce­ber trei­na­men­to. Há tam­bém cursos es­pe­ci­a­li­za­dos que en­si­nam téc­ni­cas e mé­to­dos com­ple­tos da uti­li­za­ção da hip­no­se pa­ra as pes­so­as, mes­mo que elas não te­nham for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. “O que de fa­to é ne­ces­sá­rio é a éti­ca e con­du­ta do pro­fis­si­o­nal. É mui­to im­por­tan­te pes­qui­sar, pois há mui­tas ins­ti­tui­ções no mercado”, ori­en­ta Lâ­mia Sa­ma­ra, hip­no­te­ra­peu­ta clí­ni­ca, es­pe­ci­a­lis­ta em ca­sos de do­en­ças psi­cos­so­má­ti­cas e blo­quei­os emo­ci­o­nais. Ao mes­mo tem­po, exis­tem as pes­so­as que usam a hip­no­se nos pal­cos e meio ar­tís­ti­co co­mo for­ma de en­tre­te­ni­men­to. A se­guir, lis­ta­mos dez per­gun­tas e res­pos­tas so­bre a for­ma­ção pro­fis­si­o­nal do hipnotista, as dú­vi­das fre­quen­tes e os con­cei­tos que mui­tas ve­zes po­dem ge­rar con­fu­são por aí, con­fi­ra:

1 Qual a di­fe­ren­ça en­tre hip­nó­lo­go, hipnotista e hip­no­te­ra­peu­ta?

De acor­do com a hip­no­te­ra­peu­ta Lâ­mia Sa­ma­ra, o hip­nó­lo­go é aque­le que es­tu­da a hip­no­se, en­quan­to o hipnotista é quem a pra­ti­ca, tan­to pa­ra uso te­ra­pêu­ti­co quan­to pa­ra fins de en­tre­te­ni­men­to. Ela ex­pli­ca que pa­ra aque­les que fa­zem uso ex­clu­si­va­men­te da hip­no­se clí­ni­ca, o ter­mo mais co­mum é “hip­no­te­ra­peu­ta”.

2 O hipnotista faz a pes­soa dor­mir?

Hip­no­se não é so­no. Mui­tos profissionais se pre­o­cu­pam em es­cla­re­cer is­so, pois du­ran­te a hip­no­se a pes­soa es­tá em um estado de au­men­to do fo­co de aten­ção, com re­du­ção da per­cep­ção pe­ri­fé­ri­ca. Por is­so, tem um au­men­to na ca­pa­ci­da­de de res­pon­der a su­ges­tões di­ver­sas, con­for­me o hipnotista ori­en­ta. Mas as pes­so­as hip­no­ti­za­das, ge­ral­men­te com a ca­be­ça bai­xa e cor­po mais re­la­xa­do, não es­tão dor­min­do. Não há uma re­la­ção de con­tro­le do hipnotista sob o hip­no­ti­za­do.

3 Quais são os fun­da­men­tos que um hipnotista de­ve apren­der?

Ca­da área da saúde ha­bi­li­ta­da a uti­li­zar a hip­no­se de­fi­ne os pro­ce­di­men­tos mais ade­qua­dos de acor­do com a ne­ces­si­da­de de ca­da pa­ci­en­te. Mas no ge­ral, os prin­cí­pi­os da hip­no­se abran­gem: a boa con­du­ta do hipnotista que sem­pre de­ve con­ver­sar com a pes­soa e atu­ar a par­tir do con­sen­ti­men­to de­la. Na­da de­ve ser fei­to sem a au­to­ri­za­ção do pa­ci­en­te e é im­por­tan­te es­cla­re­cer que a pes­soa só se­rá hip­no­ti­za­da se qui­ser mes­mo.

4 Há uma lei so­bre a atu­a­ção pro­fis­si­o­nal dos hip­no­tis­tas?

Não há uma lei que re­gu­la­men­ta o uso da hip­no­se no Bra­sil. No en­tan­to, exis­tem re­so­lu­ções de áre­as da me­di­ci­na que re­co­nhe­cem e per­mi­tem o uso da hip­no­se. Os Con­se­lhos Fe­de­rais de Me­di­ci­na, Psi­co­lo­gia, Fi­si­o­te­ra­pia e Odon­to­lo­gia re­co­nhe­cem a hip­no­se co­mo for­ma de tra­ta­men­to. Re­cen­te­men­te, em mar­ço de 2018, a hip­no­te­ra­pia en­trou pa­ra a lis­ta de prá­ti­cas in­te­gra­ti­vas e se­rá usa­da no Sis­te­ma Úni­co de Saúde (SUS).

