Fa­ça CONTATOS

Ve­ja a im­por­tân­cia de usar a in­te­li­gên­cia re­la­ci­o­nal pa­ra man­ter os re­la­ci­o­na­men­tos sem­pre ati­vos. E ain­da: apren­da tá­ti­cas pa­ra mo­bi­li­zar pes­so­as e com­par­ti­lhar su­as ideias

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Vo­cê po­de até ima­gi­nar que cons­truir re­la­ções in­ter­pes­so­ais é im­por t an­te ape - nas pa­ra quem bus­ca um no­vo emprego, mas, na re­a­li­da­de, es­sa re­de de cont atos t am - bém é útil pa­ra quem quer l evar uma ideia pa­ra fren­te. Is­so por­que, quan­do vo­cê con­ta com a aju­da de ou­tras pes­so­as, tal ta­re­fa tor­na-se mui­to mais sim­ples. Afi­nal, elas po­dem co­la­bo­rar com co - men­tá­ri­os e tam­bém en­ca­mi­nhar sua su­ges­tão pa­ra os ní­veis res­pon­sá­veis ou su­pe­ri­o­res — ou mes­mo di­vul­gar sua ideia en­tre ami­gos, fa­mi­li­a­res e co­le­gas de tra­ba­lho. Em su­ma, a in­te­li­gên­cia re­la­ci­o­nal — co­mo é co­nhe­ci­da a ci­ên­cia des­sa re­de de li­ga­ções — é mui­to útil no dia a dia do mer­ca­do de tra­ba­lho. Po­rém, co­mo e por que apli­cá-la?

TU­DO INTERLIGADO

Na dé­ca­da de 1960, o psi­có­lo­go es­ta­du­ni­den­se Stan­ley Mil­gram se de­bru­çou so­bre a ideia dos “seis graus de se­pa­ra­ção”, que su­ge­ria que en­tre vo­cê e ou­tra pes­soa em qual­quer lu­gar do mun­do exis­tem, em mé­dia, seis co­ne­xões. Pa­ra a pes­qui­sa, Stan­ley se­le­ci­o­nou 296 vo­lun­tá­ri­os e pe­diu pa­ra que man­das­sem uma men­sa­gem pa­ra uma pes­soa es­pe- cí­fi­ca que vi­via na ci­da­de de Sha­ron, no es­ta­do de Mas­sa­chu­setts, nos Es­ta­dos Uni­dos. No en­tan­to, não po­de­ri­am en­vi­ar o re­ca­do di­re­ta­men­te pa­ra o in­di­ví­duo, mas pa­ra al­guém que pa­re­ces­se ser mais pro­vá­vel de co­nhe­cê-lo. Des­sa ma­nei­ra, Mil­gram des­co­briu que o nú­me­ro mé­dio de la­ços que li­ga­vam as pes­so­as era de 5,2 — ou me­lhor, seis co­ne­xões. O ex­pe­ri­men­to mos­trou que há pou­ca se­pa­ra­ção en­tre du­as pes­so­as e, além dis­so, que é pos­sí­vel re­la­ci­o­nar-se com to­da a re­de de contatos sem co­nhe­cê-la por com­ple­to. Ho­je, com a aju­da da tec­no­lo­gia, es­se nú­me­ro di­mi­nui — pe­lo me­nos é o que afir­ma uma pes­qui­sa do Facebook em par­ce­ria com o La­bo­ra­tó­rio de Al­go­rit­mos da Web da Uni­ver­si­da­de de Mi­lão, na Itá­lia. Di­fe­ren­te­men­te do que foi fei­to por Mil­gram, os ci­en­tis­tas pu­de­ram apli­car o es­tu­do em es­ca­la glo­bal.

