CHEGA DE INDECISÃO!

Di­cas pa­ra ter mais au­to­con­fi­an­ça

Mente Curiosa - - Primeira Página - CONSULT ORIAS Re­na­ta Ben­to, psi­có­lo­ga e psi­ca­na­lis­ta, mem­bro da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra de Psi­ca­ná­li­se do Rio de Ja­nei­ro | FONTES Si­tes lui­sa­ac­cor­si.com.br; www.es­co­lap­si­co­lo­gia.com | ILUSTRAÇÕES is­tock/getty Ima­ges

Vo­cê já fez uma má es­co­lha? A res­pos­ta pro­va­vel­men­te foi afir­ma­ti­va, afi­nal, to­dos co­me­te­mos des­li­zes em ho­ras de­ci­si­vas em al­gum mo­men­to da vi­da, se­ja na es­co­la, no tra­ba­lho ou em ou­tras si­tu­a­ções co­ti­di­a­nas — is­so faz par­te do nos­so de­sen­vol­vi­men­to en­quan­to se­res hu­ma­nos. E,

por mais que te­nha acha­do seu erro gra­ve e ina­cei­tá­vel, sai­ba que exis­tem ca­sos de pes­so­as que fi­ze­ram jul­ga­men­tos que lhes cau­sa­ram pre­juí­zos fo­ra do co­mum. De uma só vez, po­de­mos ci­tar 12 exem­plos de pés­si­mas es­co­lhas: os 12 edi­to­res que op­ta­ram por não as­si­nar com a es­cri­to­ra bri­tâ­ni­ca Jo­an­ne Ro­wling, po­pu­lar­men­te co­nhe­ci­da como J.K. Ro­wling, au­to­ra que en­can­tou mi­lhões de cri­an­ças, jo­vens e adul­tos com o mun­do bru­xo de Har­ry Pot­ter.

Com es­ses er­ros em men­te, es­te­ja ci­en­te de que, a qual­quer mo­men­to, uma opor­tu­ni­da­de in­crí­vel po­de apa­re­cer à sua fren­te. E, pa­ra não dei­xá-la pas­sar, vo­cê pre­ci­sa es­tar pron­to pa­ra tomar a op­tar pelo me­lhor ca­mi­nho e mu­dar o ru­mo da sua vi­da.

FOCO E RESPONSABILIDADE

O pe­so de uma es­co­lha po­de ser sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te im­pac­tan­te, o que é ca­paz de cau­sar a pro­cras­ti­na­ção da de­fi­ni­ção e a es­pe­ra por al­guém que de­ter­mi­ne a op­ção em seu lu­gar. “Mui­tas ve­zes, se adia a de­ci­são com a ex­pec­ta­ti­va de que o ou­tro per­ce­ba ou te­nha as ações que fa­ci­li­tem sua es­co­lha. Co­me­ça, en­tão, um pro­ces­so de di­vi­dir a responsabilidade da so­lu­ção, es­pe­ran­do que al­go, al­guém ou o mun­do re­sol­va por vo­cê”, elu­ci­da a ori­en­ta­do­ra pes­so­al Wa­nes­sa Mo­rei­ra. E es­se des­com­pro­mis­so com a res­pon­sa-

bi­li­da­de es­tá re­la­ci­o­na­do à per­da de foco com si­tu­a­ções que pre­ci­sam de res­pos­tas ime­di­a­tas.

Pa­ra fu­gir des­se ci­clo de re­ceio e indecisão e co­me­çar a ser mais ob­je­ti­vo, as­su­mir o com­pro­me­ti­men­to com as es­co­lhas é o pri­mei­ro pas­so. “Quan­do vo­cê to­ma uma de­ci­são, mu­da a his­tó­ria e o com­pas­so das coi­sas ao seu re­dor, por is­so acre­di­te no seu sentimento”. En­tre­tan­to, cui­da­do: con­fi­ar de­mais em si mes­mo po­de ser uma via de mão du­pla.

AU­TO­CON­FI­AN­ÇA

“Is­so não po­de dar er­ra­do”. Qu­an­tas ve­zes vo­cê já dis­se, pen­sou ou ou­viu em al­gum fil­me es­sa fra­se e acon­te­ceu exa­ta­men­te o opos­to do que se es­pe­ra­va? Em al­gu­mas si­tu­a­ções, con­fi­ar na sua ca­pa­ci­da­de de de­ci­são pa­ra es­co­lher um ca­mi­nho é fun­da­men­tal, qua­li­da­de es­sa vis­ta nos car­gos mais al­tos das mai­o­res em­pre­sas do mun­do. Pa­ra os lí­de­res, como apon­ta o li­fe co­a­ch e es­pe­ci­a­lis­ta em aná­li­se com­por ta­men­tal

Pau­lo Co­ta, “é im- pres­cin­dí­vel que a au­to­con­fi­an­ça es­te­ja bem, pois é ela quem mo­ti­va, de­ter­mi­na, su­ge­re e es­tá a fren­te das decisões”.

