Ca­da um TEM A SUA!

Co­nhe­ça os di­fe­ren­tes ti­pos de in­te­li­gên­cia e en­ten­da o ques­ti­o­na­men­to so­bre a ori­gem das ca­pa­ci­da­des pes­so­ais

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Ana­tu­re­za hu­ma­na é um as­sun­to ca­paz de ge­rar gran­des dis­cus­sões fi­lo­só­fi­cas. Nas­ce­mos co­mo uma fo­lha em bran­co a ser pre­en­chi­da de acor­do com as ex­pe­ri­ên­ci­as, co­mo su­ge­re a te­o­ria da tá­bu­la ra­sa do in­glês John Loc­ke, ou ca­da um car­re­ga em si ca­rac­te­rís­ti­cas pró­pri­as e pré-dis­po­si­ções? O ar­ti­go do psi­có­lo­go ame­ri­ca­no Carl Ro­gers, Uma no­ta so­bre a na­tu­re­za do ho­mem - com o título ori­gi­nal No­te on the Na­tu­re of Man, pu­bli­ca­do no Jour­nal of Coun­se­ling Psy­cho­logy -, lem­bra a te­se de D. E. Wal­ker, cu­jo con­teú­do afir­ma: “Freud her­da a tra­di­ção de Agos­ti­nho em sua cren­ça de que o ho­mem é bá­si­ca e fun­da­men­tal­men­te hos­til, an­tis­so­ci­al e car­nal” e o pró­prio Carl Ro­gers “é o sucessor de Rous­se­au (que ob­ser­va) que to­do ho­mem vem da mão de seu Cri­a­dor co­mo um ser per­fei­to. Es­te es­plen­dor pri­mor­di­al é cor­rom­pi­do, dis­se Rous­se­au, por uma so­ci­e­da­de im­per­fei­ta”. Ten­do em vis­ta tais ex­pli­ca­ções so­bre as for­mas co­mo um in­di­ví­duo po­de se de­sen­vol­ver, trans­fe­ri­mos o de­ba­te pa­ra a ques­tão da in­te­li­gên­cia. Quan­do pen­sa­mos em médicos com­pe­ten­tes, atle­tas

di­fe­ren­ci­a­dos ou no­mes de des­ta­que em ou­tras áre­as, co­mo o es­cri­tor Ma­cha­do de As­sis e o fí­si­co Al­bert Eins­tein, ques­ti­o­na­mos: es­sas pes­so­as são ta­len­to­sas, nas­ce­ram com in­cli­na­ção ao su­ces­so, ou fo­ram as ex­pe­ri­ên­ci­as, opor­tu­ni­da­des e a de­di­ca­ção que de­ter­mi­na­ram seus êxi­tos? O cé­re­bro de­les é di­fe­ren­te? De acor­do com Ro­dri­go Frei­tas, mé­di­co es­pe­ci­a­lis­ta em es­por­tes, os cé­re­bros são ana­to­mi­ca­men­te iguais, mas com trei­na­men­to, es­for­ço e de­di­ca­ção, eles aca­bam se pro­gra­man­do pa­ra se­rem di­fe­ren­tes. “O ta­len­to é a con­jun­ção do es­for­ço e da prá­ti­ca; é as­sim que os di­fe­ren­ci­ais são de­sen­vol­vi­dos”, afir­ma o pro­fis­si­o­nal. No en­tan­to, a psi­có­lo­ga e psi­co­te­ra­peu­ta Mau­ra de Al­ba­ne­si ava­lia que to­dos nas­cem com ta­len­tos, ca­rac­te­rís­ti­cas e ha­bi­li­da­des, as quais po­dem ser de­sen­vol­vi­das ou atro­fi­a­das de­pen­den­do do am­bi­en­te em que ca­da um vi­ve e da edu­ca­ção re­ce­bi­da. “Al­guns pen­sa­do­res se­guem a te­o­ria da tá­bu­la ra­sa, mas acre­di­to no co­nhe­ci­men­to ar­que­tí­pi­co (con­cei­to cu­nha­do pe­lo psi­có­lo­go Carl Gus­tav Jung, que des­cre­ve a exis­tên­cia de ima­gens psí­qui­cas in­cons­ci­en­tes pas­sa­das ge­ne­ti­ca­men­te en­tre po­vos)”, ana­li­sa.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.