5 Co­mo ter cui­da­do com as pes­so­as que usam a hip­no­se pa­ra en­ga­nar cli­en­tes?

Ape­sar da hip­no­se ser fer­ra­men­ta da me­di­ci­na bra­si­lei­ra ain­da há mui­tas pes­so­as

que a uti­li­zam pa­ra en­ga­nar ou­tras. Des­sa ma­nei­ra, ao pro­cu­rar um hipnotista é ne­ces­sá­rio le­var al­guns as­pec­tos em con­ta pa­ra não ser en­ga­na­do. De acor­do com as ori­en­ta­ções da hip­no­te­ra­peu­ta Lâ­mia Sa­ma­ra, é ade­qua­do: 1) pe­dir in­di­ca­ção de pro­fis­si­o­nal a al­guém pró­xi­mo ou que vo­cê con­fie; 2) con­si­de­rar a com­pe­tên­cia e cer­ti­fi­ca­ção na área; 3) le­var em con­si­de­ra­ção a lo­ca­li­za­ção, pois ge­ral­men­te se­rá ne­ces­sá­rio mais de uma ses­são; 4) ob­ser­var a dis­po­si­ção do hip­no­te­ra­peu­ta em es­cla­re­cer to­das as dú­vi­das e dei­xar o cli­en­te à von­ta­de.

6 O hip­no­te­ra­peu­ta uti­li­za al­gum me­di­ca­men­to du­ran­te a ses­são de hip­no­se?

Não. A hip­no­se é um pro­ce­di­men­to na­tu­ral, in­do­lor e sem uso de me­di­ca­men­tos.

7 É obri­ga­tó­rio que o hip­no­te­ra­peu­ta te­nha co­nhe­ci­men­to em psi­co­te­ra­pia?

A prá­ti­ca da hip­no­se não é mui­to com­ple­xa. Mas se­gun­do a co­a­ch Ma­da­le­na Fe­li­ci­a­no é bom dei­xar cla­ro que hip­no­ti­zar, ape­sar de fá­cil, é ape­nas o pri­mei­ro pas­so no sen­ti­do de re­a­li­zar al­go de útil e te­ra­pêu­ti­co com o cli­en­te. “Pa­ra is­so, é pre­ci­so ter mais es­tu­do, ou se­ja, além de ter fei­to um cur­so de hip­no­se clás­si­ca ou Erick­so­ni­a­na, é pre­ci­so ter co­nhe­ci­men­tos de psi­co­te­ra­pia ou ter con­cluí­do um cur­so avan­ça­do de hip­no­se clí­ni­ca que tra­ga em seu con­teú­do uma abor­da­gem te­ra­pêu­ti­ca”, aler­ta Fe­li­ci­a­no.

8 O que é a cer­ti­fi­ca­ção ISO 9001?

Tra­ta-se de uma fer­ra­men­ta es­tra­té­gi­ca in­ter­na­ci­o­nal que ates­ta que uma de­ter­mi­na­da em­pre­sa age em con­for­mi­da­de com o con­jun­to de di­re­tri­zes e nor­mas da Or­ga­ni­za­ção ISO. Es­se con­jun­to de di­re­ci­o­na­men­tos ates­ta a qua­li­da­de e bom ge­ren­ci­a­men­to da or­ga­ni­za­ção, in­de­pen­den­te da sua área de atu­a­ção e seg­men­to. A OMNI foi o pri­mei­ro ins­ti­tu­to de hip­no­te­ra­pia do mun­do a re­ce­ber es­sa cer­ti­fi­ca­ção.

9 Ao con­cluir os es­tu­dos, o hipnotista re­ce­be um di­plo­ma ou cer­ti­fi­ca­do?

Ge­ral­men­te, a pes­soa que pro­cu­rou cursos de hip­no­se e hip­no­te­ra­pia re­ce­bem um cer­ti­fi­ca­do.

10 O hipnotista po­de atu­ar em qual­quer lu­gar?

A pes­soa que uti­li­za a hip­no­se pa­ra en­tre­te­ni­men­to, po­de hip­no­ti­zar qual­quer lu­gar. No en­tan­to, pa­ra os profissionais da hip­no­te­ra­pia que uti­li­zam a hip­no­se clí­ni­ca, o ide­al é que o tran­se hip­nó­ti­co se­ja re­a­li­za­do em um lu­gar con­for­tá­vel e seguro. Ge­ral­men­te, são uti­li­za­das as clí­ni­cas de hip­no­te­ra­pia on­de os pró­pri­os profissionais tra­ba­lham.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.