Vá­ri­as DE­FI­NI­ÇÕES

Reu­ni­mos as prin­ci­pais ex­pli­ca­ções a res­pei­to do con­cei­to de in­te­li­gên­cia, um te­ma que in­tri­ga os ci­en­tis­tas e ain­da es­tá mui­to lon­ge de ser um con­sen­so

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Es­tá pa­ra exis­tir um ter­mo que di­vi­da tan­to as opi­niões dos ci­en­tis­tas quan­to “in­te­li­gên­cia”. E en­ga­na-se quem pen­sa que o de­ba­te é re­cen­te. “Es­sa é uma dis­cus­são que exis­te há mais de cem anos”, re­la­ta o psi­có­lo­go Bayard Gal­vão. Tu­do por­que es­se con­cei­to abra­ça um nú­me­ro de ca­rac­te­rís­ti­cas bas­tan­te am­plo — uma pes­soa clas­si­fi­ca­da co­mo in­te­li­gen­te po­de ser al­guém es­tu­di­o­so, um in­di­ví­duo com opi­niões fir­mes, ou­tro que do­mi­na to­das as eta­pas do pro­ces­so de uma ati­vi­da­de, al­guém que con­se­gue as­si­mi­lar uma quan­ti­da­de enor­me de in­for­ma­ções... A lis­ta não pa­ra, só com­pro­van­do a com­ple­xi­da­de des­se ter­mo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.