POR UMA VI­DA MAIS PO­SI­TI­VA

De­sen­vol­va sua men­ta­li­da­de e avan­ce na vi­da!

Mente Curiosa - - EDITORIAL -

Acor­dar, es­pre­gui­çar, le­van­tar da ca­ma, abrir a ja­ne­la, to­mar o ca­fé da ma­nhã, fa­zer a pre­pa­ra­ção pa­ra mais um dia em sua vi­da. O co­ti­di­a­no mui­to se re­me­te à ro­ti­na, per­ren­gues, es­tres­se, fal­ta de tem­po. No en­tan­to, no fun­do do sig­ni­fi­ca­do da pa­la­vra, tan­to ao pé da le­tra, co­mo de for­ma mais vol­ta­da pa­ra o la­do hu­ma­no da si­tu­a­ção, o co­ti­di­a­no se tra­ta de há­bi­tos, prá­ti­cas re­a­li­za­das qua­se que au­to­ma­ti­ca­men­te por vo­cê. Por­tan­to, se di­fi­cul­da­des sur­gem em seu dia a dia, ge­ran­do es­tres­se e a von­ta­de de pa­rar tu­do e des­cer, é um mo­men­to opor­tu­no pa­ra pri­o­ri­zar a po­si­ti­vi­da­de e de­sen­vol­ver cos­tu­mes mais sau­dá­veis.

Pes­qui­sa­do­res re­le­van­tes na área do pen­sa­men­to po­si­ti­vo, co­mo o aus­tría­co Wal­ter Mis­chel, apon­tam a po­si­ti­vi­da­de co­mo um dos com­po­nen­tes im­por­tan­tes da for­ça de von­ta­de, jun­ta­men­te com saúde fí­si­ca, va­lo­res, me­ta qua­li­fi­ca­da, mo­ti­va­ção e cren­ças de au­to­e­fi­cá­cia. Ou­tros le­van­ta­men­tos apon­tam uma me­lhor ten­dên­cia pa­ra li­dar com es­tres­se de ma­nei­ra mais ra­ci­o­nal, me­lho­ra do sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, re­du­ção das re­a­ções in­fla­ma­tó­ri­as ao es­tres­se, di­mi­nui­ção da pres­são ar­te­ri­al, me­nos do­res, me­nos res­fri­a­dos e até mes­mo um so­no me­lhor. Um as­pec­to além das me­lho­ri­as fí­si­cas e psi­co­ló­gi­cas de quem ado­ta o pen­sa­men­to po­si­ti­vo é o da pos­si­bi­li­da­de de­le con­tri­buir pa­ra uma me­lho­ra de vi­da. Co­mo sequên­cia do de­sen­vol­vi­men­to de uma vi­são mais ra­ci­o­nal do es­tres­se por meio da po­si­ti­vi­da­de, a pes­soa po­de pen­sar em me­lho­res for­mas pa­ra atin­gir o su­ces­so no que de­se­ja, sen­do, de acor­do com a psi­có­lo­ga Si­mo­ne Grohs, um as­pec­to im­por­tan­te pa­ra de­sen­vol­ver a men­ta­li­da­de de cres­ci­men­to. “Po­de­mos di­zer que a po­si­ti­vi­da­de é fun­da­men­tal pa­ra que a pes­soa ava­lie su­as ex­pe­ri­ên­ci­as co­mo opor­tu­ni­da­des de cres­ci­men­to e su­pe­ra­ção, sen­do bem su­ce­di­das ou não”, com­ple­men­ta. Den­tro des­se apri­mo­ra­men­to pa­ra uma me­lho­ra de vi­da, a te­ra­peu­ta Mei­re Ya­ma­gu­chi apon­ta a mo­ti­va­ção ba­se­a­da no pen­sar po­si­ti­vo co­mo al­go ne­ces­sá­rio. “O pen­sa­men­to po­si­ti­vo é o res­pon­sá­vel por di­re­ci­o­nar nos­sas emo­ções pa­ra o apren­di­za­do e de­sen­vol­vi­men­to de nos­sas ca­pa­ci­da­des que são, na mai­o­ria das ve­zes, ape­nas uma se­men­te que de­ve ser re­ga­da à ba­se de mui­to trei­no”. Mei­re ain­da con­ta que não ape­nas a mo­ti­va­ção, mas tam­bém a per­sis­tên­cia se faz pre­sen­te nos re­fle­xos da po­si­ti­vi­da­de. “Uma pes­soa oti­mis­ta tem mais ten­dên­cia a en­ca­rar uma di­fi­cul­da­de co­mo par­te do ca­mi­nho e um de­grau a mais que vai le­vá-la ao ob­je­ti­vo de­se­ja­do”.

