Co­mo ME­DIR?

Ava­li­ar a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al é de­se­jo de mui­tas pes­so­as — mas tam­bém pos­sui im­por­tân­cia em di­ver­sas áre­as. Co­nhe­ça a tra­je­tó­ria das téc­ni­cas que me­dem as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Quan­do se fa­la em in­te­li­gên­cia, uma das prin­ci­pais curiosidades de mui­ta gen­te é sa­ber até que pon­to che­ga a pró­pria ha­bi­li­da­de cog­ni­ti­va. Em meio a es­se de­se­jo, al­guns tes­tes fo­ram cri­a­dos com o ob­je­ti­vo de ava­li­ar as ca­pa­ci­da­des in­te­lec­tu­ais do ser hu­ma­no. En­tre in­ter­pre­ta­ções e res­pos­tas, ca­da exa­me apli­ca­do é res­pon­sá­vel por de­fi­nir a pon­tu­a­ção re­fe­ren­te a as­pec­tos co­mo ra­ci­o­cí­nio ló­gi­co e ca­pa­ci­da­des de de­sem­pe­nho e ver­bal.

DE­SE­JO AN­TI­GO

A von­ta­de do ser hu­ma­no de me­dir as coi­sas não vem de ho­je. No de­cor­rer da His­tó­ria, po­de­mos en­con­trar di­ver­sas ten­ta­ti­vas que se con­fir­ma­ram co­mo fun­da­men­tais pa­ra in­ven­ções que me­lho­ra­ram a qua­li­da­de de vi­da da so­ci­e­da­de. Al­guns exem­plos são as des­co­ber­tas das ve­lo­ci­da­des dos ob­je­tos e da luz, a gra­vi­da­de e a dis­tân­cia en­tre os pla­ne­tas e o sol. Quan­do as ques­tões fí­si­cas não da­vam mais con­ta de sa­tis­fa­zer es­sa ne­ces­si­da-

Mes­mo com a per­da de es­pa­ço nos úl­ti­mos anos, os tes­tes de QI ain­da têm im­por­tân­cia pa­ra cer­tas pes­qui­sas ci­en­tí­fi­cas e ava­li­a­ções de pa­ci­en­tes

de (já que o ser hu­ma­no con­se­guiu ava­li­ar qua­se tu­do ao seu re­dor), a aten­ção vol­tou-se pa­ra coi­sas abs­tra­tas. Com is­so, pes­qui­sa­do­res pas­sa­ram a es­tu­dar as ca­pa­ci­da­des cog­ni­ti­vas.por meio de um dos pri­mei­ros mé­to­dos uti­li­za­dos pa­ra es­sa fi­na­li­da­de, cha­ma­do fre­no­lo­gia, pro­fis­si­o­nais ana­li­sa­vam a es­tru­tu­ra do crâ­nio do pa­ci­en­te (ve­ri­fi­can­do su­as di­men­sões, por exem­plo) e, com o au­xí­lio dos re­sul­ta­dos ob­ti­dos, ten­ta­vam es­ta­be­le­cer al­guns que­si­tos, co­mo a per­so­na­li­da­de e as ha­bi­li­da­des in­te­lec­tu­ais de­le. “Os fre­no­lo­gis­tas acre­di­ta­vam que to­das as ca­rac­te­rís­ti­cas de um in­di­ví­duo es­ta­vam abri­ga­das em lo­ca­li­za­ções es­pe­cí­fi­cas do cé­re­bro. En­tão, eles che­ga­vam a me­dir a ca­be­ça, e, ca­so hou­ves­se um ca­lom­bo na par­te de trás da ca­be­ça, ele po­de­ria ter mais ha­bi­li­da­de em de­ter­mi­na­da fun­ção”, ex­pli­ca o dou­tor em ci­ên­ci­as mé­di­cas Mar­ce­lo Ba­tis­tuz­zo.es­sa apro­pri­a­ção ini­ci­al de pro­ce­di­men­tos fí­si­cos (que lo­go caiu por ter­ra) não es­ta­va to­tal­men­te equi­vo­ca­da, pois, jun­ta­men­te ao avan­ço tec­no­ló­gi­co ocor­ri­do nos anos se­guin­tes, es­sas aná­li­ses ser­vi­ram de ba­se pa­ra que fos­sem iden­ti­fi­ca­das as re­giões ce­re­brais li­ga­das às po­ten­ci­a­li­da­des cog­ni­ti­vas.

ANÁ­LI­SE APRI­MO­RA­DA

No pe­río­do en­tre o fi­nal do sé­cu­lo 19 e iní­cio do sé­cu­lo 20, o pro­ces­so neu­rop­si­co­ló­gi­co co­me­çou a ga­nhar no- vas pers­pec­ti­vas — mé­ri­to prin­ci­pal­men­te do psi­có­lo­go fran­cês Al­fred Bi­net, con­si­de­ra­do um dos pi­o­nei­ros nes­se ti­po de avaliação, pois seus le­van­ta­men­tos ser­vi­ram de ba­se pa­ra gran­de par­te de pro­ce­di­men­tos re­a­li­za­dos até ho­je.a prin­cí­pio, o psi­có­lo­go tam­bém ade­riu à fre­no­lo­gia, mas por pou­co tem­po, já que ve­ri­fi­cou a ine­fi­ci­ên­cia do mé­to­do. De­pois de al­gum tem­po e de no­vos ex­pe­ri­men­tos fo­ca­dos na ca­pa­ci­da­de men­tal, com a aju­da do par­cei­ro Théo­do­re Si­mon, Bi­net de­sen­vol­veu um tes­te pa­ra ava­li­ar o de­sen­vol­vi­men­to in­te­lec­tu­al de cri­an­ças e ob­ter um di­ag­nós­ti­co so­bre su­as ne­ces­si­da­des.com is­so, ini­ci­ou a era de trans­for­mar em números a in­te­li­gên­cia de uma pes­soa. Em um pri­mei­ro mo­men­to, es­ta­be­le­ceu-se o que foi cha­ma­do de “mé­dia” pa­ra ca­da ida­de com ba­se em tes­tes apli­ca­dos em pes­so­as de di­ver­sas ida­des. As­sim, fo­ram en­con­tra­dos, por exem­plo, pa­drões de acer­tos em ca­da fai­xa etá­ria pa­ra clas­si­fi­car a in­te­li­gên­cia.a par­tir des­ses pa­râ-

