CON­TRI­BUI­ÇÃO EM OU­TRAS ÁRE­AS

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Os re­sul­ta­dos ob­ti­dos por meio dos tes­tes li­ga­dos ao QI têm a pos­si­bi­li­da­de de con­tri­buir em di­ver­sas áre­as e pa­ra inú­me­ros ca­sos. Por exem­plo, um re­sul­ta­do mui­to bai­xo em uma das ava­li­a­ções po­de ser um in­dí­cio de que o pa­ci­en­te apre­sen­ta um dé­fi­cit cog­ni­ti­vo – in­clu­si­ve, in­ter­fe­rin­do na sua ca­pa­ci­da­de de in­ter­pre­tar os fatos e, até mes­mo, na ma­nei­ra de se ex­pres­sar. “Po­de­mos pen­sar que o tes­te de QI sim­pli­fi­ca mui­to as aná­li­ses”, pon­tua a mes­tra em psi­co­lo­gia Mau­ra de Al­ba­ne­si. Ain­da as­sim, es­se mé­to­do con­ti­nua sen­do mui­to con­tes­ta­do, prin­ci­pal­men­te pe­lo fa­to de ter si­do as­so­ci­a­do à de­fi­ni­ção ab­so­lu­ta de in­te­li­gên­cia du­ran­te mui­to tem­po.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.