CE­TI­CIS­MO X PO­SI­TI­VI­DA­DE

Há con­fli­to en­tre o pen­sa­men­to cé­ti­co e o po­si­ti­vo ou es­sa é uma ri­va­li­da­de fal­sa? Va­le ressaltar que a ques­tão é so­bre ce­ti­cis­mo e não pen­sa­men­to ne­ga­ti­vo – ób­via con­tra­ri­e­da­de da po­si­ti­vi­da­de. Pa­ra aju­dar a res­pon­der a es­sa per­gun­ta, uti­li­za­mos o que a pes­qui­sa­do­ra Bar­ba­ra Fre­de­rick­son, da Uni­ver­si­da­de da Ca­ro­li­na do Nor­te, su­ge­riu co­mo “quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de”. Es­se ter­mo é de­fi­ni­do co­mo a frequên­cia de po­si­ti­vi­da­de em um da­do es­pa­ço de tem­po, di­vi­di­do por sua frequên­cia de ne­ga­ti­vi­da­de du­ran­te o mes­mo es­pa­ço de tem­po. Afi­nal de con­tas, não so­mos o tem­po to­do pes­si­mis­tas ou oti­mis­tas, não é mes­mo? Com is­so, pes­so­as cé­ti­cas po­dem pos­suir um bom quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de se seus pen­sa­men­tos, manifestações e emo­ções fo­rem po­si­ti­vos. “Ana­li­san­do des­sa for­ma, é pos­sí­vel per­ce­ber que exis­tem cé­ti­cos com um bom quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de, dis­se­mi­nan­do va­lo­res hu­ma­ni­tá­ri­os e am­bi­en-

ta­lis­tas”, ob­ser­va Si­mo­ne Grohs. Por ou­tro la­do, não exis­te um es­tu­do vol­ta­do à re­la­ção en­tre ce­ti­cis­mo e o quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de, não sen­do pos­sí­vel afir­mar se os cé­ti­cos são pre­do­mi­nan­te­men­te pes­si­mis­tas ou oti­mis­tas. Ape­sar de não ter uma re­la­ção abor­da­da por pes­qui­sa­do­res, a psi­có­lo­ga apon­ta on­de es­tá o con­fli­to co­men­ta­do. “O ce­ti­cis­mo se con­tra­põe ao oti­mis­mo ilu­só­rio, aque­le em que as pes­so­as acre­di­tam que ‘tu­do vai dar cer­to’ in­de­pen­den­te­men­te do es­for­ço ou do com­pro­me­ti­men­to pes­so­al com su­as me­tas. Es­se ti­po de oti­mis­mo é ini­mi­go da boa per­for­man­ce, da boa saúde e de bons ne­gó­ci­os e não tem qual­quer re­la­ção com o quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de”.

