O LA­DO BOM DA VI­DA

En­xer­gue o la­do po­si­ti­vo dos fa­tos

Mente Curiosa - - EDITORIAL - CON­SUL­TO­RI­AS Edith Ru­bins­tein, psi­co­pe­da­go­ga e te­ra­peu­ta fa­mi­li­ar; Mi­rel­la Co­bel­lis, psi­có­lo­ga clí­ni­ca | ILUS­TRA­ÇÕES is­tock/ Getty Images

Se­gun­do o sen­so co­mum, o mun­do po­de ser se­pa­ra­do em dois ti­pos de pes­so­as: as que en­xer­gam o co­po meio cheio e as que en­xer­gam meio va­zio. Em ou­tras pa­la­vras: quem en­ca­ra as si­tu­a­ções de for­ma po­si­ti­va ou ne­ga­ti­va. Nes­sa sim­ples com­pa­ra­ção é pos­sí­vel iden­ti­fi­car a ação do inconsciente nas nos­sas ati­tu­des do dia a dia, afi­nal, gran­de par­te da ma­nei­ra de co­mo li­da­mos com os pro­ble­mas são re­fle­xos des­sa par­te da men­te. As­sim, o pen­sa­men­to po­si­ti­vo po­de ren­der bons fru­tos. “O po­der da men­te po­de aju­dar aque­la pes­soa que não desiste, mes­mo sem o su­ces­so, com pa­ci­ên­cia e ma­tu­ri­da­de a aco­lher a sua frus­tra­ção dan­do um no­vo sig­ni­fi­ca­do e re­co­me­çar com mais for­ça”, afir­ma a psi­co­pe­da­go­ga Edith Ru­bins­tein.

PEN­SAN­DO PO­SI­TI­VO

An­tes de atin­gir o ní­vel do inconsciente, é pre­ci­so co­me­çar pe­lo cons­ci­en­te, a par­te mais “aces­sí­vel” da men­te. O cons­ci­en­te, res­pon­sá­vel, en­tre ou­tras coi­sas, pe­lo nos­so ra­ci­o­cí­nio e per­cep­ções, tem uma gran­de im­por­tân­cia nos pen­sa­men­tos po­si­ti­vos. “Pen­sar po­si­ti­va­men­te, se­ja atra­vés de prá­ti­cas co­mo vi­su­a­li­za­ções ou afir­ma­ções da­qui­lo que se de­se­ja, nor­mal­men­te en­con­tra-se a ní­vel cons­ci­en­te. Mas o inconsciente exis­te co­mo uma par­te mui­to mais pro­fun­da, vas­ta e des­co­nhe­ci­da do que qual­quer per­cep­ção ra­ci­o­nal que pos­sa­mos ter”, ex­pli­ca a psi­có­lo­ga Mi­rel­la Co­bel­lis.

Por­tan­to, ain­da que a pes­soa ten­te mu­dar seus há­bi­tos e pen­sa­men­tos, se­rá mo­di­fi­ca­do ape­nas uma pe­que­na par­te da men­te: o cons­ci­en­te. Le­van­do em con­si­de­ra­ção que o inconsciente é a par­te que exer­ce mai­or in­fluên­cia em nós, ten­tar ver o co­po meio cheio po­de ge­rar um gran­de con­fli­to in­ter­no.