Po­rém o pro­fis­si­o­nal res­sal­ta que, por mais cer­to que vo­cê es­te­ja de uma re­so­lu­ção, é ne­ces­sá­rio tomar al­guns cui­da­dos:

• Não con­fie que tu­do vai dar cer­to sem­pre;

• Não su­bes­ti­me a con­cor­rên­cia;

• Evi­te o pen­sa­men­to: “O mer­ca­do pre­ci­sa de mim e eu tal­vez de­le”;

• Te­nha sem­pre um pla­no B e aprenda a ge­ren­ci­ar ris­cos;

• Te­nha hu­mil­da­de de re­co­nhe­cer que não sa­be de tu­do e es­te­ja sem­pre pron­to a apren­der. Wa­nes­sa Mo­rei­ra ain­da acres­cen­ta al­guns itens à lis­ta de pre­cau­ções a se­rem to­ma­das:

• Ob­ser­ve além das su­as ver­da­des e re­fe­rên­ci­as;

• Ou­ça as pes­so­as que já pas­sa­ram por si­tu­a­ções se­me­lhan­tes;

• Am­plie seu pon­to de vis­ta e co­lo­que as crí­ti­cas que vo­cê re­ce­ber como apren­di­za­do do seu pro­ces­so. As­sim, vo­cê te­rá mais vi­são do to­do pa­ra es­co­lher.

ANÁ­LI­SE COMPLEXA

As dú­vi­das na ho­ra de tomar uma de­ci­são ge­ral­men­te sur­gem quan­do há uma si­tu­a­ção de al­to ris­co, das quais po­de­ri­am se ori­gi­nar er­ros gra­ves. Um meio pa­ra en­con­trar um ca­mi­nho em ca­sos as­sim é ter seus va­lo­res de for­ma cla­ra em men­te. Is­so por­que, se­gun­do Pau­lo Co­ta, a per­cep­ção de uma de­ci­são de al­to ou bai­xo ris­co es­tá in­ti­ma­men­te li­ga­da aos va­lo­res pes­so­ais, sen­do es­tes mui­to sub­je­ti­vos. Des­sa for­ma, não é pos­sí­vel afir­mar que há uma es­co­lha cer­ta ou er­ra­da, mas que exis­te uma mais ade­qua­da de acor­do com os vié­ses éti­cos, mo­rais, en­tre ou­tros, de ca­da pes­soa. Pa­ra exem­pli­fi­car, Pau­lo ci­ta:

“Cer­ta vez, um ho­mem me pro­cu­rou di­zen­do que ti­nha re­ce­bi­do uma pro­pos­ta pa­ra tro­car de em­pre­go. A pri­o­ri, tra­ta­va-se de uma mudança gran­de, que en­vol­via fa­mí­lia, fi­lhos na es­co­la e tro­ca de ci­da­de, ou se­ja, clas­si­fi­ca­mos como uma es­co­lha de al­to ris­co. Por ele, o ma­ri­do, já es­ta­va tu­do cer­to. No en­tan­to sua es­po­sa dis­se:

‘Vo­cê já te­ve o ok da em­pre­sa? Re­ce­beu por es­cri­to a pro­pos­ta? Já ana­li­sou a lo­gís­ti­ca do seu no­vo tra­ba­lho?’ Ob­ser­vem os va­lo­res car­re­ga­dos nas en­tre­li­nhas da per­gun­ta de­la: se­gu­ran­ça e li­ber­da­de”.

Mes­mo que, nes­ta si­tu­a­ção, o ma­ri­do não te­nha pri­o­ri­za­do os mes­mos va­lo­res de sua es­po­sa, is­so não quer di­zer que ele não dê im­por­tân­cia pa­ra eles em sua vi­da. Po­rém, com es­se exem­plo, é pos­sí­vel per­ce­ber que a par­ti­cu­la­ri­da­de em re­la­ção à vi­são de ca­da in­di­ví­duo po­de ge­rar ca­mi­nhos to­tal­men­te di­fe­ren­tes. Des­sa for­ma, se a de­ci­são é de al­to ris­co e com­pro­me­te­rá al­guém além de vo­cê, é im­por­tan­te ana­li­sar os va­lo­res de to­dos os en­vol­vi­dos e, se for o ca­so, pe­dir a opi­nião de ter­cei­ros pa­ra en­xer­gar a si­tu­a­ção sob um ou­tro olhar.

DI­CAS EXTRAS

A se­guir, con­fi­ra in­di­ca­ções da co­a­ch es­pe­ci­a­lis­ta em de­sen­vol­vi­men­to hu­ma­no Adri­a­na Sch­nei­der:

• Au­to­co­nhe­ci­men­to: de acor­do com a es­pe­ci­a­lis­ta, é im­por­tan­te bus­car com­pre­en­der “a raiz de seu con­jun­to de cren­ças e va­lo­res e como eles têm con­tri­buí­do ou atra­pa­lha­do a flui­dez de sua vi­da pes­so­al, pro­fis­si­o­nal e re­la­ci­o­na­men­tos in­ter­pes­so­ais”.

• Bem-es­tar: na me­di­da do pos­sí­vel, pri­o­ri­ze aqui­lo que tra­rá fe­li­ci­da­de ao seu dia a dia, in­ves­tin­do nas op­ções mais po­si­ti­vas pa­ra a sua vi­da.

• Au­to-ob­ser­va­ção: por al­guns mi­nu­tos na sua ro­ti­na, fi­que em si­lên­cio e respire fun­do. “Use e abu­se des­sas fer­ra­men­tas pa­ra agu­çar sua cla­re­za e in­tui­ção, ele­men­tos bá­si­cos pa­ra uma boa to­ma­da de de­ci­são”, com­ple­men­ta Adri­a­na.

• Re­fle­xão: “pen­se gran­de, sis­tê­mi­co e com au­tor­res­pon­sa­bi­li­da­de, ava­lie as con­sequên­ci­as que po­dem ser ge­ra­das, pro­je­tan­do on­de es­sa de­ci­são irá te le­var”, acon­se­lha a pro­fis­si­o­nal. Se as pos­si­bi­li­da­des mais apro­xi­mam do que afas­tam vo­cê de seus ob­je­ti­vos, si­ga em fren­te; do con­trá­rio, pro­cu­re por no­vas al­ter­na­ti­vas.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.