me­tros, sur­gi­ram inú­me­ros ou­tros tes­tes até que, no iní­cio do sé­cu­lo pas­sa­do, o psi­có­lo­go ale­mão Wil­li­am Stern propôs o con­cei­to de quo­ci­en­te de in­te­li­gên­cia — ain­da um pou­co dis­tan­te da ideia que se tem atu­al­men­te.

A CON­SO­LI­DA­ÇÃO DO QI

Na­que­la épo­ca, os pou­cos re­cur­sos tec­no­ló­gi­cos im­pos­si­bi­li­ta­vam uma avaliação mais apro­fun­da­da so­bre as ha­bi­li­da­des cog­ni­ti­vas de um in­di­ví­duo. Con­tu­do, com o pas­sar dos anos, o mé­to­do do QI foi sen­do apri­mo­ra­do pa­ra am­pli­ar as pos­si­bi­li­da­des de aná­li­se. Ou­tro no­me im­por­tan­te pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to des­sa área foi o psi­có­lo­go ro­me­no Da­vid We­chs­ler, que pro­mo­veu uma ba­te­ria de tes­tes e pas­sou a con­si­de­rar as­pec­tos es­pe­cí­fi- cos pa­ra ob­ter o re­sul­ta­do fi­nal.com is­so, Da­vid de­sen­vol­veu su­as pró­pri­as ava­li­a­ções, de­no­mi­na­das Es­ca­las de We­chs­ler. Des­de en­tão, es­ses pro­ce­di­men­tos se tor­na­ram as prin­ci­pais ins­pi­ra­ções pa­ra pro­fis­si­o­nais ava­li­a­rem a ca­pa­ci­da­de in­te­lec­tu­al dos pa­ci­en­tes. Além dis­so, há a di­vi­são en­tre a Es­ca­la de In­te­li­gên­cia We­chs­ler pa­ra Adul­tos e a Es­ca­la de In-

te­li­gên­cia We­chs­ler pa­ra Cri­an­ças, o que fa­ci­li­ta a abor­da­gem pa­ra ca­da ca­so. “Os dois exem­plos são com­pos­tos por uma ba­te­ria de 12 sub­tes­tes. Me­ta­de for­ne­ce uma me­di­da de QI de de­sem­pe­nho (QID), e a ou­tra re­sul­ta em uma me­di­da de QI ver­bal (QIV). Os seis sub­tes­tes que con­tri­bu­em pa­ra o QID são blo­cos, mon­ta­gem de ob­je­tos, ar­ran­jo de fi­gu­ras, con­clu­são de ima­gens, co­di­fi­ca­ção e la­bi­rin­tos. Os de­mais, li­ga­dos ao QIV, são com­pos­tos por in­for­ma­ções, se­me­lhan­ças, vo­ca­bu­lá­rio, arit­mé­ti­ca, com­pre­en­são e ex­ten­são de dí­gi­tos”, des­cre­ve o mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia Mar­tin Port­ner. Ain­da va­le a pe­na? Por con­ta de os tes­tes de QI não reu­ni­rem ava­li­a­ções li­ga­das a di­ver­sas ha­bi­li­da­des, mui­to se dis­cu­te, atu­al­men­te, a res­pei­to de sua va­li­da­de. Se, no pas­sa­do, os ra­ci­o­cí­ni­os rá­pi­do e ló­gi­co eram pri­o­ri­da­des, por exem­plo, no ce­ná­rio atu­al, ou­tras ver­ten­tes ga­nha­ram des­ta­que, co­mo a ca­pa­ci­da­de de se adap­tar ao am­bi­en­te.se­gun­do Mar­ce­lo, ape­sar de ser de­fen­di­do por al­guns e in­va­li­da­do por ou­tros, es­se ti­po de avaliação “não po­de ser con­si­de­ra­do de­fa­sa­do, já que ain­da é mui­to uti­li­za­do em pes­qui­sas e pa­ra res­pon­der ques­tões no âm­bi­to cog­ni­ti­vo”.pa­ra Mar­tin, a ver­ten­te tra­ba­lha­da pe­los tes­tes de QI já foi al­vo de mui­tas crí­ti­cas por ser “po­li­ti­ca­men­te in­cor­re­ta”, o que aca­bou con­du­zin­do tais re­cur­sos pa­ra um se­gun­do pla­no. Ain­da as­sim, pos­su­em re­le­vân­cia no de­sen­vol­vi­men­to de es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos e prá­ti­cos com pa­ci­en­tes.

CONSULT ORIAS Mar­ce­lo Ba­tis­tuz­zo, dou­tor em ci­ên­ci­as mé­di­cas; Mar­tin Port­ner, neu­ro­lo­gis­ta e mes­tre em neu­ro­ci­ên­cia pe­la Uni­ver­si­da­de de Ox­ford, na Inglaterra; Mau­ra de Al­ba­ne­si, mes­tra em psi­co­lo­gia

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.