SABOTAGEM IN­TER­NA

Pen­sar de uma for­ma, mas agir de ou­tra. Quem não co­nhe­ce pe­lo me­nos uma pes­soa as­sim? Co­mo aque­le ami­go que ten­ta eco­no­mi­zar di­nhei­ro, po­rém es­tá sem­pre no ver­me­lho. Es­se é o re­sul­ta­do de um con­fli­to in­ter­no, quan­do o inconsciente tem uma for­ça ne­ga­ti­va, mas o cons­ci­en­te op­ta pe­lo po­si­ti­vo. “Quan­do is­so ocor­re, nos­so inconsciente pos­si­vel­men­te irá sa­bo­tar ou até mes­mo anu­lar as prá­ti­cas e pen­sa­men­tos po­si­ti­vos, pro­por­ci­o­nan­do con­fli­tos in­ter­nos”, apon­ta Mi­rel­la. Nes­se qua­dro, de­se­ja-se ra­ci­o­nal­men­te al­go, mas in­cons­ci­en­te­men­te exis­tem men­sa­gens que di­tam o con­trá­rio. “No fi­nal das con­tas, tu­do que se per­ce­be é um cer­to des­con­for­to e um sen­ti­men­to de que as coi­sas não es­tão acon­te­cen­do co­mo ra­ci­o­nal­men­te se de­se­ja”, com­ple­men­ta a psi­có­lo­ga. Por is­so, pa­ra que re­al­men­te se­ja pos­sí­vel ver mais o la­do bom da vi­da do que o ruim, é pre­ci­so ir a fun­do na his­tó­ria de vi­da do in­di­ví­duo e com­pre­en­der cren­ças, mo­do de cri­a­ção e va­lo­res que es­tão en­rai­za­dos no inconsciente.

CO­MO MU­DAR

De acor­do com Mi­rel­la, a par tir do mo­men­to que a pes­soa de­ci­de po­vo­ar sua men­te com pen­sa­men­tos po­si­ti­vos e cons­tru­ti­vos, eles aca­bam afe­tan­do o sis­te­ma de cren­ças in­di­vi­du­ais. “Es­ses pen­sa­men­tos confrontam cren­ças que po­dem ser me­lhor ela­bo­ra­das, po­den­do va­ler co­mo uma cren­ça di­fe­ren­te, mais po­si­ti­va, co­mo se de­se­ja ini­ci­al­men­te”, afir­ma a es­pe­ci­a­lis­ta. O que so­mos ho­je é re­fle­xo dos va­lo­res que as­si­mi­la­mos du­ran­te to­dos os anos de nos­sa vi­da. Por­tan­to, não se­rá de um dia pa­ra o ou­tro que pas­sa­re­mos a en­xer­gar o co­po meio cheio. É pre­ci­so per­sis­tên­cia e, prin­ci­pal­men­te, au­to­co­nhe­ci­men­to, que se con­se­gue por meio de psi­co­te­ra­pia e al­gu­mas prá­ti­cas, co­mo me­di­ta­ção e io­ga. Os re­sul­ta­dos po­dem de­mo­rar um pou­co a vir, mas a re­com­pen­sa de ter

mais qua­li­da­de de vi­da va­le a es­pe­ra. “A pes­soa po­si­ti­va, p di­an­te de uma um frus­tra­ção, vai ter fle­xi­bi­li­da­de fle e ana­li­sar o que es­tá a im­pe­din­do de al­can­çar su­as me­tas, me­tas o que fa­zer pa­ra su­pe­rar. su­pe­ra Ela tem mais re­cur­sos e tam­bém uti­li­za a cri­a­ti­vi­da­de cri­a­ti­vi­dad pa­ra en­con­trar ca­mi­nhos”, des­ta­ca Edith.

O LA­DO NE­GA­TI­VO

É cla­ro que nin­guém vi­ve­rá em um con­to de fa­das, so­men­te ven­do o mun­do po­si­ti­va­men­te. Se­ria in­ge­nui­da­de pen­sar que não há o la­do ne­ga­ti­vo em al­gu­mas si­tu­a­ções e pes­so­as. A ques­tão é não fo­car no ruim, já que ele po­de tra­zer re­fle­xos igual­men­te ne­ga­ti­vos pa­ra nos­sa vi­da. “Quan­do o fo­co da pes­soa es­tá no ne­ga­ti­vo, is­so a au­xi­lia fi­car em aler­ta, es­pe­ran­do o pi­or. Po­rém, fo­car so­men­te no ne­ga­ti­vo traz pre­juí­zos à saúde. Em con­tra­par­ti­da, le­var uma vi­da em que o fo­co es­tá no po­si­ti­vo ten­de a ser mui­to mais sau­dá­vel e prós­pe­ro”, afir­ma Mi­rel­la. “Al­guém que só reclama, só vê os as­pec­tos ne­ga­ti­vos, tem di­fi­cul­da­de nos re­la­ci­o­na­men­tos e não con­vi­da à uma par­ce­ria, mes­mo em um tra­ba­lho de gru­po”, com­ple­men­ta Edith.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.