Eles des­co­bri­ram que seis graus de se­pa­ra­ção eram, na ver­da­de, em mui­tos ca­sos, um exa­ge­ro. Em 2008, a dis­tân­cia en­tre du­as pes­so­as era de 5,28 la­ços. Em 2011, o nú­me­ro diminuiu pa­ra 4,74. Em ou­tras pa­la­vras, os usuá­ri­os es­tão mais pró­xi­mos uns dos ou­tros. Con­tu­do, quan­do os pes­qui­sa­do­res li­mi­ta­ram a avaliação pa­ra ape­nas um país, des­co­bri­ram que o “mun­do po­de ser ain­da me­nor”, pois en­con­tra­ram ape­nas qua­tro la­ços. Po­rém, eles ain­da lem­bram que, di­fe­ren­te dos vo­lun­tá­ri­os de Mil­gram, os softwa­res fo­ram pro­gra­ma­dos pa­ra fazer o ca­mi­nho mais cur­to pa­ra che­gar até ou­tro in­di­ví­duo. Ape­sar des­sa nova re­a­li­da­de, um ou­tro pro­ble­ma me­re­ce des­ta­que. Se es­ta­mos ca­da vez mais per­to e mais pró­xi­mos, por que ain­da te­mos tan­ta di­fi­cul­da­de pa­ra apli­car a in­te­li­gên­cia re­la­ci­o­nal no dia a dia? Tal­vez o ca­mi­nho tra­ça­do se­ja o em­pe­ci­lho.

NA PRÁ­TI­CA

“Pa­ra man­ter os re­la­ci­o­na­men­tos ati­vos e com qua­li­da­de, é pre­ci­so de­mons­trar que a uti­li­da­de é re­cí­pro­ca, ca­so con­trá­rio, quem es­tá do ou­tro la­do po­de se sen­tir usa­do. En­tão, mos­tre dis­po­ni­bi­li­da­de e in­te­res­se de for­ma sin­ce­ra. Se não for o ca­so, não fa­ça”, su­ge­re a es­pe­ci­a­lis­ta em edu­ca­ção pro­fis­si­o­nal Li­li­a­ne Mo­rei­ra. De acor­do com a pro­fis­si­o­nal, sem­pre que sur­gir uma opor tu­ni­da­de, vo­cê po­de se apro­xi­mar pa­ra ini­ci­ar uma con­ver­sa, mes­mo que bre­ve. Fi­que por den­tro das no­vas re­a­li­za­ções de seus contatos e não per­ca a opor­tu­ni­da­de de co­men­tar so­bre o fa­to. Usar o Facebook ou o Lin­ke­din é uma boa ma­nei­ra de ter co­nhe­ci­men­to so­bre es­ses even­tos — e tal­vez até mes­mo uma via mais fá­cil pa­ra fazer um elo­gio. Li­li­a­ne tam­bém su­ge­re que vo­cê fre­quen­te pa­les­tras, cur­sos e ou­tros even­tos re­la­ci­o­na­dos ao seu ob­je­ti­vo pa­ra co­nhe­cer pes­so­as com in­te­res­ses com­pa­tí­veis. Des­sa for­ma, não es­pe­re que as opor­tu­ni­da­des apa­re­çam, mas sim crie-as. Afi­nal, contatos sem re­la­ci­o­na­men­tos são ape­nas contatos. De na­da adi­an­ta ter cen­te­nas de co­ne­xões no Facebook se vo­cê não con­ver­sa com es­sas pes­so­as (in­clu­si­ve pes­so­al­men­te).

E DEN­TRO DE UMA EM­PRE­SA?

Se vo­cê não pen­sa em abrir o pró­prio ne­gó­cio, po­rém te­ve uma ideia sen­sa­ci­o­nal e quer com­par­ti­lhá-la com os co­le-

