En­tre a ra­zão ea EMO­ÇÃO

A in­te­li­gên­cia emo­ci­o­nal é a ca­pa­ci­da­de de re­co­nhe­cer e ge­rir sen­ti­men­tos (pró­pri­os e alhei­os) pa­ra in­te­ra­gir me­lhor e li­dar com as de­man­das diá­ri­as. Con­fi­ra di­cas de co­mo apri­mo­rá-la!

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

1 Olhe pa­ra si

Ten­te per­ce­ber co­mo vo­cê re­a­ge a emo­ções e co­mo elas aca­bam. Per­gun­te-se a ra­zão por trás de ca­da re­a­ção, ten­te com­pre­en­der os mo­vi­men­tos do seu cor­po a de­ter­mi­na­do sen­ti­men­to do iní­cio ao fim e pre­ve­ja quan­do ou­tras on­das de emo­ções es­tão vin­do.

2 Per­gun­te às pes­so­as

Iden­ti­fi­car o que elas sa­bem so­bre vo­cê tam­bém aju­da a apren­der mais so­bre si mes­mo. Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta João Mar­ce­lo Fur­lan, exis­tem qua­tro for­mas de me­lho­rar seu au­to­co­nhe­ci­men­to com ba­se em fe­ed­back. “O ocul­to: ca­rac­te­rís­ti­cas ou com­por­ta­men­tos seus que

so­men­te vo­cê co­nhe­ce e os ou­tros não. Aber­to: com­por­ta­men­tos seus que to­dos sa­bem. Des­co­nhe­ci­do: com­por­ta­men­tos seus que vo­cê mes­mo e as ou­tras pes­so­as não sa­bem. Pon­to ce­go: ca­rac­te­rís­ti­cas ou com­por­ta­men­tos seus que as de­mais pes­so­as sa­bem e vo­cê não”, ex­pli­ca o pro­fis­si­o­nal. Des­se modo, per­gun­te às pes­so­as pró­xi­mas a vo­cê e se des­cu­bra.

3 Não min­ta pa­ra si mes­mo

Sen­ti­men­tos ruins são tão nor­mais quan­to os bons, se­não mais fre­quen­tes. En­tão pro­cu­re en­ten­der o mo­ti­vo do ciú­mes ou da in­ve­ja, por exem­plo, e as­sim irá po­der con­tro­lar me­lhor quan­do eles sur­gi­rem de no­vo.

4 Ad­mi­ta o que sen­te!

“In­di­ví­du­os emo­ci­o­nal­men­te in­te­li­gen­tes con­se­guem su­pe­rar o me­do de ad­mi­tir emo­ções se­jam elas ne­ga­ti­vas ou não”, ex­pli­ca Se­ma­dar Mar­ques.

5 Con­ver­se con­si­go

De­sen­vol­ver o diá­lo­go in­ter­no me­lho­ra sua au­to­es­ti­ma e o au­to­cui­da­do. “É re­co­nhe­cen­do o que vo­cê pos­sui de bom que irá ter ener­gia e dis­po­si­ção pa­ra acei­tar aque­las com­pe­tên­ci­as emo­ci­o­nais que ain­da pre­ci­sa de­sen­vol­ver”, diz Se­ma­dar.

6 En­ten­da o que es­tá por trás

Re­a­gi­mos com sen­ti­men­tos pa­ra que o ou­tro com­pre­en­da nos­sos de­se­jos, co­mo be­bês cho­ran­do quan­do es­tão com fo­me. Se­gun­do Se­ma­dar, quan­do não fi­ca­mos atentos às ne­ces­si­da­des, co­bra­mos de­mais dos ou­tros. As­sim, a es­pe­ci­a­lis­ta ex­pli­ca que “re­co­nhe­cer su­as ne­ces­si­da­des emo­ci­o­nais lhe tra­rá mais cons­ci­ên­cia do re­al mo­ti­vo de su­as emo­ções e o aju­da­rá a co­mu­ni­cá-las de ma­nei­ra mais as­ser­ti­va”.

7 Pro­cu­re se acal­mar sob ten­são

Em mo­men­tos de es­tres­se, as emo­ções ten­dem a so­bres­sair a ra­zão. Mas o es­pe­ci­a­lis­ta João Mar­ce­lo dá a di­ca: “O im­por­tan­te é per­ce­ber qu­al ga­ti­lho dis­pa­rou es­se comportamento. Es­sa ob­ser­va­ção vai aju­dar a nos com­por­tar de ou­tra ma­nei­ra”, e com­ple­ta com

uma ma­nei­ra prá­ti­ca pa­ra se acal­mar: “Uma di­ca é contar. Po­rém a mi­nha su­ges­tão é fazer mul­ti­pli­ca­ções, so­mas e di­vi­sões, ope­ra­ções que ocu­pem a men­te com o ra­ci­o­nal”.

8 De­sen­vol­va a em­pa­tia

Ser ca­paz de iden­ti­fi­car emo­ções alhei­as e sen­tir o que o ou­tro sen­te é o pri­mei­ro passo pa­ra uma boa re­la­ção interpessoal. Pro­cu­re ou­vir e aju­dar o ou­tro co­mo vo­cê quer ser tra­ta­do. Se­gun­do Se­ma­dar, “a em­pa­tia é o pon­to de par­ti­da pa­ra ge­rar co­ne­xões ver­da­dei­ras e pro­fun­das en­tre os in­di­ví­du­os. As­sim, in­vis­ta pri­mei­ra­men­te na au­to­em­pa­tia. Is­so irá re­fle­tir a em­pa­tia que irá ofe­re­cer ao gru­po no qu­al es­tá in­se­ri­do e ga­ran­ti­rá co­ne­xões sau­dá­veis que irão pro­por­ci­o­nar bem-estar e uma vi­da ple­na”.

9 Te­nha mo­ti­va­ção!

En­ten­der seus prin­cí­pi­os e sa­ber seus me­dos são o pon­to de par­ti­da pa­ra uma boa qua­li­da­de de vi­da. Se­gun­do Se­ma­dar, “co­lo­car ob­je­ti­vos de vi­da ali­nha­dos com seu pro­pó­si­to e va­lo­res mais pro­fun­dos ge­ra gar­ra e de­ter­mi­na­ção pa­ra en­fren­tar de­sa­fi­os”. Ou­tra di­ca é co­me­mo­rar pe­que­nas con­quis­tas, pois is­so au­men­ta a con­fi­an­ça e a mo­ti­va­ção de re­a­li­zar mais de­sa­fi­os.

10 En­ten­da o con­fli­to

Par­te da nos­sa con­vi­vên­cia com o ou­tro é em meio a con­fli­tos, se­jam com­por­ta­men­tais, há­bi­tos que vo­cê não gos­ta, fal­ta de co­mu­ni­ca­ção, mal-en­ten­di­dos... Não bas­ta bri­gar e pe­dir des­cul­pas; vá além na re­con­ci­li­a­ção! Pro­cu­re en­ten­der o mo­ti­vo e pro­po­nha uma so­lu­ção que cai­ba a am­bos pa­ra que o pro­ble­ma não tor­ne a vol­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.