RE­FLE­XOS NO DIA A DIA

Pes­qui­sas na área da neu­ro­ci­ên­cia mos­tram que o pen­sa­men­to po­si­ti­vo co­la­bo­ra na pro­du­ção de hormô­ni­os ne­ces­sá­ri­os pa­ra me­lho­rar nos­sas per­for­man­ces. “Pen­sa­men­tos po­si­ti­vos fazem com que a pes­soa se­ja mais ani­ma­da e aber­ta pa­ra a vi­da. Além dis­so, pes­so­as po­si­ti­vas cos­tu­mam fa­zer mais exer­cí­ci­os e se ali­men­tar me­lhor, o que acar­re­ta em vi­da mais sau­dá­vel”, con­ta a psi­có­lo­ga Sir­le­ne Fer­rei­ra. Já Si­mo­ne Grohs apon­ta mais al­guns fa­to­res be­né­fi­cos da po­si­ti­vi­da­de. “Nos nos­sos cur­sos e tra­ba­lho clí­ni­co, é pos­sí­vel ob­ser­var que as pes­so­as com me­lhor quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de con­se­guem as­su­mir uma pos­tu­ra mais pro­du­ti­va e me­nos con­tro­la­do­ra di­an­te dos de­sa­fi­os, com­pre­en­dem que exis­te um equi­lí­brio en­tre o es­for­ço – fa­zer o seu me­lhor –e a pau­sa, o des­can­so. Tam­bém con­se­guem ava­li­ar as su­as ex­pe­ri­ên­ci­as de ma­nei­ra que con­tri­bu­em pa­ra o seu cres­ci­men­to e au­to­con­fi­an­ça, re­for­çan­do emo­ções po­si­ti­vas”.

Por fim, es­tu­dos con­se­gui­ram mos­trar que a po­si­ti­vi­da­de tem im­pac­to sig­ni­fi­ca­ti­vo em al­gu­mas ca­pa­ci­da­des hu­ma­nas. Com a ajuda de Si­mo­ne, enu­me­ra­mos al­guns de­les:

CRI­A­TI­VI­DA­DE

A par­tir da am­pli­a­ção da pers­pec­ti­va, a po­si­ti­vi­da­de oti­mi­za so­lu­ções cri­a­ti­vas.

TO­MA­DA DE DE­CI­SÕES

Ge­ren­tes com mai­or quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de to­mam de­ci­sões mais cor­re­tas e cui­da­do­sas, são mais efi­ci­en­tes nas re­la­ções in­ter­pes­so­ais – têm me­lhor co­or­de­na­ção de equi­pe, re­du­zin­do os es­for­ços exi­gi­dos no tra­ba­lho.

NE­GO­CI­A­ÇÕES COM­PLE­XAS

Es­tu­dan­tes com mai­or quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de de uma es­co­la de ad­mi­nis­tra­ção ame­ri­ca­na ti­ve­ram mai­o­res chan­ces de ga­nhar con­ces­sões, fe­char ne­gó­ci­os e in­cor­po­rar fu­tu­ras re­la­ções co­mer­ci­ais nos con­tra­tos.

EQUI­PES

Um bom quo­ci­en­te de po­si­ti­vi­da­de acom­pa­nha mai­o­res ha­bi­li­da­des so­ci­ais: au­men­ta a co­nec­ti­vi­da­de ou a har­mo­nia no gru­po. Equi­pes com al­ta po­si­ti­vi­da­de tam­bém fo­ram mais fle­xí­veis e re­si­li­en­tes.

| ILUS­TRA­ÇÕES is - tock/getty Images

CON­SUL­TO­RIA Si­mo­ne Grohs, psi­có­lo­ga da Má­xi­ma Per­for­man­ce e au­to­ra do li­vro Má­xi­ma Per­for­man­ce em 12 Pas­sos; Mei­re Ya­ma­gu­chi, te­ra­peu­ta em EF T (Te­ra­pia de Li­ber­ta­ção Emo­ci­o­nal); Kar­ma­co­a­ch, au­to­ra dos li­vros O Fim do Kar­ma e GPS Es­pi­ri­tu­al; Sir­le­ne Fer­rei­ra, psi­có­lo­ga

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.