“Pa­ra man­ter os re­la­ci­o­na­men­tos ati­vos e com qua­li­da­de, é pre­ci­so de­mons­trar que a uti­li­da­de é re­cí­pro­ca, ca­so con­trá­rio, quem es­tá do ou­tro la­do po­de se sen­tir usa­do” Li­li­a­ne Mo­rei­ra, es­pe­ci­a­lis­ta em edu­ca­ção pro­fis­si­o­nal

gas de tra­ba­lho ou mes­mo com o seu chefe, sai­ba que a in­te­li­gên­cia re­la­ci­o­nal po­de aju­dar vo­cê. Ela é mui­to útil pa­ra mo­bi­li­zar pes­so­as e re­cur­sos em bus­ca de um ob­je­ti­vo co­mum — se­ja pro­mo­ver a inovação, pro­ces­sos mais efi­ci­en­tes, me­lho­res re­sul­ta­dos ou a cri­a­ti­vi­da­de. Po­rém, vo­cê tam­bém po­de apli­car es­se con­cei­to com seus cli­en­tes e for­ne­ce­do­res. “Lem­brar do cli­en­te ou for­ne­ce­dor só na ho­ra de fe­char um ne­gó­cio não é re­la­ci­o­na­men­to. Man­ter uma re­la­ção sau­dá­vel com eles é in­ves­tir no con­ta­to fí­si­co ou vir­tu­al mes­mo após o acor­do re­a­li­za­do”, des­ta­ca Li­li­a­ne. Se­gun­do a es­pe­ci­a­lis­ta em edu­ca­ção pro­fis­si­o­nal, es­se con­ta­to po­de ser re­a­li­za­do por meio de uma li­ga­ção em tom in­for­mal pa­ra sa­ber a sa­tis­fa­ção após a ne­go­ci­a­ção, con­vi­tes pa­ra even­tos da or­ga­ni­za­ção e pro­du­ção de con­teú­do que pos­sa pro­por­ci­o­nar co­nhe­ci­men­to re­le­van­te. Ou­tra di­ca va­li­o­sa pa­ra li­dar com for­ne­ce­do­res ou com­pra­do­res do seu pro- du­to é man­ter mais de um con­ta­to den­tro do ne­gó­cio. Ima­gi­ne que seu úni­co co­nhe­ci­do pe­de de­mis­são — o que vo­cê faz? O tra­ba­lho é re­do­bra­do pa­ra con­ven­cer uma ou­tra pes­soa de que ofe­re­ce o me­lhor ser vi­ço ou a ma­té­ria-pri­ma ide­al pa­ra aqui­lo que pro­duz. As­sim, al­gu­mas tá­ti­cas po­dem aju­dar: ofe­re­ça sem­pre fol­ders ou en­vie e-mails so­bre no­vas op­ções de pro­du­tos/ ser­vi­ços, pro­cu­re fi­car por den­tro das ten­dên­ci­as e dos acon­te­ci­men­tos que en­vol­vem seus for­ne­ce­do­res. Já com os cli­en­tes, crie news­let­ters ou, ca­so seu pú­bli­co se­ja pe­que­no e mui­to seg­men­ta­do, te­le­fo­ne pa­ra in­for­mar so­bre pro­mo­ções. Com fun­ci­o­ná­ri­os, vo­cê po­de cri­ar pa­les­tras den­tro da em­pre­sa. Por exem­plo, a ca­da se­ma­na, al­guém pre­pa­ra uma apre­sen­ta­ção de dez mi­nu­tos so­bre um te­ma que do­mi­na e en­si­na is­so pa­ra ou­tros co­le­gas. Des­sa for­ma, o co­nhe­ci­men­to é trans­mi­ti­do e, com a com­bi­na­ção de ideias, so­lu­ções pa­ra pro­ble­mas, pro­du­tos e ser­vi­ços po­dem sur­gir. E os fun­ci­o­ná­ri­os sa­bem pa­ra quem pe­dir aju­da quan­do for pre­ci­so. De ma­nei­ra sim­ples, lem­bra o fun­ci­o­na­men­to de um hos­pi­tal. Um pa­ci­en­te é aten­di­do na emer­gên­cia por um clí­ni­co ge­ral. O di­ag­nós­ti­co é de que há uma in­fec­ção, no en­tan­to, ele não sa­be iden­ti­fi­car exa­ta­men­te o cau­sa­dor. Mas, co­mo o mé­di­co em ques­tão co­nhe­ce ou­tro pro­fis­si­o­nal es­pe­ci­a­lis­ta nes­ta área, en­caminha o in­di­ví­duo pa­ra o tra­ta­men­to ade­qua­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.